Wikileaks oferece recompensa de 20 mil dólares por informações sobre morte de funcionário democrata

por Pedro Marin | Revista Opera

0
184
"Não atire no mensageiro": manifestação diante da prefeitura de Sydney, em apoio a Julian Assange, 10 de dezembro de 2010. (Foto: Elekhh / WikiCommons)

O site de vazamento de informações Wikileaks anunciou na última terça-feira (9) que dará uma recompensa de 20 mil dólares por informações que levem à prisão do responsáveis pela morte do ex-funcionário do Comitê Nacional Democrata (CND), Seth Rich.

Seth Rich, de 27 anos, trabalhava para o Comitê Nacional Democrata como analista de dados, e foi assassinado no dia 10 de julho, próximo à sua residência em Washington, EUA.

A falta de motivo aparente, testemunhas ou suspeitos no caso levou à teoria de que Rich estaria por trás do vazamento de mais de 20 mil emails do CND ao site Wikileaks, que sugeriam um conluio entre funcionários para prejudicar a campanha do ex-candidato democrata à presidência, Bernie Sanders, e levaram à renúncia de diversos representantes do partido, incluindo da presidente do Comitê Democrata, Debbie Wasserman.

“Se foi um assalto, falhou, porque ele ainda tem seu relógio, seu dinheiro, seus cartões de crédito… ainda tinha seu celular, então foi uma perda de esforço, exceto que perdemos uma vida”, disse à época o pai de Seth, Joel Rich, ao canal de TV KMTV.

Leia mais – Hillary e Trump: uma moeda, duas faces

“Nós precisamos entender quão longe vão as apostas nos EUA”, disse o criador do Wikileaks, Julian Assange, quando perguntado sobre o porquê de estar comentando o assassinato do funcionário do CND durante uma entrevista ao programa de televisão holandês Nieuwsuur. Assange, no entanto, não confirmou nem negou que Seth tenha sido o responsável pelo vazamento, já que o Wikileaks usa um sistema seguro de envio de documentos.