63% apoiam saída de Temer por eleições diretas, diz Datafolha

por Pedro Marin | Revista Opera*

0
75
Brasília - O ministro das Relações Exteriores, José Serra, e o presidente interino Michel Temer participam de cerimônia de entrega de credenciais a embaixadores estrangeiros, residentes em Brasília (Wilson Dias/Agência Brasil)

63% dos brasileiros apoiam a renúncia do presidente Michel Temer ainda neste ano, para que hajam eleições diretas. O número foi divulgado neste domingo (11) pelo Datafolha, após levantamento com mais de 2 mil pessoas realizado nos dias 7 e 8 de dezembro.

Para que hajam novas eleições diretas, Temer teria de renunciar até o dia 31 de dezembro – após a data, a escolha de seu sucessor seria feita de forma indireta, pelo Congresso Nacional.

Ainda de acordo com a pesquisa, a popularidade de Temer despencou desde julho, quando 31% consideravam sua gestão péssima ou ruim. Atualmente, 51% desaprovam seu governo, e 34% o consideram regular – no levantamento anterior, o número era de 42%.

40% consideram ainda que a gestão Temer é pior do que a de Dilma Roussef, 34% a consideram igual e 21% dizem achar o governo Temer melhor.

No que se refere à economia, 65% consideram que a situação econômica do país piorou, 25% dizem que se manteve como estava e 9% disseram que houve melhora. 66% consideram que a inflação aumentará, e 67% acreditam que o desemprego irá crescer.

Crise

A má avaliação do governo e o pessimismo em relação à economia ocorrem em meio a uma forte crise política no governo. Desde que assumiu, há pouco mais de cem dias, seis ministros de seu governo caíram, quatro deles em decorrência da Operação Lava Jato.

Leia também: 100 dias de entrega e destruição do Estado

O levantamento foi realizado antes do ex-vice-presidente de Relações Internacionais da Odebrecht, Cláudio Melo Filho, ter feito uma delação premiada na qual denuncia a participação do presidente em um esquema de caixa-dois para as campanhas do PMDB. Outros envolvidos, de acordo com Cláudio, foram o atual ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, e o assessor especial de Michel Temer, José Yunes.

*Com informações da Folha