O Império, através da OMC, enquadra novamente o Brasil

por Roberto Moraes* | Blog do Roberto Moraes

0
390

O caso da condenação do Brasil na Organização Mundial de Comércio (OMC) pelos ligeiros apoios e incentivos industriais através de políticas governamentais mostra que o capitalismo continua mais imperialista que nunca, a despeito dos discursos vazios da modernização que tentam escamotear o controle hegemônico sobre a produção industrial no mundo.[1]

O caso faz lembrar o argumento central do coreano Ha-Joon Chang em seu livro “Chutando a Escada”, quando ele descreve como as nações centrais e o mundo desenvolvido exercem a pressão sobre os países em desenvolvimento, impedindo que eles façam o que eles fizeram. Maria da Conceição Tavares gosta de lembrar que quem primeiro fez algum protecionismo foram os alemães para saírem de baixo do sapato dos ingleses.

O caso serve para mostrar que o processo que vivemos no atual “tempo estrutural” vai para além do controle das reservas de bens naturais e minerais como o pré-sal, mas contra qualquer política industrial, como o conteúdo local e outros.

Reagem a mais investimentos em educação, infraestrutura e articulação políticas com os Brics e acesso a outros financiamentos com menos controles hegemônicos como do Banco Mundial, BID, etc.

O capitalismo contemporâneo continua pressionado contra aquelas nações, que mesmo tardiamente – na periferia – tentam fazer o mínimo para adentrar, mesmo que pelas beiradas, ao sistema. Olha que não se está nem falando das cadeias globais de valor, como o caso da Embraer.

Atiram contra o Estado brasileiro, rejeitando qualquer hipótese de inclusão social, de socialização mesmo que pelo consumo das mercadorias, do aumento da importância e do peso do trabalho, numa lógica do mínimo do Welfare State tupiniquim que estava, aos trancos e barrancos, incorporando massas, numa perspectiva de democracia centralmente alvejada, mais uma vez, pelo discurso moralista.

O “case” serve também para observar que não é possível compreender “a nossa tragédia” desgarrada da análise numa escala superior, do sistema capitalista contemporâneo. O Império vaticina o retorno à condição de colônia e assim, atiraram contra a breve ruptura, mesmo que por dentro do sistema. Aí não há nada de mercado, porque eles continuam resistindo ao capitalismo concorrencial e apostando no capitalismo monopolista, imperialista.

Presidir a OMC é como ter alguém brincando de controlar o comércio do mundo, porque na verdade o cerne dele continua com donos bem definidos.

A pressão pela continuidade nos levará à ruptura em algum momento, porque nunca será assimilável que se continue a tocar um mundo (e nações) para poucos, com a maioria sendo controlada pelas forças armadas, ou sob a forma dos controles cibernéticos da modernidade que continua tentando conservar os impérios.


Fontes:

[1] – http://www.valor.com.br/brasil/5101040/governo-apelara-de-decisao-da-omc-de-condenar-incentivos-industriais

*58 anos, professor e engenheiro do IFF (ex-CEFET) em Campos dos Goytacazes, RJ. Pesquisador do NEED-IFF.