Crônica: Terceiro Mundo, um trem para nada mais

por Pedro Marin | Jornal GGN

0
94
(Foto: Luis Pérez / Wikicommons)

Foi em um desses ominosos dias em que deveria me despedir. Peguei minha mochila, lhe dei um beijo e saí, com meu compadre, às 10 da noite. Não demorou muito até pararmos uma das vans que operam quase clandestinas em Guarulhos. Subimos nos bancos da frente. O motorista acelerava e costurava entre as vias e, às vezes, as calçadas, como se o mundo todo tivesse sido criado por Deus na forma de atalhos. Enquanto isso, tratávamos do cenário político e da crescente influência dos militares na política nacional.

O Comandante do Exército, General Villas Boas, havia tuitado em 3 de Abril, cerca de uma semana antes, que assegurava “à Nação que o Exército Brasileiro julga compartilhar o anseio de todos os cidadãos de bem de repúdio à impunidade e de respeito à Constituição, à paz social e à Democracia, bem como se mantém atento às suas missões institucionais.” A mensagem do General irrompeu no Jornal Nacional naquela noite, um dia antes do STF julgar o habeas-corpus de Lula.

De qualquer maneira, as ruas do bairro dos Pimentas que levam à estação de São Miguel Paulista passam por ao menos três das dezenas de favelas da região. Em uma dessas, a “Favela do Pantanal”, se empilham pequenas casas de madeirite, acima de um pequeno córrego (o “Pantanal”.)

Chegamos enfim a São Miguel, quarenta minutos depois. (A viagem usualmente leva uma hora de ônibus, mas a disposição dos motoristas para a  velocidade são a razão pela qual a maior parte do povo prefere as vans semiclandestinas.)

Pego o trem. São 11 da noite.

Kreeeeeeen… A porta do vagão abre subitamente, e um mascate passa por ela, anunciando os chocolates que vende. Antes de chegar ao destino, ao menos mais quatro deles aparecerão vendendo seus produtos. São parte dos 34,2 milhões de brasileiros que agora trabalham informalmente, sem registro. De acordo com o IBGE, trata-se do maior número de trabalhadores sem carteira registrada na história, sendo essa a primeira vez em que o número daqueles que trabalham por conta própria superou o daqueles com trabalhos formais (33,3 milhões).

E então chego à estação do Brás. Essa é a principal conexão entre o sistema de trens, que cobre as periferias distantes de São Paulo, ao metrô. Há na estação quatro plataformas, e acima de cada uma delas há uma tela gigante; são quatro monstros luminosos que vendem tudo, de celulares a geladeiras, e alumiam as massas que ansiosamente esperam o próximo trem. Sendo um habitante do Terceiro Mundo, o leitor entenderá perfeitamente a estranheza de se viver sob as asas do progresso e do consumo, de um lado, e do subdesenvolvimento e pobreza do outro, como se fôssemos ovelhas admirando os telões, com sede de Coca-Cola apesar da água enlameada que bebemos, impressionados com a imponência estrutural dos shoppings aos finais de semana, mas acostumados à visão diária da arquitetura paleolítica das favelas. O novo (velho) controle ideológico, sob o qual as contradições do Mundo são profundamente escondidas estando à frente de nossos olhos, como se não pudesse haver perversidade em uma realidade tão aberta e transparente. As telas, o semiclandestino, as favelas, os trens, os vendedores: nada impressiona. Tudo é simplesmente como é. O clarão do anúncio evidencia a blusa costurada na Índia, mas é sob sua sombra que vivem os generais e os dados do IBGE.

A maior parte das pessoas, mesmo que vivam na Favela do Pantanal, mesmo que peguem estes trens, mesmo que neles vendam doces às 11 da noite, só verá o brilho atordoador das telas. Como o escritor mexicano Fabrizio Mejía escreveu: “a cultura dominante não se mantêm por ser melhor, mas por criar a ilusão de que não há nada mais.”