O neoliberalismo destruiu a mobilidade social, e devemos reconstruí-la

por Paul Mason - Brave New Europe / Tradução de Gabriel Deslandes

0
196
(Foto: Sophie J. Brown, via WikiCommons)

A foto mais antiga que tenho do meu pai, John, é da escola primária, por volta de 1936. Ele é claramente um dos garotos mais pobres da escola e um dos mais doentes: surdo de um ouvido, magro, pequeno para sua idade e lutando para sorrir. Quando olho para a minha foto favorita dele, numa praia em Newquay nos anos 60, ele está feliz, saudável e fazendo tudo certo: um motorista de caminhão que pode ler, ouvir música e discutir as ideias de EP Thompson e Solzhenitsyn.

Sua renda aumentou constantemente nas décadas do pós-guerra, mas sua vida também havia sido transformada. O termo técnico para o que aconteceu com ele é mobilidade social ascendente intrageracional, mas este termo não consegue sequer capturar a recuperação do humor, a qualidade de vida, a confiança e a liberdade de ação que sua geração experimentou.

Durante a Depressão, meu pai costumava se agarrar aos joelhos de sua mãe para impedi-la de atender a porta, no caso de os oficiais de justiça virem para pegar seus móveis. Móveis sem os quais você poderia viver. Já autoestima que saía daquela porta com eles, substituída por uma fria humilhação, era uma coisa diferente.

Hoje, os fantasmas da infância do meu pai estão de volta. Famílias maciçamente endividadas; a pobreza profunda o suficiente para afetar a distribuição de alimentos; a violência doméstica desenfreada; a insegurança da habitação e políticas xenófobas de extrema-direita. Todos esses são sintomas de um problema mais profundo que fez com que a ideia de mobilidade ascendente fosse impossível para muitas pessoas da classe trabalhadora e – igualmente importante – tornou o medo de um mergulho descendente distintamente racional.

O governo trabalhista do pós-guerra de Clement Attlee atendeu às aspirações da geração de meu pai de forma tão exata que foi o equivalente político ao lançamento de três dardos na faixa de 20 pontos. Isso foi uma satisfação na época e em suas memórias.

O Partido Trabalhista sob o comando de Attlee foi capaz de transformar irreversivelmente o capitalismo britânico porque eles o entendiam: o que eles precisavam fazer, para quem fazer, em que ordem, quais eram os riscos e como superar a resistência.

Os trabalhistas sob Jeremy Corbyn abriram caminho para pouco mais de 40% nas pesquisas porque responderam a algumas dessas perguntas; chegarão a formar um governo majoritário quando responder a todas elas. A mesma lição vale para outros governos transformadores de esquerda em todo o mundo. O que, para quem, a sequência e a mitigação do risco serão o tema deste ensaio sobre o que significa a social-democracia radical durante a próxima década.

Qual é o problema que tenta-se corrigir? Foi descrito claramente por Jeremy Corbyn em seu discurso na conferência dos social-democratas europeus em Bruxelas em outubro: “o modelo econômico neoliberal está quebrado”. Esse modelo, como todos os paradigmas do capitalismo industrial, teve início, meio e fim. Em uma brilhante confirmação da dialética, os mesmos fatores que impulsionaram o crescimento do neoliberalismo também causaram sua queda.

A globalização expandiu a força de trabalho do mundo e gerou ganhos de forma comercial para além de qualquer período anterior de abertura internacional. Esmagar o poder do trabalho organizado permitiu uma reversão histórica do aumento crescente da participação do mercado de trabalho no PIB. A globalização das finanças permitiu que a dívida das famílias e das empresas crescesse, aparentemente, sem desestabilizar o sistema.

Porém, a partir de meados dos anos 1990, o capitalismo começou a regurgitar o capital. Da crise asiática, à crise da Rússia, ao Long Term Capital Management e depois à bolha das empresas “ponto com” entre 2000-2001, surgiu um padrão: um excesso de capital em comparação com o crescimento real e a produtividade. Com os salários deprimidos, o consumo teve que ser impulsionado pelo crédito, forçando um grande número de pessoas a acreditar que tinham uma participação na financeirização da vida cotidiana.

O padrão entre meados da década de 1990 e 2008 é repetitivo: inundações de capital no setor financeiro, desencadeando um ciclo de expansão e colapso; os bancos centrais respondem criando mais dinheiro; isso inunda de ativos uma nova classe ou país ou região – provocando um renovado ciclo financeiro de expansão e contração.

Se, entretanto, a revolução da tecnologia da informação tivesse entregue o que prometera – alta produtividade, altos salários e alto crescimento – esse frenesi especulativo poderia ter terminado com uma nova decolagem do capitalismo. O problema é: a tecnologia da informação é real, mas suas propriedades produtoras de valor são superestimadas. Ela produz mais utilidade, porém colapsa o preço de tudo.

De acordo com os economistas do Banco da Inglaterra, Rachel Lukasz e Thomas Smith, de uma taxa de crescimento global média de 3-4% ao ano, a inovação tecnológica é responsável por precisamente menos de 0,2 pontos percentuais nos últimos 30 anos[1].

Se você olhar para os impulsionadores positivos do crescimento identificados pelos economistas do Banco durante a era neoliberal, eles chegarão a um ponto de inflexão em torno do ano 2000. Nos anos 80 e no início dos anos 90, cerca de metade do crescimento provém da expansão da oferta global de mão de obra e metade do “crescimento na fronteira da produtividade”, o que significa o aumento dos níveis de educação, a queda da desigualdade e a expansão fiscal de longo prazo, que empurrou as dívidas dos governos para 60% do PIB em cerca de 2000[2].

Contudo, por volta da virada do século, o crescimento da produtividade global desaparece, sendo substituído pelo “crescimento acelerado”[3]: ​​os países mais pobres industrializando suas economias, urbanizando suas populações e entrando no setor de serviços. O preço é um enorme desequilíbrio financeiro, comercial e fiscal que só pode ser revertido por meio de uma crise financeira devastadora. Pagar por essa crise aumenta a dívida global do governo para cima de 90% do PIB e deixou a economia mundial inteira dependente de apoio monetário.

O problema é que, nos próximos 30 anos, os economistas do Banco preveem que o crescimento acelerado se esgotará; o crescimento da força de trabalho global será mais lento; expansão fiscal de uma base de 93% do PIB global será muito difícil; e a produtividade impulsionada pela tecnologia não acontece em lugar algum.

Essas projeções concordam com a visão de Larry Summers, o ex-secretário do Tesouro dos EUA, que escreveu em 2014: “A dificuldade que surgiu nos últimos anos para alcançar um crescimento adequado está presente há muito tempo, mas tem sido mascarada por finanças insustentáveis”.

Se ele está certo, então a conclusão brutal que temos que traçar é que o neoliberalismo não era uma solução para os problemas do sistema keynesiano: era um contorno. O problema essencial que a geração do meu pai enfrentou depois de 1973 – queda da produtividade e aumento dos gastos do Estado – não foi resolvido pela globalização, nem inflacionou muito o sistema financeiro com dinheiro barato. Foi apenas empurrado para o lado.

A menos que fosse possível continuar a expandir a dívida privada e o suprimento de dinheiro para sempre, o modelo neoliberal, mais cedo ou mais tarde, atingiria o muro, assim como o keynesianismo. Foi o que aconteceu em 2008. O sistema permaneceu vazio até 2016 e, em seguida, com o Trump e o Brexit, a estrutura global multilateral começou a se fragmentar. As elites de todo o mundo descobriram que os cérebros humanos não podem funcionar vazios: eles precisam de uma história coerente e o modelo neoliberal não conta mais.

As implicações disso para a social-democracia devem ser óbvias. Isso significa que você não pode substituir o neoliberalismo por um retorno ao modelo keynesiano, que também estava quebrado. A suposição de muitos ativistas da esquerda trabalhista – de que, se pudéssemos nacionalizar mais, taxar mais, escrever melhores estratégias industriais, capacitar mais pessoas, construir mais infraestrutura e casas, sairíamos com um modelo funcional de capitalismo – está errada.

Da mesma forma – do movimento de Bernie Sanders nos EUA ao Partido de Esquerda na Alemanha – a ilusão de que o descontentamento da classe trabalhadora com a globalização pode ser resolvido por oferecer às pessoas com mais de 50 anos um retorno à economia de sua infância também é falsa.

No poder, a esquerda terá de usar ferramentas e técnicas emprestadas tanto da era keynesiana quanto da era neoliberal, mas seu objetivo deve ser o de projetar um modelo diferente de ambos, com ênfase na modelagem do planejamento; modelos de propriedade mista em vez de nacionalização direta; descarbonização maciça e criação proativa de um setor colaborativo – usando software de código aberto e produção sem fins lucrativos.*

E porque todos os governos existem dentro de um sistema global altamente conectado, teremos que levar muito mais pessoas conosco: investidores estrangeiros, governos estrangeiros e mercados de câmbio.

Um governo trabalhista liderado por Corbyn, e comprometido com medidas semelhantes às do manifesto de 2017, daria seus primeiros passos em meio à resistência. Ela viria de uma imprensa quase totalmente hostil – cujo trabalho seria desestabilização contínua por meio de desinformação; das partes do setor financeiro de Londres que fizeram da cidade um playground para todos os trapaceiros e espertalhões do mundo; e de uma seção pequena, mas visceralmente reacionária da população influenciada pela extrema-direita internacional, para a qual o assassino de Jo Cox, o suposto atacante da Mesquita de Finsbury e os cinco soldados acusados ​​de neonazismo foram todos atraídos.

Contra cada um desses adversários, um governo trabalhista de esquerda precisa empregar a poderosa arma da esperança. Não uma esperança a longo prazo, mas a promessa de curto prazo e o ciclo de entrega que fez com que a mina do meu pai fosse nacionalizada e os cuidados de saúde fossem tornados gratuitos dentro de dois anos após a vitória eleitoral do Partido Trabalhista.

O objetivo de um governo de esquerda radical na Grã-Bretanha deveria ser, em um período de cinco a dez anos, estabelecer uma nova dinâmica para impulsionar o crescimento econômico que substitua a dinâmica quebrada do neoliberalismo.

Isso significa: substituir o crescimento impulsionado pela inflação dos preços dos ativos pelo crescimento impulsionado pela produtividade. Se, no processo, tiver que contar com o crescimento impulsionado pela expansão da força de trabalho ou pelo catch-up de crescimento com economias mais avançadas, ou mesmo com uma expansão monetária ainda maior, os trabalhistas não devem se esquivar disso, mas terão que afastar os consumidores do dinheiro barato; afastar a elite da evasão fiscal e da busca de renda; afastar os empresários da criação de empresas de baixos salários e baixo valor; e afastar o setor privado da dependência da terceirização e de atividades de busca de aluguéis como a PFI.

Em um parágrafo, isso deve descrever a estratégia econômica do Partido Trabalhista. Estão equivocadas as pessoas que pensam que a política fiscal de John McDonnell – essencialmente um plano fiscal redistributivo de 50 bilhões de libras, mais empréstimos de £250 bilhões – equivalem a uma estratégia econômica. Estas são simplesmente as condições fiscais para iniciar um projeto de transformação muito mais amplo.

E esse projeto de transformação tem que ser definido em torno de uma meta social. Os trabalhistas precisam usar o dinheiro extra, juntamente com as reformas de nível micro para o Direito empresarial e a regulamentação de negócios, mudando radicalmente as regras de terceirização e com um programa de nacionalização limitado. Vou explorar as opções em um ensaio posterior, mas o objetivo básico é conseguir duas coisas:

  • Melhoria tangível e rápida da remuneração real, custos da habitação e qualidade do serviço público para adultos em idade ativa com rendimentos médios e baixos.
  • O renascimento das cidades, estados e comunidades cujas economias tiveram o coração arrancado deles.

Isso significa repensar o próprio conceito de mobilidade social. As pessoas se tornaram tão cínicas durante a era do neoliberalismo que, à esquerda e entre ativistas comunitários, está se tornando comum ouvir a própria ideia de mobilidade social denunciada como “elitista”, como se fosse sempre voltada para outra pessoa.

Desde o Thatcherismo, tornou-se uma palavra codificada para o “eleitor aspiracional” – alguém que quer escapar da pobreza por esfaquear todos os outros nas costas e deixá-los para trás; alguém que quer escalar a hierarquia de classes, mesmo quando as lacunas entre ricos e pobres aumentam.

Para a geração do meu pai, isso significava algo diferente. Significava ser capaz de fazer o bem trabalhando duro, ao mesmo tempo em que você vê sua cidade, sua comunidade, o meio ambiente e sua zona comercial crescerem com você. Então, precisamos começar a definir a mobilidade social em termos de pessoas e lugar.

Antes de renunciarem frustrados com a negligência de Theresa May, a Comissão de Mobilidade Social do governo produziu 16 critérios contra os quais se afirma o óbvio: que as áreas rurais, as áreas costeiras e antigas áreas industriais estão vendo estagnar a mobilidade social convencionalmente definida. Todavia, apenas cinco desses critérios diziam respeito à vida adulta, e esses critérios eram quase sempre estáticos: o nível do salário médio, o número de proprietários, o número de gerentes e profissionais em uma área.

Na melhor das hipóteses, as estatísticas sociais oficiais do projeto de mobilidade social dos conservadores, agora abandonado, refletiam o “valor agregado” das escolas e creches – e não os impactos nas oportunidades da vida adulta. O subtexto foi que o melhor que o que podíamos esperar em uma era de estagnação salarial, e a próxima geração foge das cidades sem esperança de seus pais e dos empregos sem futuro via sistema educacional. Isso não é bom o suficiente.

Se, em vez disso, a Comissão de Mobilidade Social avaliasse mudanças no valor do salário líquido, no tempo de lazer, na qualidade e velocidade do transporte público e na acessibilidade econômica da moradia, eles estariam, em muitas áreas, registrando uma grande reversão. E isso é antes mesmo de você começar a considerar os intangíveis como o quão seguro ou o que o crime faz em uma determinada área, o quão morta ou movimentada é a rua principal, ou simplesmente se há uma atmosfera de esperança.

Em 1962, o teórico urbano Charles Stokes dividiu os assentamentos informais do mundo em “favelas de esperança” e “favelas de desespero”[4]. Embora nenhum governo tenha ousado aplicar essas categorias às cidades britânicas, seus habitantes subconscientemente o fazem.

A política econômica trabalhista precisa ser enquadrada de uma forma que ofereça a todos os adultos, dentro ou abaixo da mediana, a possibilidade crível de que sua remuneração real aumentará; seus custos de moradia caem e a qualidade de seu ambiente melhorará. Enquanto os governos do pós-guerra tinham como alvo os danos causados ​​por bombas, a remoção de favelas e áreas de extrema privação, hoje é a “cidade do desespero”, para pegar emprestada a frase de Stokes, que deveria estar no topo da lista de salvamento.

Uma das primeiras coisas que o Partido Trabalhista precisa fazer é estruturar novas métricas que obrigarão funcionários públicos, conselhos locais e terceirizados a avaliarem seu próprio sucesso ou fracasso com relação a essas novas metas, eliminando as métricas de mercado que foram coercitivamente aplicadas ao setor público para justificar a terceirização e contratos de PFI.

As pessoas devem ver um futuro no qual os salários aumentam, em vez de estagnar; o serviço de suas dívidas não engole metade de seus salários; a vida nas cidades se torna mais fácil; as comodidades básicas da vida se tornam mais baratas; há uma vida cultural rica e vibrante.

Uma parte importante dessa história é restaurar a crença das pessoas nos serviços públicos. Isso significa não somente financiar o serviço de saúde, revertendo os cortes na educação e no governo local, mas também esmiuçando o pagamento do setor público ao criar estruturas salariais e planos de carreira recompensadores para os milhões de pessoas que trabalham nos serviços públicos e espaço para inovação no setor público, não apenas para sobreviver à semana.

Por tudo isso, você precisa de dinheiro. O manifesto de direitos trabalhistas de 2017 prometeu angariar £50 bilhões em impostos de corporações, especuladores de propriedade e altos funcionários para financiar o Serviço Nacional de Saúde e os gastos com educação, o início de um sistema de cuidado infantil nórdico e educação universitária gratuita. Foi a coisa certa a fazer, mas não é toda a solução. Esses 50 bilhões de libras empurraram os limites do que pode ser levantado em uma economia estressada como a britânica.

Muito mais importante são os £250 bilhões que o Trabalhismo prometeu emprestar e gastar através de um banco de investimento estatal. A próxima vez que o Partido Trabalhista for para uma eleição, ele precisa concretizar como, quando e onde esses £ 250 bilhões serão gastos. Toda escola precisa saber quanto desse dinheiro pode esperar; todo partido trabalhista local precisa ser convidado para uma lista de desejos do que sua cidade precisa.

Das conversas que tive à porta das eleições gerais de 2017, meu palpite é que a procura local raramente consistirá apenas em novas autoestradas e linhas ferroviárias. Eu tinha me preparado para uma reação do Brexit, mas, mesmo nas comunidades clássicas pró-Leave, o primeiro encontro geralmente envolvia uma pessoa apontando furiosamente, por cima do meu ombro, para um buraco na estrada e perguntando simplesmente: quando isso será preenchido?

As pessoas querem restaurar o tecido de suas comunidades locais: clubes de jovens, serviços sociais para adultos, instalações de saúde mental, espaços verdes e ruas altas prósperas. Uma das coisas mais deprimentes sobre a narrativa do neoliberalismo era sua insistência em que as comunidades antigas deviam ser desfeitas, suas instalações deixadas para apodrecer, de modo que palácios brilhantes de apartamentos de luxo desabitados pudessem ser construídos ao lado deles. Que os pubs devem fechar para que as ruas altas de pequenas cidades possam ficar cheias de lojas vendendo álcool para consumo em casa.

O Partido Trabalhista no poder deve desafiar a ideia de que os gastos públicos em habilidades, capital humano, meio ambiente urbano e cultura são, de alguma forma, “não investimento”. Eu gostaria de ver quantidades significativas de empréstimos de 250 bilhões de libras em capital humano e renovação urbana. Estamos com falta de enfermeiros, médicos, trabalhadores de atendimento domiciliar; falta de pessoas que possam projetar e fabricar virtualmente aeronaves; falta de recrutas para as forças armadas. Invistam nisso.

Entretanto, mesmo 250 bilhões de libras podem não ser suficientes para iniciar o investimento necessário para restaurar o dinamismo nas áreas da Grã-Bretanha que o tempo – e governos sucessivos – parecem ter esquecido. É por isso que um governo trabalhista deve manter e até expandir a flexibilização quantitativa, além de ampliar o escopo do que o dinheiro emitido pode ser gasto. O objetivo deve ser – como o próprio governador do Banco da Inglaterra, Mark Carney, sugeriu em Xangai, em fevereiro de 2016 – criar uma ponte para o futuro modelo econômico, e não um “píer” que não chega a lugar nenhum[5].

Qualquer governo que fizesse o que estou sugerindo seria um outlier no sistema global. Enfrentaria a resistência interna e externa e discutirei em um ensaio posterior como essa resistência poderia ser superada.

Mas eu quero terminar onde comecei. Para a geração do meu pai, as ideias de Edward Thompson e Alexander Solzhenitsyn foram – além das complexidades – significantes distintos. Thompson lhes ensinou que a classe trabalhadora britânica tem uma história, e que o que o Partido Trabalhista fez depois de 1945 e Wilson nos anos 1960 foi projetado para alcançar progresso para eles antes de qualquer outra pessoa.

Quando esmagaram a geração de sindicalistas do meu pai e os submeteram mais uma vez à humilhação do desemprego em massa, o objetivo dos neoliberais não era simplesmente derrotá-los, mas erradicar a ideia de que poderia haver algo melhor do que o sistema de mercado livre coercitivo, monopolizado e quase penal que foi então imposto.

Nesse sentido, a história da classe trabalhadora de Thompson moldou a estrutura da social-democracia em que cresci com muito mais clareza do que, digamos, os escritos de intelectuais trabalhistas como Anthony Crosland. Com a sociedade industrial em que cresci há muito tempo, essa batalha por uma narrativa cultural será mais difícil para a democracia social radical, mas não impossível.

Para chegar bem além dos atuais 40% de votos, o Partido Trabalhista precisa passar por duas demografias que ainda não estão animadas com a perspectiva de Corbyn no poder: em primeiro lugar, as pessoas atrasadas, empobrecidas e, às vezes, amargas da geração do meu pai que veem desindustrialização e alta migração como a razão pela qual a mobilidade social desapareceu. E em segundo lugar, uma classe de profissionais empregados no setor privado; as pessoas mais felizes votando no Tory ou no Partido Liberal Democrata, mas cada vez mais preocupadas com os custos crescentes da educação de seus filhos e a assistência social de seus pais.

Os governos de Attlee foram mitificados. Todo mundo quer lembrar que Bevan fundou o Serviço Nacional de Saúde, mas poucos sabem ou se importam com o fato de o chanceler trabalhista Stafford Cripps ter imposto 95% de imposto sobre os super-ricos, dizendo orgulhosamente ao Trades Union Congress (TUC) que, em 1948, apenas 70 pessoas no país eram capazes de gastos luxuosos.

E, embora todos saibam que o governo trabalhista do pós-guerra construiu casas, quantos compreendem como era vital que esses imóveis fossem de alta qualidade e de baixa renda, oferecendo locações para a vida, e não cofres inseguros construídos como uma reflexão tardia para empreendimentos de luxo?

O neoliberalismo transformou a mobilidade social em um jogo de cobras e escadas – mesmo com pessoas de renda média preocupadas que a redundância, a deslocalização industrial ou a insolvência de uma grande empreiteira como a Carillion podem afundá-los por vários degraus.

Ao implementar o Relatório Beveridge e criar uma rede de segurança social quase impenetrável, o governo trabalhista baniu esse medo por uma geração. O manifesto de Attlee, em 1945, deu a meu pai de 18 anos, em seu primeiro ano na Astley Green Colliery, algo positivo para dizer à geração mais velha, que acreditava que nada poderia mudar, e aos eleitores de classe média desconfiados de uma ruptura radical. Suas últimas linhas contêm um apelo a “todos os homens e mulheres de perspectiva progressista, e que acreditam em mudanças construtivas, para apoiar o Partido Trabalhista”.

A mensagem dos trabalhistas precisa ser igualmente clara. Alexis Tsipras pode ter fracassado em sua tentativa de tirar a Grécia da sua austeridade imposta pela UE em 2015, mas seu slogan – “A esperança está chegando” – resume perfeitamente a mensagem que os trabalhistas e as outras forças emergentes da esquerda devem transmitir aos eleitores.

A política fiscal de John McDonnell em 2017 agiu como uma cobrança elétrica para os eleitores em muitas comunidades da classe trabalhadora; da próxima vez o trabalho precisa de algo muito mais concreto.

As pessoas acreditarão que “a esperança está chegando” quando souberem que dinheiro, investimento, empregos decentes e melhores serviços estão chegando – não apenas à sua cidade ou região, mas à sua rua e código postal.

Fontes:

*O Comitê Editorial da Revista Opera crê que as propostas sejam insuficientes para dar resposta aos problemas levantados ao longo do artigo. Considera acima de tudo que a pauta das nacionalizações sejam fundamentais no Brasil. Entendemos que as contradições em nosso País não podem ser mecanicamente resolvidas pela defesa de uma economia mista.

[1] – https://www.bankofengland.co.uk/working-paper/2015/secular-drivers-of-the-global-real-interest-rate

[2] – https://data.worldbank.org/indicator/GC.DOD.TOTL.GD.ZS?view=chart

[3] – https://voxeu.org/article/larry-summers-secular-stagnation

[4] – https://www.jstor.org/stable/3144581

[5] – https://www.bis.org/review/r160229a.pdf