Crescimento dos EUA sob o governo Trump é o mais lento desde a Segunda Guerra Mundial

por John Ross | Learning from China - Tradução de Gabriel Deslandes

0
524
(Foto: Gage Skidmore)

Os EUA estão lutando a guerra comercial contra a China em duas frentes.

  • A primeira é o ataque econômico externo dos EUA à China, atualmente centrado nas tarifas. A ação é projetada pela política americana com o propósito de criar problemas econômicos objetivos para a China.
  • A segunda é a tentativa dos EUA de influenciar o debate internacional, usando a propaganda para disseminar uma visão inteiramente falsa da situação internacional e, em particular, do estado real da economia norte-americana.

A falsificação mais central da propaganda americana nessa segunda frente é tentar apresentar uma visão de que a economia dos EUA está passando por um crescimento “muito forte”. O objetivo dessa propaganda é tentar alegar que é inútil para a China ou outros países resistir aos EUA devido ao “dinamismo” econômico deste último – portanto, que a China deveria aceitar as demandas comerciais do governo Trump e também abandonar seu modelo de desenvolvimento em favor do “dinâmico” modelo dos EUA.

Essa alegação de “forte crescimento” é, na verdade, o oposto dos fatos. A realidade é que, longe do crescimento dos EUA sob Trump ser “forte”, é, na verdade, o mais baixo de qualquer presidente dos EUA desde a Segunda Guerra Mundial!

O objetivo deste artigo é, portanto, apresentar em detalhes as realidades factuais da economia americana sob o governo Trump, seguindo assim o ditado chinês de “buscar a verdade nos fatos”. Só que estabelecer esses fatos é algo crítico para o julgamento da disputa comercial com os EUA, que estão atacando a China não por causa de seu crescimento “dinâmico”, mas porque tal crescimento caiu para um nível muito baixo pelos padrões históricos.

As declarações econômicas totalmente falsas de Trump

Quando o presidente Trump afirmou em seu discurso à Assembleia Geral da ONU, no dia 25 de setembro, que “a economia americana está crescendo como nunca antes” e que, em menos de dois anos, seu governo fez mais do que quase qualquer administração na história americana, os delegados literalmente começaram a rir – como a mídia americana relatou. O Washington Post deu como manchete: “As pessoas realmente riam de um presidente”[1]. No discurso da ONU, Trump sofre o destino que sempre temeu. O britânico Financial Times também observou: “O presidente Trump provocou risos e suspiros”[2].

Como a afirmação de Trump de que a economia dos EUA está “crescendo como nunca antes” é simplesmente falsa, assim como a anterior, de que o crescimento sob sua presidência era “histórico”, é surpreendente ver declarações semelhantes repetidas em partes da mídia chinesa. A realidade é que, sob Trump, longe de os EUA passarem por uma “forte recuperação”, estão experimentando o mais lento crescimento econômico em qualquer ciclo de negócios e durante qualquer presidência desde a Segunda Guerra Mundial. Como esse artigo mostrará, o único sentido em que o crescimento econômico sob o presidente Trump é “histórico” é no sentido de que é historicamente baixo.

Ciclos de negócios pós-guerra dos EUA

Para começar com os dados mais abrangentes sobre o desempenho econômico dos EUA após a Segunda Guerra Mundial, a Figura 1 e a Tabela 1 mostram o crescimento em todos os ciclos econômicos americano desde. A Tabela 1 mostra esses oito ciclos de negócios nos EUA desde a Segunda Guerra Mundial em ordem cronológica – um ciclo de negócios é definido como o período entre duas recessões (uma recessão é definida, pelos padrões dos EUA, como dois trimestres sucessivos de crescimento negativo). Como os ciclos de negócios têm durações diferentes, a principal estatística para comparação é a taxa média anual de crescimento durante o ciclo – mostrada na última coluna.

A característica que se destaca nesses dados é claramente o quanto o crescimento dos EUA é mais lento durante este ciclo de negócios do que em qualquer um dos anteriores desde a Segunda Guerra Mundial. A título de comparação, para avaliar a alegação de Trump quanto ao rápido crescimento “histórico”, o crescimento econômico médio anual mais rápido em qualquer ciclo de negócios nos EUA foi de 1948-1953, em 4,7%. Isso foi três vezes mais rápido do que o 1,5%, o atual ciclo de negócios. De fato, pode ser visto que em todos os ciclos anteriores de negócios pós-Segunda Guerra, o crescimento foi mais rápido do que no atual.

Olhando na Figura 1, no final da linha de crescimento para o atual ciclo de negócios pós-2007, também pode ser visto imediatamente que não há aceleração significativa durante a presidência de Trump – isso será demonstrado em detalhes abaixo.

Detalhe

A fim de mostrar as tendências da economia após a Segunda Guerra Mundial com mais clareza e maior detalhe, a Figura 2 estabelece crescimento nos ciclos econômicos dos EUA, em ordem decrescente de taxa de crescimento, em vez de ordem cronológica. Isso mostra o claro padrão:

  • O crescimento econômico médio anual mais rápido em qualquer ciclo de negócios nos EUA após a Segunda Guerra foi em 1948-1953, com 4,7%.
  • O segundo maior foi de 4,3%, em 1957-1969.
  • O terceiro foi de 3,4%, em 1969-1973.
  • O quarto foi de 3,1%, em 1980-1990.
  • O quinto foi de 3,0% em 1990-2007.
  • O sexto foi de 2,9%, em 1973-1980.
  • O sétimo foi de 2,5% em 1953-1957.
  • O crescimento médio anual mais lento nos EUA aconteceu no ciclo de 2007 até o presente, com os dados mais recentes referentes ao 2º trimestre de 2018 – com uma taxa média de crescimento anual de apenas 1,5%.

A Figura 2, portanto, mostra claramente o quanto o crescimento é mais lento no atual ciclo de negócios do que em qualquer outro anterior. A alegação de que os EUA estão passando por “crescimento dinâmico”, devido à rápida inovação tecnológica ou a Trump, é exatamente o oposto da verdade. O que chama a atenção na situação atual da economia americana é a lentidão de seu crescimento em comparação com todos os ciclos anteriores.

Crescimento sob Trump – o método de medição dos EUA

Até agora, o crescimento durante os ciclos de negócios dos EUA foi analisado. Porém, a presidência do Trump cobre apenas uma parte do atual ciclo de negócios dos EUA – esse ciclo de negócios também vem ocorrendo sob as presidências de George W. Bush e Obama. Portanto, para comparar as presidências, pode-se afirmar que o crescimento sob Trump é rápido, enquanto que era fraco sob George W. Bush e Obama. Contudo, mais uma vez, os fatos mostram exatamente o oposto – é o crescimento sob Trump que se destaca como fraco.

Para demonstrar isso, a Figura 3 ilustra o crescimento do PIB americano durante o século XXI medido pelo método pelo qual os EUA publicam seus dados econômicos – ou seja, crescimento trimestral do PIB trimestral (por exemplo, crescimento no 2º trimestre de 2018 comparado ao 1º trimestre de 2018). A Figura 3 evidencia que:

  • No último período da presidência de Clinton, o pico de crescimento nos EUA atingiu 7,5% no segundo trimestre de 2000 – o crescimento mais rápido sob a presidência de Clinton.
  • Sob George W Bush, houve sucessivos picos de crescimento de 7,0% no 3º trimestre de 2003 e de 5,4% no 1º trimestre de 2006.
  • Sob Obama, o pico de crescimento foi de 5,1% no segundo trimestre de 2014.
  • Portanto, o pico de crescimento sob Trump de 4,2% no 2º trimestre de 2018, é mais lento não apenas do que sob Clinton, mas também do que sob Bush e Obama no mesmo ciclo de negócios atual.

Crescimento real ano a ano dos EUA

Demonstrou-se acima que, mesmo tomando o método pelo qual os EUA divulgam seus dados de seu crescimento econômico, ele é mais lento sob Trump do que sob Obama, George W. Bush e Bill Clinton. No entanto, há problemas significativos na forma como os EUA divulgam os dados do PIB – ou seja, com a anualização do crescimento trimestral em cadeia. Isto é porque:

  • Primeiro, como apenas um período de três meses é utilizado, os fatores de curto prazo distorcem os dados.
  • Em segundo lugar, como esses fatores de curto prazo são aproximadamente multiplicados por quatro, seu efeito é ampliado[1]. Isso resulta no exagero das taxas de crescimento máximas alcançadas sob todos os presidentes americanos – Clinton nunca atingiu 7,5% de crescimento durante um ano inteiro, George W. Bush nunca alcançou 7,0% de crescimento durante um ano inteiro, etc.
  • Em terceiro lugar, como os diferentes trimestres estão sendo comparados, é necessário fazer um cálculo de ajuste sazonal que deve ser preciso para que os dados estejam corretos, mas é geralmente conhecido nos EUA que esse ajuste sazonal é impreciso – o crescimento do primeiro trimestre em cada ano é subestimado, o que significa que o crescimento nos trimestres seguintes é exagerado.

O método chinês de divulgar dados econômicos é mais robusto do que o dos EUA. A China destaca a taxa de crescimento real ano a ano – ou seja, compara o PIB em um trimestre com o PIB no mesmo trimestre do ano anterior (por exemplo, o segundo trimestre de 2018 é comparado com o segundo trimestre de 2017).

O método da China de apresentar dados do PIB é mais robusto por dois motivos.

  • Primeiro, um ano é um período suficientemente longo para eliminar a influência de fatores puramente de curto prazo, como o clima.
  • Segundo, nenhum ajuste sazonal precisa ser calculado, já que o mesmo trimestre está sendo comparado em cada ano.

A Figura 4 demonstra, portanto, a taxa real de crescimento anual dos EUA alcançada em diferentes trimestres durante o século XXI. Pode ser visto que essa metodologia reduz imediatamente as taxas de crescimento mostradas pelo método americano de apresentar dados como na Figura 3 (por exemplo, o pico real no ano de crescimento alcançado por Clinton foi de 5,3%, não de 7,5%). Embora os dados calculados pelo crescimento ano a ano real sejam mais realistas do que o método americano de divulgação de dados, ele mostra exatamente o mesmo padrão de pico de crescimento extremamente fraco da economia norte-americana sob Trump em comparação aos presidentes anteriores do século XXI. Mais precisamente

  • O pico de crescimento ano a ano nos EUA sob Clinton foi de 5,3%.
  • O pico de crescimento sob George W. Bush foi de 4,3%.
  • O pico de crescimento sob Obama foi de 3,8%.
  • O pico de crescimento sob o Trump é de apenas 2,9%.

Mais uma vez, portanto, está claro que o que é surpreendente sobre o crescimento sob Trump não é o quão rápido ele é, mas quão lento ele é.

O crescimento econômico dos EUA sob Trump é o mais lento sob qualquer presidente dos EUA desde a Segunda Guerra Mundial

Até agora, ao comparar o crescimento sob os presidentes dos EUA, apenas os do século XXI foram analisados. Entretanto, a comparação se torna ainda pior para Trump se todos os presidentes dos EUA desde a Segunda Guerra Mundial forem comparados. De fato, uma situação extraordinária.

Para demonstrar isso, a Tabela 2 e a Figura 5 mostram o pico de crescimento de todos os 13 presidentes americanos. Esses dados são mostrados da mesma forma com que os EUA escolheram para apresentar seu crescimento econômico – um quarto de crescimento em comparação ao trimestre anterior a uma taxa anualizada. Eles mostram claramente que o pico de crescimento econômico de cada presidente depois da Segunda Guerra Mundial era maior do que sob Trump.

Em mais detalhes, a Tabela 2 mostra que, usando o método americano de apresentação de dados, o pico de crescimento sob Trump de 4,2% no 2º trimestre de 2018 foi significativamente menor do que o crescimento máximo na administração anterior de Obama de 5,1%. Contudo, esse pico sob Obama foi muito menor do que sob outros ex-presidentes dos EUA. Além do pico de crescimento sob Trump sendo menor do que sob Clinton, George W. Bush e Obama, como já foi analisado, os presidentes anteriores alcançaram taxas de crescimento ainda maiores, como 10,3% sob Nixon. O pico de crescimento pós-Segunda Guerra nos Estados Unidos chegou a 16,7% sob Truman – quase quatro vezes mais rápido que os 4,2% sob Trump.

É claro, portanto, que, em termos de taxa de crescimento máxima, medida pela forma como os EUA apresentam dados, Trump ocupa a 13ª posição dos 13 presidentes dos Estados Unidos no pós-guerra.

Crescimento real ano a ano dos EUA

Para verificar novamente a situação, pode-se lembrar novamente que os EUA apresentam seus dados de uma maneira diferente da China. Tendo já dado os resultados usando o método americano, a Tabela 3 e a Figura 6, portanto, mostram um crescimento real ano após ano sob todos os presidentes dos EUA desde a Segunda Guerra Mundial. Isso demonstra que, também calculado por esse método, o pico do ano em crescimento do PIB sob Trump, de 2,9% no segundo trimestre de 2018, é o menor em qualquer presidente dos EUA desde a Segunda Guerra Mundial.

Foi menor do que sob Obama (3,8%), George W. Bush (4,3%) e Clinton (5,3%), mas também menor do que sob George HW Bush (4,4%), Ford (6,2%), Carter (6,7%), Nixon (7,6%), Kennedy (7,6%), Johnson (8,5%), Reagan (8,6%), Eisenhower (9,1%) e Truman (13,4%).

Portanto, se o crescimento é calculado segundo o método usado pelos EUA, ou aquele usado pela China e pela maioria dos outros países, o pico de crescimento de Trump é muito lento em termos de comparações históricas.

O estado do ciclo de negócios dos EUA

Finalmente, dado que o pico de crescimento econômico americano sob Trump é tão lento, a única razão pela qual o presidente é capaz de fazer suas falsas alegações de crescimento “histórico” é a comparação ao desempenho extremamente fraco dos EUA em 2016, quando o crescimento caiu para 1,3% no segundo trimestre – apresentado na Figura 7. Porém, a Figura 7 mostra que tanto a desaceleração da economia americana em 2016 quanto a recuperação desde então foram flutuações perfeitamente normais dentro da economia de ciclo de negócios.

Analisando essa tendência nos detalhes do ciclo de negócios nos EUA, pode-se observar que a média atual de longo prazo do crescimento anual no ano é de 2,2%. Naturalmente, porém, existem flutuações acima e abaixo disso. Para dar uma aproximação da magnitude dessas flutuações, como o crescimento de 1,3% no PIB dos EUA no segundo trimestre de 2016 ficou 0,9% abaixo da média de longo prazo, uma oscilação de 0,9% acima da média pode ser esperada. A média de longo prazo de 2,2% mais 0,9% seria de 3,1%. Não há, portanto, nada anormalmente alto no crescimento dos EUA no segundo trimestre de 2018, sendo de 2,9%.

As alegações de Trump sobre crescimento rápido, portanto, representam somente uma flutuação normal no ciclo econômico e não alteram de forma alguma o fato de que o pico de crescimento sob sua presidência é menor do que sob qualquer presidente anterior.

Além disso, há uma implicação clara do fato de que mesmo o pico lento de crescimento sob Trump é simplesmente uma oscilação normal para cima no ciclo de negócios. Ou seja, será seguida por uma oscilação descendente perfeitamente normal. De fato, isso é precisamente o previsto não só pelas médias de longo prazo do crescimento americano mostradas acima, mas como pelo FMI. Como mostra a Figura 8, após o crescimento extremamente fraco dos EUA de 1,6%, para 2016, o crescimento dos EUA deverá acelerar para 2,9% em 2018. Após isso, entretanto, o crescimento desacelerará para 1,9% em 2020 e 1,7% em 2021, o que representaria uma oscilação perfeitamente normal no ciclo de negócios.

Para entender o impacto dessa tendência na política interna dos EUA, é importante observar que os EUA têm uma taxa de crescimento populacional relativamente rápida – 0,7% em 2017. A Figura 9 mostra tanto o aumento real do PIB per capita dos EUA até 2017 quanto as projeções do FMI para o aumento do PIB per capita americano depois disso. Como pode ser visto, o FMI projeta o PIB per capita anual dos EUA para 2,1% em 2018 antes de cair para 1,1% em 2020 e apenas 0,9% em 2021. Portanto, o aumento na produção dos EUA per capita é significativamente inferior ao aumento total do PIB dos EUA. Além disso, devido ao aumento da desigualdade nos EUA, o aumento da renda real da maioria da população americana é menor do que o aumento do PIB per capita.

Com um aumento tão lento no PIB per capita, é evidente que a atual tensão política doméstica e a instabilidade nos EUA continuarão, como foi visto nos duros confrontos políticos internos desde 2016.

Conclusão

Há inúmeras consequências internacionais e para a política interna do crescimento muito lento da economia americana sob Trump. No entanto, a pré-condição para analisar essas implicações é estabelecer os fatos – que é o objetivo deste artigo.

Esses fatos não deixam dúvidas. O pico de crescimento sob Trump é o menor do que de qualquer presidente dos Estados Unidos desde a Segunda Guerra Mundial, e o crescimento americano no atual ciclo econômico é o mais lento também. Em resumo, a política dos EUA está determinada pela lentidão de sua economia pelos padrões históricos.

O ponto de partida para qualquer análise séria da administração Trump deve ser essa lentidão em comparação com outras presidências dos americanos. Feito isso, os recursos das políticas do governo Trump ficam claros.

Fontes:

[1] – https://wapo.st/2TgWaDF

[2] – https://www.ft.com/video/53ec80cf-5e3a-4237-bec4-9f66d70ef815