‘Publicação científica’ é uma fraude: nós financiamos as pesquisas, e elas devem ser gratuitas

por George Monbiot | CounterPunch - Tradução de Gabriel Deslandes

4
42653
(Foto: Krassotkin)

Aqueles que roubam a indústria global, que intercepta a pesquisa científica por trás dos paywalls (ferramenta de pagamento para acesso a artigos), são heróis, não ladrões. Nunca subestime o poder de uma pessoa determinada. O que a jornalista investigativa Carole Cadwalladr fez ao Facebook e Big Data e Edward Snowden fez ao complexo de segurança estatal,[1] a jovem cientista cazaque Alexandra Elbakyan, criadora do site Sci-Hub,[2] está fazendo contra a indústria multibilionária que aprisiona conhecimento por trás de paywalls.[3]

O Sci-Hub, seu serviço de raspadores de teias piratas, fez mais do que qualquer governo para enfrentar uma das maiores fraudes da era moderna: a captura de pesquisas financiadas com fundos públicos, que deveriam pertencer a todos nós. Todos devem ser livres para aprender; o conhecimento deve ser disseminado o mais amplamente possível. Ninguém discordaria publicamente desses sentimentos. Entretanto, governos e universidades têm permitido que as grandes editoras acadêmicas negassem esses direitos. Publicação acadêmica pode soar como um assunto obscuro e fútil, mas usa um dos mais implacáveis ​​e lucrativos modelos de negócios, típicos de qualquer indústria.[4]

O modelo foi iniciado pelo notório golpista Robert Maxwell. Ele percebeu que, como os cientistas necessitam estar informados sobre todos os desenvolvimentos significativos em seu campo, cada revista que publica trabalhos acadêmicos pode estabelecer um monopólio e cobrar taxas absurdas pela transmissão de conhecimento.[5] Ele chamou sua descoberta de “uma máquina de financiamento perpétuo”. Também percebeu que poderia capturar o trabalho e os recursos de outras pessoas para nada. Os governos financiaram a pesquisa publicada por sua empresa Pergamon, enquanto os cientistas escreviam os artigos, revisavam-nos e editavam jornais acadêmicos de graça. Seu modelo de negócios dependia do fechamento de recursos comuns e públicos. Ou, para usar o termo técnico, um assalto à luz do dia.

Quando seus outros empreendimentos tiveram problemas, ele vendeu sua empresa para a gigante holandesa de publicações Elsevier. Como seus principais rivais, sustentou o modelo até hoje e continua a produzir lucros espetaculares.[6] Metade da pesquisa mundial é publicada por cinco empresas: Reed Elsevier, Springer, Taylor e Francis, Wiley-Blackwell e American Chemical Society.[7] As bibliotecas devem pagar uma fortuna por seus pacotes de jornais, enquanto os que estão fora do sistema universitário precisam pagar US$ 20, US$ 30, e às vezes US$ 50 para ler um único artigo.

Embora as revistas de acesso aberto tenham crescido rapidamente,[8] os pesquisadores ainda precisam ler os artigos com pagamento pago em periódicos comerciais. E, como seu trabalho é avaliado por aqueles que podem financiá-los, recompensá-los ou promovê-los de acordo com o impacto dos periódicos em que publicam, muitos acham que não têm escolha a não ser entregar suas pesquisas a essas empresas. Os ministros da Ciência vêm e vão sem dizer uma palavra sobre este roubo.

Depois do meu diagnóstico de câncer este ano, me ofereceram uma escolha de tratamentos. Queria tomar uma decisão informada, e isso significava ler artigos científicos.[9] Se eu não tivesse usado o material fornecido pela Sci-Hub, teria me custado muito dinheiro. Como eu, da mesma forma que a maioria das pessoas, não tenho esse dinheiro, teria desistido antes de ser devidamente informado.[10] Eu não conheço Elbakyan pessoalmente, e somente posso especular sobre os resultados alternativos se a pesquisa que li não tivesse influenciado minha decisão. Mas é possível que ela tenha salvado minha vida.

Como pessoas em muitos países onde as bolsas de estudos são mal financiadas, Elbakyan descobriu que não poderia completar sua pesquisa em neurociência sem artigos pirateados. Indignada com o bloqueio ao conhecimento dos jornais acadêmicos, ela usou suas habilidades de hacker para compartilhar mais amplamente os papers.[11] O Sci-Hub permite o acesso gratuito a 70 milhões documentos, que estavam trancados por trás de paywalls.

Ela foi processada em 2015 pela Elsevier, que ganhou US$ 15 milhões em danos por violação de direitos autorais[12] e, em 2017, pela American Chemical Society, resultando em uma multa de US$ 4,8 milhões.[13] Estes eram casos civis, relativos a assuntos civis. Embora os tribunais dos EUA tenham caracterizado suas atividades como violação de direitos autorais e roubo de dados, a meu ver, seu trabalho envolve a restauração do domínio público de uma propriedade que pertence a nós e pelo qual pagamos. Na grande maioria dos casos, a pesquisa relatada foi financiada pelos contribuintes. A maioria do trabalho envolvido na redação dos artigos, na revisão e edição dos mesmos é realizada por meio de despesas públicas em universidades. Todavia, esse bem público foi capturado, empacotado e vendido de volta para nós por honorários fenomenais. Aqueles que mais pagam são as bibliotecas financiadas por fundos públicos. Os contribuintes devem desembolsar duas vezes: primeiro para a pesquisa, depois para ver o trabalho que patrocinaram. Pode haver justificativas legais para essa prática. Não há justificativas éticas.

Alexandra Elbakyan vive escondida, para além da jurisdição dos tribunais dos EUA, e move o Sci-Hub entre os domínios da Internet à medida que é derrubado.[14] Ela não é a única pessoa que desafiou os grandes editores. A Public Library of Science,[15] fundada por pesquisadores que se opunham não apenas à negação do acesso público pela indústria, mas também a seus modos de publicação lentos, antiquados e toscos, que impedem a pesquisa científica, demonstrou que você não precisa de paywalls para produzir excelentes periódicos.[16] Advogados como Stevan Harnad,[17] Björn Brembs,[18] Peter Suber[19] e Michael Eisen[20] mudaram a disposição do público. O brilhante inovador on-line Aaron Swartz lançou 5 milhões de artigos científicos para o domínio público. Diante da possibilidade de passar décadas em uma prisão federal dos EUA por esse ato altruísta, ele tirou sua vida.[21]

Agora, as bibliotecas se sentem capacitadas para enfrentar os grandes editores. Elas podem se recusar a renovar contratos com empresas, já que seus usuários têm outros meios de burlarem o paywall. À medida que o sistema começou a ranger os dentes, as agências de financiamento do governo finalmente reuniram a coragem de fazer o que deveriam ter feito décadas atrás e exigir a democratização do conhecimento.

Recentemente, um consórcio de financiadores europeus, incluindo grandes agências de pesquisa no Reino Unido, França, Holanda e Itália, publicou seu “Plano S”.[22] O grupo insiste em que, a partir de 2020, as pesquisas pelas quais já pagamos por meio de nossos impostos não serão mais bloqueadas. Qualquer pesquisador que receba dinheiro desses financiadores deve publicar seu trabalho apenas em revistas de acesso aberto.

Os editores foram balísticos. A Springer Nature argumenta que esse plano “enfraquece potencialmente todo o sistema de publicação de pesquisas”.[23] Sim, este é o ponto. Os editores da série Science afirmam que isso “interromperia as comunicações acadêmicas, seria um desserviço aos pesquisadores e afetaria a liberdade acadêmica”.[24] Elsevier diz: “Se você acha que as informações não devem custar nada, vá para a Wikipedia”, lembrando-nos, inadvertidamente, do que aconteceu com as enciclopédias comerciais.[25]

O plano S não é perfeito, mas este deve ser o começo do fim do legado escandaloso de Maxwell.[26] Enquanto isso, por princípio, não pague um centavo para ler um artigo acadêmico. A escolha ética é ler o material roubado, publicado pela Sci-Hub.

Fontes:

[1] – https://www.theguardian.com/us-news/the-nsa-files

[2] – https://www.theverge.com/2018/2/8/16985666/alexandra-elbakyan-sci-hub-open-access-science-papers-lawsuit

[3] – https://sci-hub.tw/

[4] – https://bit.ly/2xxtG16

[5] – https://bit.ly/2teqjJf

[6] – https://bit.ly/2I3oKDn

[7] – https://bit.ly/2AeTe2x

[8] – https://www.nature.com/articles/d41586-018-05191-0

[9] – https://bit.ly/2DoW7MU

[10] – https://www.monbiot.com/registry-of-interests/

[11] – http://science.sciencemag.org/content/352/6285/511

[12] – https://www.nature.com/news/us-court-grants-elsevier-millions-in-damages-from-sci-hub-1.22196

[13] – https://www.the-scientist.com/news-opinion/american-chemical-society-wins-lawsuit-against-sci-hub-30648

[14] – https://ind.pn/2PTQUTv

[15] – https://www.motherjones.com/media/2013/09/michael-eisen-plos-open-access-aaron-swartz/2/

[16] – http://bjoern.brembs.net/2017/08/7-functionalities-the-scholarly-literature-should-have/

[17] – https://www.ecs.soton.ac.uk/people/harnad

[18] – http://brembs.net/

[19] – https://cyber.harvard.edu/people/psuber

[20] – http://www.michaeleisen.org/blog/

[21] – https://www.theguardian.com/commentisfree/2015/feb/07/aaron-swartz-suicide-internets-own-boy

[22] – https://bit.ly/2NgIlEM

[23] – https://www.nature.com/articles/d41586-018-06178-7

[24] – https://www.the-scientist.com/news-opinion/open-access-plan-in-europe-bans-publishing-in-paywalled-journals-64748

[25] – https://bit.ly/2SgIHL6

[26] – https://bit.ly/2ELTlWr

4 COMENTÁRIOS