Vietnã: Morre general Le Duc Anh, herói de guerra vietnamita e parceiro de Ho Chi Minh

por VietNamNet | Tradução de Gabriel Deslandes

0
765
(Foto: Agencia Vietnamita de Noticias)

O ex-presidente do Vietnã e membro do Politburo, general Le Duc Anh, faleceu em sua casa em Hà Nội, com 99 anos, na última segunda-feira (22). De acordo com o vice-ministro da Segurança Pública, Bùi Văn Nam, Le Duc Anh foi o último general que participou em todas as grandes batalhas do país a vir a falecer, incluindo a Primeira Guerra da Indochina contra a colonização francesa, a Guerra do Vietnã contra os EUA e as guerras para defender as fronteiras sudoeste e norte do país.

Para o ex-ministro da Defesa, Phạm Văn Trà, o general Le Duc Anh foi um líder corajoso e justo que se atreveu a tomar decisões e assumir a responsabilidade por suas ações em tempos difíceis. Segundo Trà, ele permitia que todos opinassem durante as discussões sobre estratégias militares e os encorajou a defender suas opiniões até o final. “Eu me levantei contra ele duas vezes. No começo pensei que ele não iria me ouvir, mas ele o fez”, afirmou Trà.

“Nossa discussão mais acalorada foi no começo de 1978, durante a Batalha da Montanha Phú Cương contra o regime de Pol Pot na província de An Giang, no sul do país. Suas táticas eram diferentes do que estávamos acostumados, então eu disse a ele que não poderíamos fazê-las.”

“Ele se ressentiu no começo, dizendo que, se não quisemos executá-la, não executaríamos. Mas eu disse a ele que era sua responsabilidade tomar essa decisão, faríamos o que ele dissesse. Finalmente, ele cedeu e optou por nossas táticas. Foi durante essa batalha que o Khmer Vermelho fugiu.”

O tenente-general Lê Anc Anh (no centro) e seus camaradas na base militar de Tà Thiết, no distrito de Lộc Ninh, na província sudeste de Binh Phuoc, em uma reunião durante a Campanha Ho Chi Minh, em 1975. Ele era o segundo em comando na campanha.

O general Le Duc Anh nasceu em 1920, na província central de Thua Thien-Hue. Desde jovem, ele teve a oportunidade de se encontrar com patriotas e revolucionários e ler sobre o comunismo e sobre as atividades de presidente Ho Chi Minh na França.

Em 1938, aos 18 anos, tornou-se membro do Partido Comunista de Vietnã. Ele serviu como comandante na cidade de Thủ Dầu Một, na província de Binh Duong, no Sul, durante a Revolução de Agosto de 1945, e depois se uniu à resistência antifrancesa na região Sudeste.

Participou em diversas batalhas importantes como chefe-adjunto do Estado Maior do Exército Popular de Vietnã, comandante-adjunto e chefe do Estado-Maior do Comando do Exército de Libertação do Vietnã do Sul e Comandante da Zona Militar 9. Também foi o segundo no comando da Campanha Ho Chi Minh, a ofensiva militar que pôs fim ao conflito de três décadas em Vietnã e unificou o país em 30 de abril de 1975.

Em 1984, ele foi promovido ao posto de general, servindo então como chefe do Estado-Maior Geral do Exército Popular de Vietnã (1986), ministro da Defesa (dezembro de 1986 – dezembro de 1991). Foi presidente da Vietnã durante 1992-1997.

Um destacado diplomata

Não só promovendo grandes contribuições para a luta pela liberdade, o general Le Duc Anh também desempenhou um papel significativo no desenvolvimento e expansão das relações diplomáticas de Vietnã, especialmente na normalização das relações entre o país e a China e os EUA.

A normalização da relação com os EUA começou em 1986, ao mesmo tempo em que teve início o processo de reformas Doi Moi (Renovação). Como ministro da Defesa, o general Le Duc Anh começou a implementar a Operação Sorriso – uma iniciativa que repara as deformidades faciais na infância – e fez uma busca de soldados americanos declarados como desaparecidos durante a guerra, o que foi considerado uma nova abordagem visando normalizar as relações com os EUA.

Em julho de 1991, Le Duc Anh visitou a China como enviado do Politburo, criando as bases para a visita oficial do então secretário-geral do Partido, Do Muoi, e do primeiro-ministro Võ Văn Kiệt ao país em novembro do mesmo ano. Posteriormente, como resultado da visita, ambos os países emitiram uma declaração conjunta e assinaram um acordo oficial para normalizar as relações.

Sobre o processo de construção das relações diplomáticas, ele afirmou: “É um processo que devemos tomar cuidado a cada passo do caminho, e ele deve servir à independência e aos interesses de nossa nação. A independência e os interesses de nossa nação e a sagrada soberania de nossa pátria devem sempre ser nossa primeira prioridade”.

A devoção de Le Duc Anh ao país foi fortemente apreciada pelo ex-primeiro-ministro Võ Văn Kiệt. Ele disse certa vez: “Após todos esses anos, seja como soldado no campo de batalha ou como líder do Estado, Le Duc Anh sempre foi um grande oficial e um líder de dignidade, bravura e responsabilidade”.

“Como ministro da Defesa, ele fez mudanças drásticas na estrutura organizacional do Exército Popular de Vietnã e das Forças Armadas do Povo e foi um líder de grande influência no período de renovação nacional. Para ser honesto, não temos muitos líderes como ele.”

O vice-ministro da Segurança Pública, Bùi Văn Nam, disse: “Ouvi muitas histórias sobre ele ter uma visão excepcional quando se trata de lidar com questões de Defesa nacional, segurança, relações exteriores, economia e sociedade”.

“Le Duc Anh também era um grande filho da província central de Thua Thien-Hue. Eu tive a chance de visitar sua cidade natal e vi com meus próprios olhos a admiração que as pessoas têm por ele. Eles têm orgulho – um comandante, um grande líder que fez grandes contribuições para o país durante tempos de guerra e tempos de paz”, reiterou Bùi Văn Nam.