65 anos da Revolução no Vietnã: A vitória na Batalha de Dien Bien Phu

por Ahmad Faruqui | CounterPunch - Tradução de Gabriel Deslandes

1
1888
(Foto: VTCNews)

Em todo dia 7 de maio, pessoas de todo o mundo se reúnem em Dien Bien Phu, cidade localizada no Noroeste do Vietnã, para comemorar uma das mais importantes batalhas do século XX. Naquela data, em 1954, o Exército do Povo do Vietnã (Việt Minh) infligiu uma derrota militar decisiva ao Exército francês.

O campo de batalha está localizado em um vale fluvial a 500 km a noroeste da capital, Hanói, perto da fronteira com o Laos e a China. A história da luta está enraizada no caráter vietnamita. E, por mais de mil anos, Hanói simbolizou sua resistência à dominação chinesa. Então, em 1873, uma força expedicionária francesa saqueou a cidadela de Hanói e expropriou Hanói para ser a sede do Império Francês na Indochina.

Em 1953, quando a era colonial chegou ao fim, os franceses começaram a negociar os termos de sua retirada com os vietnamitas em Genebra. Para fortalecer sua posição de barganha, os franceses tentaram derrotar o Việt Minh no campo de batalha.

Em março do ano seguinte, o coronel francês Christian de La Croix de Castries reuniu uma força de 16 mil soldados em Dien Bien Phu. O arquiteto da nova estratégia era o general Henri Navarre, que havia assumido o cargo de comandante-chefe do Corpo Expedicionário Francês na Indochina. Navarre queria defender o Norte do Vietnã e o Laos, mas também esperava atrair o indomável Việt Minh de Giap para um confronto em larga escala. Ele acreditava que seus paraquedistas, legionários estrangeiros, veículos blindados e caças-bombardeiros destruiriam o comunista Việt Minh de uma vez por todas. Navarre, entretanto, superestimou a força de sua força e subestimou a tenacidade do Việt Minh.

O general Vo Nguyen Giap, destinado a se tornar o inimigo da América, comandou as forças do Việt Minh. Quando a batalha celebrou seu 50º aniversário, Giap lançou uma edição atualizada de seu livro sobre a batalha. “Devemos atacar para vencer. Atacar apenas quando tiver certeza da vitória; se não, não ataque “, havia dito Ho Chi Minh a Giap. Giap lembra que o vale de Dien Bien Phu era bem grande, mas completamente cercado por altas montanhas. Ele havia implantado cuidadosamente suas tropas para que os franceses não pudessem mais sair sem incorrer em grandes perdas. A guarnição francesa foi cortada de todos os suprimentos externos, seja por via rodoviária ou aérea.

Ao contrário das divergências que ocorreram entre a França e os EUA quanto à Guerra do Iraque, as duas nações eram aliadas próximas em 1954, e os americanos detinham a maior parte do custo da operação militar francesa na Indochina. Em 21 de abril, eles transportaram por via aérea um batalhão de paraquedistas franceses de Paris para o Vietnã. Dois aviadores americanos, auxiliando no esforço de suprimento, foram mortos por fogo antiaéreo e se tornaram os primeiros americanos mortos em combate no Vietnã.

O plano inicial dos vietnamitas era lançar um ataque frontal em grande escala, mas depois de estudar a fortificada posição francesa, Giap elaborou uma nova estratégia. Ele cercou a base francesa com centenas de trincheiras “para que nossos combatentes pudessem travar combate dia e noite sob bombardeio inimigo”.

O Corpo Expedicionário Francês esperava que os guerrilheiros do Vietnã se engajassem no maior confronto possível. Em vez disso, o Giap preferia destruir os bolsões franceses de resistência, um de cada vez, escolhendo o tempo e a localização. A estratégia do Giap foi tão bem-sucedida que a linha de fornecimento francesa à base em Dien Bien Phu foi estrangulada no início de março. Quando as tropas de Giap abriram fogo em 13 de março de 1954, o vice-comandante francês da base, responsável pela artilharia, se matou porque estava sem forças para deter a forte barreira vietnamita.

Os franceses observaram impotentes os pontos mais poderosos da base, diante dos assaltos de unidades de choque de vietnamitas de pés descalços. “Nosso sistema de trincheiras partiu das altas montanhas até as planícies, selando ainda mais o destino da base francesa a cada dia que passa”, escreveu Giap. O presidente dos EUA, Dwight Eisenhower, recusou um apelo de última hora da intervenção francesa pelos Estados Unidos. No lugar das tropas terrestres americanas, o secretário de Estado de Eisenhower, o falcão John Foster Dulles, ofereceu duas bombas atômicas ao governo francês que os franceses polidamente recusaram.

As últimas palavras que o coronel de Castries transmitiu por rádio ao seu superior em Hanói, o general René Cogny, foram subestimadas: “Estou explodindo as instalações. Os depósitos de munição já estão sendo explodidos. Au revoir”. Cogny respondeu: “Bem, então, au revoir, mon vieux (adeus, meu amigo)”. Em 7 de maio de 1954, o Việt Minh ergueu a bandeira da vitória sobre o bunker do comandante francês. No cerco de 56 dias, cerca de três mil soldados franceses foram mortos e outros 10 mil soldados franceses foram feitos prisioneiros.

A derrota levou à morte do colonialismo francês na Indochina e proporcionou um tremendo ímpeto aos movimentos de libertação em todo o mundo. Ela mostrou que um pequeno país asiático poderia derrotar uma poderosa potência colonial europeia. Logo depois disso, o povo argelino se revoltou contra o domínio colonial francês e se libertou após uma luta prolongada que durou seis anos. As colônias francesas na África Ocidental se tornaram independentes em 1960. As guerras no Vietnã e na Argélia haviam exaurido o Estado francês. A França gastou mais de dois bilhões de francos e enviou mais de 450 mil soldados para a Indochina, sem nenhum ganho óbvio.

Os americanos, indiferentes à queda do colonialismo em todo o mundo, convencidos da moralidade de sua ideologia capitalista e da cultura de suas proezas militares, marcharam para o Vietnã apenas 11 anos depois de Dien Bien Phu. No auge de sua ocupação, meio milhão de soldados, marinheiros, marinheiros e aviadores dos EUA estavam estacionados no Vietnã. Quando saíram em 1975, eles venceram todas as suas batalhas e perderam a guerra. Em outras palavras, não houve Dien Bien Phu para os americanos.

Contudo, de acordo com o general Giap, as sementes da derrota americana estavam semeadas em Dien Bien Phu. Aquela batalha permitiu que o Vietnã do Norte servisse “como uma firme e decisiva base de guerrilha para o Vietnã do Sul em sua guerra de resistência contra os agressores americanos, libertando depois todo o país”.

Os vietnamitas chamam sua guerra contra os franceses de Primeira Resistência, e a guerra contra os americanos de Segunda Resistência. Em sua longa história, as duas guerras representam apenas um momento no tempo. Esse momento no tempo, prenhe de lições militares, deveria servir de barreira a todos os generais que pensam ser capazes de subjugar nações mais fracas pela ponta de uma arma.

Falando em 30 de abril de 2004, quando se completou o 29º aniversário da queda de Saigon (agora chamada Cidade de Ho Chi Minh), o frágil, porém ainda desafiador general Giap, aos 93 anos, afirmou: “Quaisquer forças que tentem impor sua vontade a outras nações seguramente fracassam”. Ainda que, naquele momento, as sutilezas diplomáticas não permitissem que ele comentasse diretamente a respeito da ocupação do Iraque pelos EUA, a referência do velho combatente ao novo contexto de seus antigos inimigos era inconfundível.