Na terceira parte da série sobre os 30 anos do incidente da Praça da Paz Celestial em Pequim, a Revista Opera traz um artigo de 1993 clássico nos estudos sobre tal episódio histórico, tratando da Federação Autônoma dos Trabalhadores de Pequim (“gongzilian”). Sindicato “independente” fundado no furor da ocupação da praça, essa federação arregimentou segmentos de trabalhadores, até então, politicamente desorganizados e revelou as contradições sociais existentes na China, bem como no próprio movimento “democrático” chinês. O artigo, de autoria do professor da Universidade de Stanford, Andrew G. Walder, e da ex-ativista Gong Xiaoxia, se baseia em uma pesquisa de campo feita à época pelos autores e, embora não apresente críticas tão diretas ao movimento antigovernamental de 1989 em sua totalidade, é referência na análise do perfil dos trabalhadores que se aproximaram daqueles protestos, suas motivações, crenças, táticas e limitações políticas e ideológicas.

Na noite de 15 de abril de 1989, o dia da morte de Hu Yaobang, os campi do distrito universitário de Pequim já estavam se movimentando para atividades políticas.[1] Na mesma hora, em torno do Monumento aos Heróis do Povo no centro da Praça da Paz Celestial, os cidadãos comuns começaram a se reunir e a falar sobre política – como fizeram durante o movimento de 5 de abril de 1976.[2] De poucas dúzias que lá se reuniram nas primeiras horas após o anoitecer, a multidão cresceu para mais de cem à meia-noite. Na escuridão, pequenos grupos de pessoas conversavam sob anonimato – sobre inflação, corrupção oficial e opressão dentro das unidades de trabalho. Por volta das 4 horas da manhã, um grupo de cerca de 20 trabalhadores do Ministério dos Têxteis marchou para a praça e colocou uma coroa comemorativa na base do monumento.[3]

Nas noites seguintes, de 10 a 20 jovens trabalhadores – todos nos seus 20 e 30 anos – se reuniram depois do trabalho no monumento para discutir conjuntura e o que fazer. Enquanto contavam histórias sobre seu tratamento dentro de suas unidades de trabalho, sobre os efeitos da inflação em si próprios e em seus amigos e maldiziam a corrupção e a incompetência dos líderes e burocratas chineses, descobriram que todos tinham experiências e pontos de vista semelhantes. No dia 17 de abril, quando os estudantes universitários começaram suas marchas nas ruas de Pequim,[4] esses trabalhadores descobriram que os estudantes estavam denunciando a corrupção dos funcionários do governo – o mesmo tipo de coisas de que eles estavam reclamando. No dia 18 de abril, à medida que mais pessoas se juntavam em suas discussões, começaram a debater sobre formar sua própria organização, e alguns defendiam voltar às suas unidades de trabalho e realizar o movimento lá. Eles decidiram comentar sobre a criação de uma nova organização com seus colegas de trabalho durante o dia, e colaram cartazes na cidade perguntando aos cidadãos se um sindicato independente para trabalhadores seria uma iniciativa bem-vinda.

Na noite de 19 de abril e na madrugada do dia 20, os estudantes realizaram um protesto na entrada de Xinhuamen para o complexo de Zhongnanhai, que reunia as residências de muitos dos líderes do país. Alguns dos trabalhadores estavam entre a grande multidão de espectadores. Depois que o protesto foi interrompido por policiais militares balançando cassetetes, rumores se espalharam pela cidade sobre um “sangrento incidente de 20 de abril”.[5] Enfurecido, um dos trabalhadores fez um discurso inflamado no Monumento aos Heróis do Povo, denunciando o exército, e o grupo distribuiu dois panfletos desafiando a liderança do Partido, suas políticas econômicas, sua corrupção pessoal e a de suas famílias. A iniciativa foi lançada em nome da Federação Autônoma dos Trabalhadores de Pequim (depois referida como gongzilian).[6]

Assim nasceu – pelo menos, no nome – uma organização que desempenhou, aparentemente, um papel pouco visível no movimento “democrático” até pouco tempo antes da decretação de lei marcial em 19 de maio; e que quase não recebeu atenção da mídia até realizar protestos no Departamento de Segurança Pública de Pequim por conta da prisão de três de seus membros em 30 de maio.[7] No auge da semana anterior à carnificina de 4 de junho, o sindicato havia mobilizado 150 ativistas para trabalharem continuamente na praça. O sindicato emitiu chamadas para uma greve geral, mas, como não tinha filiais organizadas em locais de trabalho, essas ligações foram em grande parte ignoradas. Sua filiação foi dizimada após o derramamento de sangue e as prisões de junho.

Em comparação ao movimento operário polonês de uma década antes, o significado político de gongzilian parece, de fato, limitado. Em uma análise escrita logo após os eventos, observamos que o gongzilian “era mais um resultado do levante do que de uma causa”, um grupo que aproveitou o espaço político criado por um movimento estudantil muito maior, a desunião do governo e a paralisia resultante do aparato político do governo chinês.[8]

Tal avaliação parece, após pesquisas mais sustentadas, subestimar o significado do gongzilian de duas maneiras distintas. Primeiro, a organização desempenhou um papel cada vez mais crucial na mobilização dos protestos de rua após a declaração da lei marcial; à medida que a presença estudantil na praça diminuía nos últimos dias de maio, os membros do gongzilian cresciam, sua organização alcançava um alto estado de prontidão e tomava um destaque significativo na organização da resistência à lei marcial.

Além disso, embora o gongzilian não tivesse filiais formalmente organizadas em locais de trabalho, tinha vários laços informais importantes com os trabalhadores e as unidades de trabalho em toda a cidade, dos quais gozava de apoio moral e material constante até os tiros dos rifles começarem a soar. Ao contrário do movimento estudantil, o movimento dos trabalhadores ganhou impulso após a lei marcial e pareceu ganhar confiança e força quando maio virou junho.

O significado mais duradouro de gongzilian, entretanto, deve ser encontrado não em seu tamanho, organização ou atividades, mas na mentalidade e orientação política de seus membros. O gongzilian representa o surgimento de uma nova espécie de protesto político na República Popular da China. Não se enquadra nos moldes do ativismo operário da Revolução Cultural ou de meados da década de 1970, em que facções de líderes políticos mobilizaram seus seguidores locais para o combate político.[9] Nem se enquadra no modelo tradicional de protesto intelectual que os chineses dissidentes (e estudantes) compartilham com a elite intelectual – como exemplificado no caso dos jovens trabalhadores literatos que, como ensaístas relativamente letrados, lideraram os protestos Li Yizhe de 1974, em Cantão, ou o Movimento do Muro da Democracia de 1978-79, em Pequim.[10]

Os trabalhadores do gongzilian eram pessoas comuns, muitas vezes afiadas de mente e língua, mas com limitada capacidade de educação e escrita (como seus cartazes e panfletos evidenciaram). Eles mostraram uma espécie de anti-elitismo e populismo que foi visto anteriormente, de uma forma bem diferente, durante a Revolução Cultural, mas que, nessa ocasião, estava sendo expressa como parte de uma ousada mentalidade sindical da classe trabalhadora. Essa atitude era aparente a partir de seus primeiros pronunciamentos em meados de abril e foi reforçada e aprimorada no decorrer de tensas relações com o movimento estudantil elitista e egoísta que ocupou a praça durante grande parte do mês de maio. O gongzilian manteve atitudes em relação ao Partido, aos defensores do Partido, às reformas dos anos 1980 e mesmo ao movimento estudantil, que são bem diferentes das visões mais divulgadas dos estudantes e intelectuais chineses – e se opuseram conscientemente a eles de numerosas maneiras. Tais atitudes são amplamente tradicionais entre os trabalhadores da China e, sob as circunstâncias certas, podem desempenhar um papel significativo no futuro político incerto do país.

Neste artigo, portanto, contaremos, por sua vez, duas histórias separadas sobre o gongzilian. A primeira é a história de seu desenvolvimento e suas atividades como organização; e o segundo é o do aparecimento e articulação de uma mentalidade política distinta e nova.

O surgimento e desenvolvimento de uma organização

A decisão de formar um sindicato independente coincidiu com a indignação provocada pelo espancamento de estudantes em Xinhuamen. Durante os poucos dias antes, os cerca de 20 participantes das discussões noturnas na praça descobriram que os trabalhadores de suas respectivas unidades diziam a mesma coisa: estavam muito insatisfeitos, especialmente com a inflação e o tratamento dado pelos líderes de suas unidades, e eles estavam muito interessados ​​em uma organização que falasse em seu nome.

Quando vários trabalhadores foram ao monumento em 20 de abril falar, eles não só relataram sua indignação com as ações das autoridades,[11] mas também levantaram uma série de questionamentos quanto aos privilégios especiais e à política econômica do país em um momento em que o movimento estudantil ainda estava restrito, em grande parte, apenas ao luto por Hu Yaobang. Vários dos trabalhadores que falaram naquele dia atacaram o sindicato oficial e denunciaram a inflação, que corroía seus padrões de vida. Em um dos folhetos distribuídos, o gongzilian culpou o “longo controle da burocracia ditatorial” pelo “declínio constante dos padrões de vida das pessoas” e a inflação descontrolada. “Para salvaguardar o estilo de vida extravagante de uma minoria”, continuou a declaração, “os governantes emitem um grande número de títulos, como títulos do Tesouro, para tirar à força a pouca renda que os trabalhadores têm”.[12] Os trabalhadores pontuaram, em seu folheto inaugural, demandas para estabilizar os preços e tornar públicas as receitas e despesas de altos funcionários e suas famílias.[13]

Os trabalhadores enfurecidos, em um segundo folheto, dirigiram uma série de perguntas dirigidas à liderança do Partido. O tema principal era condenar os estilos de vida privilegiados dos altos funcionários: os trabalhadores perguntavam quanto dinheiro um dos filhos de Deng Xiaoping havia apostado em uma pista de corrida de Hong Kong; se Zhao Ziyang pagava pelo privilégio de jogar golfe; quantas moradias eram mantidas para os líderes políticos e a que custo; e (novamente) quais eram as receitas e despesas pessoais dos funcionários do alto escalão. Os trabalhadores também queriam uma explicação de como a liderança do Partido via as “falhas” da reforma econômica e por que as medidas propostas para controlar a inflação nunca pareciam funcionar. Eles expressaram temor sobre a crescente dívida internacional da China, perguntando quanto ela equivalia em renda per capita e como seu pagamento afetaria os padrões de vida nos próximos anos.[14]

Os panfletos e a comoção no monumento em 20 de abril atraíram mais de uma dúzia de trabalhadores para o movimento incipiente. Alguns dos quais, mais notavelmente Han Dongfang, emergiram da multidão naquele dia para discursar e, posteriormente, para desempenhar papéis-chave de liderança na organização. Os ativistas declararam que os trabalhadores interessados em formar um sindicato independente deveriam, dali por diante, reunirem-se diariamente no estande de revisão leste, em frente à Tiananmen, onde a organização de fato tomou forma, permanecendo naquele local até o final de maio. Apesar do fato de que seus números rapidamente aumentaram para cerca de 70 ou 80, os ativistas ainda achavam que era muito arriscado se identificar como “gongzilian” em seus discursos ou içar uma bandeira com esse nome. De fato, os ativistas da praça, que se reuniram sozinhos ou em grupos de dois ou três da mesma unidade de trabalho, se sentiram inseguros até meados de maio e permaneceram, por acordo tácito, unidos apenas pelo apelido da organização.[15]

Eles eram todos recém-chegados à atividade de dissidência política e tinham entre eles muito pouca educação ou experiência na liderança de uma organização. Eles tentaram se espalhar por várias grandes fábricas (nem sempre suas próprias) e pelos campi universitários mais ativos para construírem contatos e coletarem informações, conselhos e ideias.[16] Como muitos cidadãos comuns de Pequim, eles também ajudaram a abrir caminho para os estudantes durante as grandes manifestações de 27 de abril a 4 de maio, e a fornecer comida e bebida para os participantes.

Somente depois que os estudantes que faziam greve de fome marcharam para a Praça Tiananmen em 13 de maio, levando a ocupação contínua da praça para várias centenas de milhares de estudantes e espectadores – e da retirada de soldados e policiais do centro da cidade –, os ativistas do gongzilian sentiram que o tempo estava maduro para desfraldar uma bandeira e declarar sua existência e seus objetivos. Eles montaram um sistema de alto-falantes, inicialmente com alguns megafones, mas, na véspera da lei marcial uma semana depois, recorreram a microfones e caixas de som grandes. Na parede do estande de revisão e no quiosque adjacente de ingresso à praça, eles publicaram seus pronunciamentos e pedidos de doações de material e montaram tendas improvisadas para ocuparem continuamente. A partir daí, eles começaram a estabelecer um arranjo improvisado de lideranças e uma estrutura organizacional para dividirem as tarefas entre si.[17]

“Mãe, estou com fome. Mas eu não posso comer”, diz o cartaz em uma tenda na Praça Tiananmen.

A semana de 13 a 20 de maio testemunhou grandes manifestações de rua. Um grande número de trabalhadores das fábricas e outras unidades de trabalho pela cidade demonstrou, pela primeira vez, seu apoio verbal àquele movimento emergente. O gongzilian marchou proeminentemente em cada uma dessas manifestações, dirigindo vários carros emprestados em resposta às suas solicitações presentes nos cartazes e exibindo por Pequim sua bandeira ao lado das delegações das unidades de trabalho estatais.[18] Grande número de trabalhadores que marcharam nessas procissões foram até o estande de revisão para contatarem o recém-criado sindicato – muitos deles se juntaram e se tornaram ativistas, enquanto outros mais vieram perguntar, oferecer incentivo e conselhos ou se voluntariar para atuar como um elo com suas próprias unidades de trabalho ou para ajudar a organizar o apoio material às atividades do sindicato.

Com o núcleo de ativistas agora expandido para cerca de 150 e encorajado pelo apoio recebido durante e depois das grandes procissões de rua, o gongzilian decidiu tentar se estabelecer como uma organização legal. Os membros procuraram ajuda nos escritórios da Federação dos Sindicatos de toda a China (ACFTU), mas, apesar do apoio público do sindicato oficial aos estudantes na praça, a federação se recusou a ajudá-los. Eles foram aos escritórios do governo municipal, mas foram detidos na porta sob a alegação de que sua organização era ilegal. Foram se registrar no Departamento de Segurança Pública de Pequim, mas também foram rejeitados como encrenqueiros.[19] Sem se deixar intimidar pelo insucesso em conseguir reconhecimento oficial, o grupo, todavia, se autodeclarou formalmente estabelecido. Do meio de uma enorme multidão na praça após a manifestação de 18 de maio, um dos líderes de gongzilian pegou um megafone e anunciou a inauguração oficial do sindicato. No dia seguinte, com rumores de iminente lei marcial no ar, o gongzilian apressadamente emitiu uma breve declaração que terminou com as palavras: “Que os trabalhadores de toda a nação saibam que nós, trabalhadores de Pequim, estamos agora organizados!”.[20]

A semana da greve de fome também viu uma escalada acentuada da retórica gongziliana. Em uma época em que muitos estudantes e intelectuais buscavam fortalecer a mão dos elementos moderados e reformistas dentro do Partido, o gongzilian articulou uma definição fundamentalmente diferente de “movimento”. Mesmo antes da lei marcial, o sindicato mirava no sistema.

Em um documento notavelmente incendiário emitido em 17 de maio, o gongzilian declarou: “A ilegalidade e a brutalidade das autoridades corruptas chegaram ao extremo! Não há lugar para a verdade na China! Nenhuma força reacionária pode suprimir a explosão da ira do povo! O povo não mais acreditará nas mentiras dos governantes”. Lembrando o editorial do Partido de 26 de abril, em que os dois primeiros panfletos do gongzilian foram descritos como “contrarrevolucionários”, o novo folheto exigiu uma retratação, denunciou o editorial e seu “apoiador nos bastidores” (Deng Xiaoping) e perguntou: “já que vocês não têm coragem de responder às nossas perguntas, apesar de terem dito slogans por 40 anos sobre acreditar nas massas, como você ousam publicar esses dois documentos?”.

Tirando uma página diretamente do livro de organizações rebeldes da Revolução Cultural, o folheto denunciava em detalhes os privilégios especiais, viagens ao exterior para crianças, cônjuges e babás e a manutenção de amantes por funcionários do alto escalão e declarou: “calculamos cuidadosamente, com base no Capital de Marx, a taxa de exploração dos trabalhadores. Descobrimos que os ‘servos do povo’ engolem toda a mais-valia produzida pelo sangue e suor do povo”. Seguindo essa análise até sua conclusão lógica, o documento então concluiu: “Existem apenas duas classes: os governantes e os governados. As campanhas políticas dos últimos 40 anos constituem um método político para a supressão do povo. A história mostrou que eles [isto é, os comunistas] gostam de ‘acertar contas após a colheita de outono’. Mas a conta final da história ainda não foi acertada”. O documento conclui que as facções políticas no topo não tentam usar o movimento popular para seus próprios fins: “Deng Xiaoping usou o movimento de 5 de abril [de 1976] para se tornar líder do Partido, mas depois disso ele se mostrou um tirano. As reformas que se seguiram foram superficiais e falsas. O padrão de vida diminuiu para a maioria das pessoas, enquanto as maiores dívidas continuam não sendo pagas”.[21]

Outro comunicado emitido na mesma época contém uma retórica de confronto similar e pede aos trabalhadores que, de fato, se sacrifiquem em prol da próxima geração: “Os governantes da China há 40 anos, e talvez milhares, mantiveram o povo em estado de subserviência, destituído de todos os direitos, e qualquer um que se atreveu a protestar teve sua própria cabeça e as de suas famílias cortadas”. Depois de assinalar as severas sanções impostas aos trabalhadores quando eles ousaram participar de atividades políticas independentes, o documento declarou: “Ah, os chineses! Um povo tão amável, mas patético e trágico. Nós fomos enganados por milhares de anos e ainda estamos sendo enganados até hoje. Não! Em vez disso, devemos ser um povo grandioso; devemos restaurar nossa grandeza original! Irmãos trabalhadores, se nossa geração está destinada a levar essa humilhação para o século XXI, então é melhor morrer em batalha no dia 20! Companheiros trabalhadores, a tirania não é assustadora; [em vez dela] o que é assustador [para os tiranos] é uma rebelião geral sob a tirania”.[22] A retórica de confronto foi acompanhada por uma advertência e um ultimato: o documento de 19 de maio exigia a aceitação dentro do prazo de 24 horas das demandas estudantis que faziam greve de fome ou uma greve geral de um dia seria convocada para 20 de maio, e outras medidas seriam decididas naquele momento.[23] O gongzilian também declarou que estava organizando uma grande marcha em 22 de maio para “levar o movimento democrático a uma nova maré alta”.[24]

A declaração de lei marcial pouco depois da meia-noite, na noite de 19 de maio, alterou radicalmente o padrão de atividade política em Pequim. Começou com o bloqueio bem-sucedido de unidades do exército por cidadãos desarmados em toda a cidade nas primeiras horas da manhã de 20 de maio, e depois a resistência massiva ao governo se tornou subitamente uma realidade. Durante a aurora do dia 20, o gongzilian reiterou sua convocação para uma greve geral (excluindo serviços essenciais, comunicações e transporte), permanecendo em vigor até que as tropas retirassem.[25] As posições militantes que os trabalhadores haviam articulado e a organização desenvolvida na praça na semana anterior empurraram o gongzilian para o furor dos eventos que se desenrolavam nas ruas.

Enquanto isso, a rejeição popular à lei marcial levou muitos novos recrutas para a recém-declarada organização de trabalhadores, aumentando suas fileiras. Em 20 de maio, o gongzilian iniciou uma campanha de registro público na praça. Cartões de identidade em branco foram comprados em papelarias, e cartões de associação foram emitidos para aqueles que mostrassem a carteira de trabalho ou os cartões de identidade dos residentes de Pequim. Apesar do claro risco que tais registros de membros pudessem apresentar, o gongzilian afirmou ter registrado quase 20 mil membros até 3 de junho.[26]

Ao esclarecer seus procedimentos e estrutura de liderança naquela semana, um “comitê preparatório” e, posteriormente, um “comitê permanente” passou liderar o movimento, sem quaisquer escritórios formais designados. Dentro, entretanto, dessa estrutura solta e consensual, emergiu informalmente Han Dongfang como porta-voz e líder dominante. Departamentos separados foram criados para organização, propaganda e logística,[27] e um escritório para contatos manteve as comunicações entre várias grandes fábricas, campi universitários ativos e outros grupos de trabalhadores e cidadãos. No final de maio, o gongzilian havia promulgado um programa e uma constituição que estabelecia uma assembleia geral, um comitê permanente e um comitê executivo.[28] Agora contava com uma prensa e distribuía folhetos com aparência mais profissional na praça, além de operar uma gráfica no distrito de Chongwen.[29] Um “corpo de piquetes de trabalhadores” (gongren jiucha dui) foi formado para manter a ordem nas redondezas e proteger os estudantes, se necessário, e quatro “brigadas mártires” (gansi dui) foram estabelecidas para ajudar no bloqueio de qualquer movimento policial ou militar.

O departamento de propaganda reorganizou a operação de radiodifusão e a transformou talvez no aspecto mais importante da presença do gongzilian na praça. A programação foi renovada, e o equipamento atualizado. No final de maio, transmitiu continuamente da manhã até a noite. Vários especialistas em transmissão, nenhum deles trabalhadores, foram recrutados por suas vozes e dicção.[30] As notícias da BBC, da Voz da América e da Rádio de Taiwan eram transmitidas ao vivo, e materiais “neibu” (internos do governo chinês) roubados, como um discurso de Yang Shangkun pedindo uma solução militar, foram lidos para os ouvintes. Depois do horário de trabalho, no entanto, as transmissões eram transformadas em uma espécie de fórum democrático. Declarações políticas e canções satíricas e poemas eram escritos e entregues por populares para serem lidos para as multidões. Essa acabou sendo a atividade mais popular e mais importante da organização. Trabalhadores comuns, jornalistas e funcionários de escritórios do governo, até mesmo quadros e soldados descontentes, apresentaram declarações às emissoras – muitas vezes, revelando nepotismo ou irregularidades oficiais –, e estas eram lidas para grandes e apreciativas audiências todas as noites.

O gongzilian organizou manifestações próprias quase todos os dias, começando em 20 de maio e ajudou a coordenar as maiores realizadas ao protestar contra a lei marcial.[31] O grupo acusou o governo da cidade de tentar instigar o “tumulto” e convocou todas as unidades de trabalho da cidade para organizar brigadas para manterem a ordem durante a lei marcial, a fim de evitar qualquer pretexto para o uso da força das armas.[32] No curso desse trabalho, contatos extensivos foram desenvolvidos com outras organizações de cidadãos e com membros de grandes unidades de trabalho estatais, incluindo funcionários públicos. Foi mantido o contato com funcionários da Corporação do Aço da Capital que estavam organizando sua própria federação de trabalhadores;[33] com trabalhadores da construção civil que mais tarde formariam uma federação autônoma para barganhar;[34] o Corpo de Piquetes dos Trabalhadores da Capital;[35] a Brigada de Motociclistas Tigres Voadores;[36] o Corpo de Cidadãos de Pequim para o Martírio;[37] e duas organizações de trabalhadores do Nordeste.[38] Os contatos com as organizações estudantis que ocupavam a praça tornaram-se mais frequentes, embora não menos tensos do que antes (veja abaixo mais sobre essas tensões). O contato próximo também foi mantido com os membros das fábricas cujas delegações ainda marchavam na praça, notadamente a Planta de Coque de Pequim, cujo diretor de fábrica teria liderado uma passeata. Os trabalhadores mais velhos, os quadros industriais e o pessoal sindical das fábricas estatais e da Federação de Sindicatos de Toda a China passaram pela sede do gongzilian e pela estação de radiodifusão, oferecendo conselhos e encorajamento, tanto orais como escritos.[39]

Durante todo o período da lei marcial, o gongzilian manteve o mesmo tom em seus panfletos que apresentava durante a greve de fome: uma retórica que fundia a ideia da luta da classe trabalhadora com a linguagem da oposição democrática à oligarquia política. Em um comunicado divulgado em 26 de maio a todos os chineses no exterior, o gongzilian declarou: “As fundações e colunas da República Popular estão sujas de sangue e suor. Nossa nação foi criada a partir da luta e do trabalho de nós, operários, e todos os outros trabalhadores mentais e manuais. Nós somos os mestres legítimos desta nação. Deveríamos ser, realmente, ouvidos em assuntos nacionais. Não podemos permitir que esse pequeno punhado degenerado da nação e da classe trabalhadora usurpe nosso nome e reprima os estudantes, assassine a democracia e pise nos direitos humanos!”.[40]

Outro comunicado emitido no mesmo dia comparou o movimento à Revolução Francesa, cujo 200º aniversário rapidamente se aproximava, e instou os trabalhadores a “atacarem a Bastilha dos anos 1980”. Declarando que “a luta final chegou”, o documento continuava: “Já vimos que os governos fascistas e as ditaduras stalinistas, engolfados por centenas de milhões de pessoas, não se retiraram, de fato, do cenário histórico voluntariamente. Li Peng, juntamente com seus seguidores e apoiadores nos bastidores, estão empenhados na sua cartada final; eles ainda podem apostar tudo em uma última jogada política”. Em um estilo agora familiar, o documento pedia que todas as pessoas se preparassem para “fazer grandes sacrifícios nessa batalha final, a fim de completar a campanha de limpeza contra a ditadura stalinista e viver como seres humanos sob uma liberdade e democracia sem precedentes”: “Tempestade para essa Bastilha do século XX, essa última fortaleza do stalinismo!”.[41] Três dias depois, eles proclamaram: “devemos nos unir para varrer Deng Xiaoping deste estágio histórico”.[42]

Ciente de sua crescente confiança, o gongzilian, uma organização que não ousou declarar sua existência publicamente até meados de maio e cujos membros não haviam revelado uns aos outros seus nomes completos até aquele ponto, confrontaram as forças de segurança em duas ocasiões no final de maio. Na primeira, em 28 de maio, membros de um corpo de piquete estudantil correram para a sede gongziliana para informar que um número de estudantes havia sido espancado e preso em uma vila no condado de Daxing. Eles pediram reforços para irem à aldeia para exigir a libertação dos alunos. Na ocasião, o sindicato mandou uma equipe de piqueteiros em um caminhão emprestado. Na frente deles havia um grupo de motociclistas “Tigres Voadores”; atrás deles, mais cinco caminhões cheios de apoiadores. Em uma cena que lembra os confrontos locais durante a Revolução Cultural, eles pararam na sede do Partido do condado para exigir a libertação de seus companheiros. Os funcionários de lá se recusaram a reconhecer que qualquer prisão tinha ocorrido, mas a equipe de resgate mais tarde descobriu onde os prisioneiros estavam escondidos, correu para lá e obteve a libertação de oito estudantes. Enfurecidos com as mentiras dos funcionários, eles pararam na agência de segurança pública local quando saíam da cidade, gritaram sua reprovação e atiraram pedras no prédio.[43]

Caminhões com manifestantes em procissão por Pequim.

O segundo confronto com as forças de segurança ocorreu nos dias 30 e 31 de maio e trouxe o gongzilian para o centro das atenções da mídia estrangeira pela primeira e única vez. Na noite do dia 29, ativistas do quartel-general notaram que estavam sob vigilância de policiais à paisana. Por volta de uma hora da manhã de 30 de maio, Shen Yinhan, um membro da liderança do gongzilian, foi forçado a entrar em um jipe ​​de segurança pública em frente ao Hotel Pequim. Enquanto ele estava sendo empurrado para dentro do jipe, ele gritou e jogou seu caderno no chão. Seus gritos atraíram a atenção dos espectadores, que recuperaram o caderno e o levaram de volta pela Avenida Chang’an até a sede do sindicato. O gongzilian denunciou a prisão em transmissões e, em um folheto impresso às pressas, convocou uma manifestação ao meio-dia no Departamento de Segurança Pública de Pequim.[44] Mais tarde, descobriu-se que dois outros membros da liderança da federação também haviam sido presos, juntamente com 11 membros da Brigada de Motociclistas Tigres Voadores. Essas detenções parecem ter sido provocadas pelo confronto no condado de Daxing dois dias antes.

Han Dongfang liderou uma delegação de cerca de 30 membros para os escritórios da agência às 10h40 daquela manhã. Acompanhado pelo consultor jurídico do gongzilian, um estudante de Direito da Universidade de Pequim, ele encontrou um representante da agência no portão. As negociações não levaram a nada: o representante insistia que o gongzilian era uma organização ilegal e que, de qualquer forma, ele só negociaria com os estudantes; além disso, ele se recusou a admitir que qualquer prisão havia sido feita.[45] Quando saíram do portão, uma grande multidão de cidadãos e estudantes se reuniu. Han Dongfang pegou um megafone e, em frente à multidão de vários milhares reunidos, fez um discurso sobre a constituição e a ilegalidade e denunciou as prisões.[46] Um grupo de fotógrafos policiais saiu e começou a investigar a multidão. A multidão permaneceu, cantando slogans e cantando a música-tema de “Policial à paisana”, um filme popular sobre a repressão aos protestos da Praça Tiananmen em 1976. Em um encontro memorável, um quadro obeso emergiu do prédio e repreendeu em voz alta os trabalhadores: “Que lei você conhece? Eu sou a lei!”. Jornalistas estrangeiros no local fotografaram e gravaram vídeos do evento. Quando um jornalista japonês correu para fotografar o confronto, o quadro bateu nele. Quando o jornalista protestou “Sou japonês!”, o quadro rapidamente puxou o braço para trás e pediu desculpas: “Eu pensei que você fosse chinês”.[47]

A organização rapidamente emitiu um folheto para informar o público sobre o impasse nas negociações,[48] ​​e às 9h30 da noite, o gongzilian realizou uma coletiva de imprensa para a mídia estrangeira.[49] No dia seguinte, organizou uma manifestação de protesto nos escritórios do Ministério de Segurança Pública; e mais protestos na praça, envolvendo também os estudantes, foram marcados para aquela noite. Talvez em resposta a esses protestos teimosos e à atenção da mídia mundial que esse confronto ganhou, os trabalhadores presos foram libertados na tarde do dia 31. Quando três mil estudantes marcharam na Praça Tiananmen para protestar contra as prisões, Han Dongfang fez um discurso empolgado para anunciar a notícia.[50]

Na esteira do confronto pelas prisões dos dias 30 e 31, o Departamento de Segurança Pública começou a pressionar cada vez mais o quartel-general do gongzilian no estande de revisão. Com constantes rumores de uma solução militar iminente, o número de estudantes e cidadãos na praça estava diminuindo rapidamente. Estudantes de Pequim, especialmente, estavam retornando aos seus campi ou indo para casa. A segurança fazia com que os obstinados estudantes e cidadãos restantes permanecessem juntos. Os líderes estudantis finalmente desistiram de sua longa e muito ressentida objeção de que os trabalhadores ficassem fora da parte principal da praça a fim de manter a “pureza” do movimento democrático. Quando, em 3 de junho, notícias de mortes em cruzamentos periféricos começaram a chegar à praça, a maioria dos membros do gongzilian se apressou em resistir às tropas, enquanto a maioria dos estudantes restantes se aglomerava com mais firmeza ao redor do Monumento aos Heróis do Povo para aguardar o esperado martírio.

Mentalidade política do gongzilian

Muito daquilo que era característico na mentalidade política do gongzilian se deve ao fato de que os líderes e membros eram quase uniformemente jovens trabalhadores com pouca educação e praticamente nenhuma experiência em movimentos políticos.[51] Eles vieram para a praça de siderúrgicas, pátios ferroviários, fábricas de construção de máquinas e empresas de construção (ver Tabela 1). Eles não eram, como o governo afirmou mais tarde, trabalhadores desempregados ou membros da “população flutuante” de Pequim: como já observado, todos os que se registravam no gongzilian tinham que comprovar emprego em alguma unidade de trabalho de Pequim.[52] Os líderes do grupo tinham no máximo o ensino médio e, muitas vezes, tiveram que confiar em vários “assessores” com experiência universitária para ajudá-los a elaborar suas declarações.[53] Essas não eram pessoas que se consideravam participantes de um jogo político das elites e exibiam um agudo senso de alienação, não apenas quanto ao sistema político, mas, em grande parte também, às lideranças estudantis e intelectuais.

A partir de seus primeiros pronunciamentos, o gongzilian se concentrou pesadamente em questões econômicas básicas, e suas demandas por reformas políticas eram invariavelmente aquelas que permitiriam aos trabalhadores perseguir seus interesses de forma mais eficaz no futuro. Sua avaliação das reformas econômicas de Deng foi muito menos favorável do que a dos estudantes e intelectuais; eles retrataram a era da reforma como uma forma de vitimar a classe trabalhadora e uma gestão econômica consistentemente prejudicial. O gongzilian expressou um distanciamento claro dos intelectuais da facção pró-reforma e estava muito cauteloso em ser usado pela elite reformista como bucha de canhão política. Além disso, criticava consistentemente Zhao Ziyang, mesmo após sua queda do poder.

Todas essas atitudes descambaram em relações cada vez mais tensas com o movimento estudantil sobre a definição e as táticas do movimento. No decorrer de maio, o desprezo dos trabalhadores pelos estudantes elitistas na praça se aprofundou e, por meio de vários encontros e observações, eles passaram a definir sua própria identidade e programa, tendo os estudantes como uma espécie de modelo negativo. Todas essas características da mentalidade gongziliana marcaram um distanciamento acentuado das tradições recentes de dissidência política na China precisamente porque ela refletia tão bem as atitudes políticas dos trabalhadores chineses comuns – atitudes que raramente são expressas na dissidência política tradicional, centrada na elite chinesa.

Embora o movimento estudantil reconhecesse os assuntos de interesse para os trabalhadores – principalmente a inflação e a corrupção oficial –, essas questões eram apenas o começo das preocupações dos trabalhadores. Desde suas primeiras declarações, o gongzilian exigiu a estabilização de preços. Continuou a empurrar essa demanda e desenvolveu uma crítica da inflação sistêmica que era profundamente política.[54] Além das exigências relacionadas à venda forçada de títulos do Tesouro estatal ou à investigação da renda e privilégios oficiais mencionados acima, o gongzilian também levantou uma série de outras preocupações, tais como o direito de mudar de emprego livremente e o fim da discriminação contra as mulheres na prática de contratação de fábricas.[55]

Contudo, os trabalhadores estavam muito mais empenhados ​​em estabelecer seu direito de lutar por seus interesses gerais do que em levantar demandas específicas. Na maioria de seus pronunciamentos escritos em maio, o gongzilian declarou que estava engajado em uma “luta pela democracia” e uma luta para “derrubar a ditadura”, e que ele foi estabelecido para “conduzir corretamente o movimento patriótico democrático”. Em termos concretos, o gongzilian interpretou “democracia” de forma clara. Como um de seus membros explicou, ecoando a redação do programa provisório, “os trabalhadores queriam uma democracia genuína que os representasse nas negociações. O Sindicato de Toda a China não pressionava pelos interesses dos trabalhadores. Não era uma organização que os trabalhadores pudessem chamar de sua própria”.[57]

O gongzilian proclamou que existia “não apenas para promover benefícios para a classe trabalhadora, mas para oferecer propostas políticas e econômicas em nome da vasta maioria da classe trabalhadora”. Além disso, o gongzilian reivindicou o direito de “supervisionar o Partido Comunista”, para atuar como fiador dos direitos legais dos trabalhadores em todas as empresas – incluindo o direito de “supervisionar os representantes legais das empresas” em companhias estatais e coletivas e para “proteger os direitos e interesses dos trabalhadores” por meio de negociações ou outras medidas legais em empresas privadas, empresas comuns e outras empresas.

É provável que essa definição de democracia tenha apelo imediato nos trabalhadores comuns, como explicou um ativista gongziliano:

“Por que muitos trabalhadores concordam com a democracia e a liberdade? … Na fábrica, conta o que os trabalhadores dizem ou conta o que o líder diz? Mais tarde, conversamos sobre isso. Na fábrica, o diretor é um ditador, o que um homem diz é o que vale. Se você vê o Estado por meio da fábrica, é quase a mesma coisa: o governo de um homem. … Nosso objetivo não era muito grande; nós só queríamos que os trabalhadores tivessem sua própria organização independente. … Nas unidades de trabalho, uma pessoa governa. Por exemplo, se eu quiser mudar de emprego, o capataz da empresa de ônibus não me deixará ir. Eu devo ir para casa às 5, mas ele me diz para trabalhar mais duas horas e, se eu não fizer isso, ele vai cortar meu bônus. Isso é um governo pessoal. Uma fábrica deve ter um sistema. Se um trabalhador quiser mudar de emprego, ele deve ter um sistema de regras para decidir como fazê-lo. Além disso, essas regras devem ser decididas por todos e, em seguida, qualquer pessoa que as violar será punida de acordo com as regras. Isso é o Império da lei. Por agora, não temos esse tipo de sistema legal.”

Sob a retórica política militante, havia uma demanda direta por representação no local de trabalho, negociação coletiva e aplicação imparcial das regras do local de trabalho.

A crítica da reforma econômica

É sobre o tema das reformas que a organização demonstrou as emoções mais fortes e o maior desdém pelos líderes da China. Isso pode ser uma surpresa para os observadores estrangeiros que, durante a década de 1980, viram as realizações inconfundíveis da reforma através de lentes fornecidas pelos intelectuais pró-reforma da China. Apesar das melhoras sem precedentes nos padrões de vida, o gongzilian retratou a era da reforma como uma má gestão econômica e hipocrisia oficial, durante a qual os trabalhadores ganharam pouco em relação a outros enquanto seus meios de subsistência se tornaram menos seguros.

Como retratado nas declarações gongzilianas, a China era um país com graves problemas: “o país está preso em crises internas e externas da dívida” e “o padrão de vida do povo está sendo reduzido por pesados impostos ​​e uma inflação descontrolada”.[60] Uma rima satírica muito popular durante o movimento e quase certamente lida diversas vezes na estação de transmissão do gongzilian foi impressa e distribuída pela organização. Ela descreve a China sob as reformas de Deng (fazemos apenas uma tentativa simbólica de traduzir a rima)[61]:

O Terceiro Plenário disse para enriquecer mais rápido, mas os bolsos do povo não encheram, e os gatos pretos e brancos ficaram mais gordos.

Abrindo para o mundo exterior, importando capital estrangeiro, as dívidas externas aumentaram, as contas bancárias privadas prosperaram.

Notas bancárias e títulos do Tesouro rendem juros, e subsídios alimentares são 7,50, mas os preços sobem como um foguete.

As reformas estão indo bem, não vamos desistir da política, mas os estrangeiros não se mudam para a China, enquanto os exaustos fogem para o exterior.

Novos hotéis se ergueram e mudaram a face da cidade, mas as pessoas ainda não têm um espaço para moradia decente.

A causa de tudo isso? Incompetência e corrupção dos líderes da China: “a extrema pobreza não é tratada; a riqueza nacional é tratada em segredo; fundos para educação não são encontrados; há uma mania de banquetes no alto escalão; o destino da nação e do povo azedou; e tudo isso devido à corrupção no topo”.[62] Todos os problemas da China parecem ser devido ao fato de que os denunciantes do país não sabem o que estão fazendo ou para onde estão indo:

A China é bem conhecida como um dos países mais atrasados ​​do mundo, mas Deng tenta nos enganar, manipulando a mídia para acreditar que a China tem um PIB elevado. Por que somos tão pobres e atrasados? Quais são as desculpas? Por que os burocratas se tornaram mais incompetentes e corruptos nos últimos anos? Vocês, burocratas, fizeram uma bagunça na China; onde você está nos levando? Não é suficiente dizer que vocês estão sentindo as pedras no atravessar do rio. E aqueles que caem e se afogam? Nós tivemos 10 anos de reforma e não sabemos para onde estamos indo. Os gatos burocráticos engordam, enquanto as pessoas morrem de fome”.[63]

Em nossas entrevistas com membros do gongzilian, pudemos explorar mais a maneira pela qual os ativistas da organização avaliaram as reformas. O ex-chefe do departamento de logística achou que as reformas não haviam sido totalmente cumpridas e, portanto, não tinham muito a oferecer aos trabalhadores.

A reforma não foi bem-sucedida. Foi uma reforma sem resultado. Eles a fizeram de forma incompleta e puseram os freios. O único benefício das reformas foi permitir que trabalhadores, camponeses e outras pessoas com pouca educação soubessem como era o mundo exterior, como eram os trabalhadores e os sindicatos nos países capitalistas … Depois da reforma, percebemos muitas coisas claramente. Não somos tão idiotas como antes e, aos poucos, paramos de obedecer aos gerentes da fábrica … As pessoas se lembram do tempo de Mao, quando as coisas não eram caras. Eu acho que, se Deng Xiaoping fosse 20 ou 30 anos mais novo, a reforma poderia ser melhor executada. Após a reforma, temos geladeiras; mas olha, o que vamos colocar neles? … E os frigoríficos são comprados com empréstimos de qualquer maneira … Na cidade, eles demitem você e mandam você para casa cobrindo as despesas de apenas três meses e ainda esperam que você seja grato ao Partido … Especialmente jovens como eu, pensamos sobre o Kuomintang. Antes desse movimento, costumávamos dizer que nunca tínhamos visto o Kuomintang e não sabemos o quanto são ruins. O Partido Comunista é tão bom que não podemos comer bem. É claro que nós não falamos assim nas ruas. Somente em nossas próprias casas quando estamos bebendo juntos e desabafando” (Ativista # 1).

Depois de algumas sondagens, nossos informantes gongzilians admitiram que, apesar da inflação severa dos últimos anos, para a maioria deles, os padrões de vida não haviam declinado desde a época de Mao. Porém, todas as expectativas criadas pelos reformadores de que as coisas continuariam a melhorar ainda mais foram frustradas nos últimos anos pela inflação. O que mais os irritava era que, à medida que as reformas se deterioravam para os trabalhadores na segunda metade da década de 1980, os quadros continuavam a enriquecer.

Após a Reforma e Abertura, a principal falha foi que o Estado se tornou um mundo livre para aqueles com poder e dinheiro, mas as pessoas comuns podem enfrentar calamidades e não ter a chance de se beneficiarem. Até minha avó diz que aqueles que são funcionários e aqueles que têm filhos que são funcionários podem contar com seus filhos para cuidar deles, mas nós, pessoas comuns, temos que confiar em nossos próprios filhos e filhas. Agora temos até restrições para ter filhos. Para dar à luz, você tem que ter uma cota; quando chegar a sua hora, se você não pode engravidar, o que você vai fazer? Então, após a Reforma e Abertura, vitoriosos são aqueles que podem passar pela porta dos fundos, aqueles com privilégios especiais. A diferença entre as pessoas aumentou e parece mais desigual. As pessoas pensam: por que aqueles com poder podem se tornar tão mais ricos se somos nós que trabalharmos com afinco?” (Ativista # 1).

Para os ativistas do gongzilian e, na verdade, para muitos trabalhadores comuns, não foi por acaso que, à medida que as reformas estagnaram e as perspectivas dos trabalhadores caíram, as autoridades continuaram a enriquecer. Em seus pronunciamentos sobre as reformas econômicas, os trabalhadores do sindicato articulam uma teoria folclórica da inflação que une os aumentos de preços, a ditadura política e a corrupção oficial em um único complexo inter-relacionado. No ponto de vista desses trabalhadores, a inflação não é o resultado, como alguns economistas dizem, de um sistema de preços de dois níveis ou de escopo insuficiente das atividades de livre mercado. Ela se deve diretamente ao fato de que a China é governada por ditadores incompetentes, corruptos e egoístas.[64]

Essa posição não foi concluída por ativistas do gongzilian só após um período de participação no movimento democrático. A primeira linha do primeiro folheto da organização já dizia: “Por causa do controle de longo prazo de uma burocracia ditatorial, a inflação saiu do controle e o padrão de vida das pessoas declinou constantemente”.[65] Nossos informantes gongzilianos nos explicaram que coisas como o aço e as máquinas, tanto importados quanto domésticos, são vendidas a preços inflacionados porque as autoridades exigiam preços mais altos, dos quais eles retiram uma fatia.

No comércio exterior, nossos informantes pareciam convencidos de que os materiais importados alimentavam a espiral inflacionária doméstica porque os filhos dos altos funcionários usavam os poderes de seus pais para obterem posições monopolistas a fim de extorquir altos preços no mercado interno. A inflação, em outras palavras, tem suas raízes na troca corrupta que permeia o comércio interno dos itens dos produtores e o comércio exterior de todos os itens. Esse é o entendimento da inflação que está por trás da afirmação gongziliana de que “o país é vitimado por causa de uma pequena minoria, e as pessoas pagam por isso”.[66]

Essa teoria folclórica da inflação pode ajudar a desvendar um enigma que alguns observaram no movimento democrático: por que uma classe trabalhadora, cuja principal preocupação econômica era a inflação e a renda disponível, respondeu com tanta simpatia a um movimento estudantil cuja principal acusação contra o governo era a corrupção e a falta de democracia?

A desavença entre os reformadores do Partido

Dadas as suas opiniões, não é surpresa que o gongzilian não tenha heróis de liderança nacional – pelo menos, entre aqueles ainda vivos na época dos protestos. Apesar do fato de que Hu Yaobang quase nunca tenha sido mencionado em folhetos, nossos informantes testemunharam de forma bastante convincente que Hu era, de fato, muito respeitado, e sua morte foi lamentada com sinceridade por pessoas comuns. Isso não aconteceu, é claro, porque Hu desempenhou um papel importante na reabilitação de intelectuais durante a década de 1980, mas porque supostamente ele estava sozinho entre os líderes reformadores e – mais do que Mao Tsé-Tung – mostrou sua preocupação com as pessoas comuns, viajando o país, especialmente para áreas de desastre e distritos envolvidos na pobreza. A reverência por Hu Yaobang nos parece o produto da produção de mitos retrospectivos: como ele se tornou um símbolo de todas as virtudes que faltam em grande parte do funcionalismo, sua lenda cresceu.

Zhao Ziyang e Deng Xiaoping são muito menos estimados. De fato, eles e toda a facção da reforma não foram considerados melhores que os outros líderes do Partido:

Quando o gongzilian estava ativo, não queríamos Deng Xiaoping e também não queríamos Zhao Ziyang. Embora ele tenha chegado à praça e chorado, sentimos que ele fez isso com um motivo. Nós nos opusemos à corrupção oficial, e seus filhos eram corruptos … Há pessoas que dividem o governo em facções: a facção da reforma, a facção conservadora, a nova facção autoritária, a facção moderada etc. … Do jeito que eu vejo, o Partido Comunista é todo ele uma facção, a ‘facção que prejudica o povo’ [hairen pai] … Algumas pessoas no governo são boas, mas quem é bom e quem não é eu não sei. Na praça, pensei que o ponto de partida dos reformadores era bom, mas o que as reformas trouxeram ao povo? Os reformadores e Deng Xiaoping respiram pela mesma narina. Quando você vai trabalhar, anda de bicicleta ou anda de carro? O que você tem em sua geladeira em casa? A reforma trouxe uma crise; os reformadores sabem disso com mais clareza que Deng Xiaoping. Vocês estragaram as reformas e agora querem aproveitar o movimento para transferir suas culpas para outro grupo. De jeito nenhum. A quem nos opomos? Nós nos opomos a vocês!” (Ativista # 1).

A oposição do gongzilian à facção da reforma estava enraizada nas queixas econômicas que ajudaram a impulsioná-lo à ação, e seu sindicalismo era, na verdade, um esforço para se proteger do que eles viam como a imprevisibilidade e insensibilidade do programa dos reformadores. A consequente relutância da organização em distinguir, em meio às lutas políticas de maio, os líderes do Partido os deixou distantes dos intelectuais pró-reformas que participaram dos protestos e de muitos dos estudantes, que procuraram se apoiar nas forças de Zhao, depois que se tornou evidente que ele estava procurando se diferenciar de Deng e dos linha-dura. Como ficou evidente durante a semana da greve de fome estudantil, o gongzilian advertiu em um de seus folhetos: “Os políticos que estão tentando fazer uso do movimento democrático ou os estudantes estão avisados”.[67] Se alguém ler o “aviso” cuidadosamente, parece ser mais voltado aos estudantes e intelectuais do que às facções de liderança do PCCh.

Primeiro-ministro da China, Zhao Ziyang (1980-1987), e o economista da Escola de Chicago, Milton Friedman.

Nossos informantes gongzilians relataram que os trabalhadores estavam cautelosos desde meados de maio sobre se envolverem em lutas de liderança e serem usados ​​e descartados no processo. Eles viam seu movimento como voltado para os direitos dos trabalhadores, não a favor ou contra qualquer facção de liderança do PCCh, e eles certamente não estavam dispostos a apoiar a facção que viam como seus principais torturadores.[68] Eles também começaram a perder a paciência quando os estudantes da praça começaram a mudar sua atitude em relação a Zhao Ziyang e às pessoas ao seu redor.

Assim que Zhao Ziyang foi embora [para a praça] e chorou, as palavras dos estudantes mudaram. Agora eles estavam dizendo que Zhao Ziyang seria removido do poder, que Zhao Ziyang era bom, que deveríamos protegê-lo. Nós imediatamente dissemos em nossas transmissões que, durante todo o movimento, nunca exigimos a remoção de qualquer pessoa ou a promoção de qualquer pessoa. Se você cometeu um erro, você deve admitir. As pessoas comuns querem ver se são maiores suas realizações ou seus erros … Na época, pensamos que Zhao Ziyang veio à praça para enganar as pessoas, pois ele sabia que estava acabado. Um trabalhador falou em nosso ‘fórum democrático’ que não consideramos que qualquer homem que derrame lágrimas deva ser uma boa pessoa. Se Zhao Ziyang não tivesse vindo, o que vocês estariam fazendo agora? Vocês ainda estariam gritando ‘Fora Zhao Ziyang!’. Li Peng também foi à praça, mas não derramou lágrimas. Se Li Peng tivesse chorado, o que vocês estariam dizendo agora?” (Ativista # 1).

Atritos com o movimento estudantil

A simpatia dos estudantes por Zhao Ziyang era apenas uma das diferenças entre os manifestantes estudantis e os trabalhadores do gongzilian. Apesar de sua aliança na praça, as diferenças educacionais e de classe dificultavam continuamente suas relações. Os estudantes não eram, afinal de contas, laobaixing [o povo]. Eles exibiam uma cautela quanto à articulação das reivindicações econômicas por outros grupos e queriam manter o movimento exclusivamente sob seu controle. Essas diferenças e a atração crescente dos estudantes pela luta faccional da elite enfatizaram uma acentuada distinção de classe na política da dissidência: os estudantes entendiam o discurso político da elite, eles próprios eram uma minúscula elite e muitos provavelmente se tornariam oficiais no futuro. Era natural que eles se sentissem atraídos pelas manobras da elite. Para os trabalhadores do gongzilian, entretanto, esse era um jogo desconcertante, estranho e potencialmente perigoso. A atração dos estudantes pela política de facções do Partido despertou nos trabalhadores do gongzilian uma dúvida sobre o lado de que os estudantes realmente estavam.

Zhao Ziyang e Wen Jiabao, futuro primeiro-ministro da China (2003-2013)

Desde o início de seu movimento e continuando assim durante a lei marcial, os estudantes fizeram um esforço consciente para manter sua “pureza” (chunjiexing). Isso significava, na prática, que eles limitavam suas políticas ao questionamento moral das autoridades, buscando falar como a consciência da nação, esforçando-se para manter a ordem pública e a produção, enquanto mantinham à margem qualquer interesse econômico e de grupos “restritos” que pudessem potencialmente atrapalhar sua busca. Tal busca pela pureza os levou à sua prática inicial de marchar com as mãos unidas para evitar que outros se juntassem. Durante a ocupação da praça, a busca pela pureza foi representada fisicamente por uma série de círculos de segurança concêntricos que protegiam o círculo interno de grevistas de fome e líderes estudantis dos curiosos e grupos potencialmente disruptivos.[69]

Apesar do notável sucesso das táticas dos alunos em meados de maio, os ativistas do gongzilian acharam essa exclusividade frustrante: “Algumas pessoas queriam conversar com os estudantes, mas, antes que pudéssemos dizer algumas palavras, o corpo de piquete deles veio e nos expulsou. Naquele momento, não queríamos criar problemas e não queríamos nos colocar contra os estudantes”. Os ativistas do gongzilian viram o mesmo tratamento sendo dado ao Sindicato dos Trabalhadores da Construção, que por um período estava localizado no estande de revisão oriental: “Os estudantes estavam especialmente indispostos a encontrá-los. Os piquetes dos estudantes estavam sempre os afastando … Na realidade, muitas pessoas têm essa atitude em relação aos trabalhadores da construção civil das aldeias, dizendo que são trabalhadores condenados”. (Ativista # 1).

Uma manifestação final da insistência estudantil na pureza foi a recusa em permitir que o gongzilian se instalasse dentro da Praça Tiananmen propriamente dita. Os líderes dos trabalhadores, assediados pelo escritório administrativo de Tiananmen, e sentindo-se vulneráveis ​​à vigilância policial e prisões em sua localização na Avenida Chang’na, isolada da parte principal da praça, foram rejeitados em, pelo menos, duas ocasiões em seus esforços de realocação. Foi só nos dias 30 e 31 de maio, com o número de estudantes diminuindo e a ação militar aparentemente iminente, que os estudantes se sentiram ameaçados o suficiente para permitir que o gongzilian entrasse na praça para ajudar a protegê-los.[70]

À medida que o movimento progrediu, os ativistas gongzilianos começaram a sentir que os líderes estudantis eram insensíveis às suas demandas e, além disso, obstruíam seus esforços para obter direitos para os trabalhadores.

No dia 28, o gongzilian defendeu o fechamento de todas as fábricas e lojas. Se fosse impossível sair em greve, os trabalhadores ainda poderiam encenar a desaceleração. Entrar em greve é nosso direito, é defender a justiça e proteger nossos próprios interesses. Trabalhadores de muitas unidades de trabalho apoiaram nossa chamada de greve. Os trabalhadores disseram que simplesmente não estamos mais dispostos a trabalhar para eles. Porém, os estudantes não nos permitiriam entrar em greve. Eles tentaram de todas as maneiras possíveis nos convencer a não entrar … Os estudantes disseram: ‘este é o nosso movimento, e vocês têm que nos obedecer’. Eles não nos deixaram fazer isso. Os trabalhadores não podiam aceitar, e é por isso que precisávamos ter nossa própria organização. No final, depois de 28 de maio, não defendíamos mais a simpatia pelos estudantes.” (Ativista # 1).

Por trás dessa insensibilidade percebida, os ativistas gongzilianos também começaram a sentir a ferroada do esnobismo de classe.

Os estudantes estavam sempre rejeitando os trabalhadores … Eles achavam que éramos incultos. Nós exigimos participar do diálogo com o governo, mas os estudantes não nos deixaram. Eles nos consideravam trabalhadores rudes, estúpidos, imprudentes e incapazes de negociar.” (Ativista # 1).

O mesmo tipo de distinção de classe, é claro, foi observado no tratamento dado pelos órgãos legais a manifestantes com diferentes graus de status social após a repressão de junho. Intelectuais e estudantes tendiam a receber punições mais leves e menos abuso físico, enquanto os trabalhadores podiam esperar execuções ou longos períodos de prisão e interrogatórios. Por mais motivada que pudesse ter sido a greve de fome dos estudantes, os trabalhadores sentiram que estavam se arriscando muito mais por seu ativismo do que a maioria dos estudantes.

Você sabe, com estudantes, não é nada – eles prendem você por um par de dias e deixam você ir. Mas quando nós, trabalhadores, ficamos presos. Eles miram em nós … O governo é implacável para com os trabalhadores. E eles dizem que os trabalhadores são a classe dominante. Que monte de merda! Os trabalhadores que foram presos [após 4 de junho] foram espancados. Nós tivemos um cara que escondeu uma arma. Mais tarde, ele foi preso. O Departamento de Segurança Pública o levou de volta [ao seu bairro] para pegar sua arma, e ele estava quase irreconhecível, com o rosto batido até a polpa, e os lábios pareciam de um porco … Mais ou menos no meio do caminho, muitos de nós pensamos que seríamos derrotados de qualquer maneira, e que o governo nos reprimiria. Mas não conseguimos nos separar. Se nós nos dispersássemos, seríamos reprimidos e, se não nos dispersássemos, também seríamos reprimidos. Então, sentimos que poderíamos fazer o certo e deixar que os outros soubessem que existia um grupo de pessoas como nós, uma organização como a nossa … Os estudantes achavam que eram muito poderosos. Nós, os trabalhadores, sempre sentimos que estávamos sujeitos à dominação. Nada como a autoconfiança dos estudantes.” (Ativista # 2).

Quando ficou claro que o fim estava próximo, os estudantes que permaneceram na praça finalmente começaram a se aproximar da sede dos trabalhadores por iniciativa própria para discussões e começaram a incluí-los em seu planejamento. Todavia, só depois que ficou claro que a ação militar estava em andamento no dia 3 de junho, eles correram para a sede dos trabalhadores e pediram para que uma greve geral fosse convocada. Àquela altura já era tarde demais: “Se os trabalhadores tivessem se levantado primeiro, teria sido muito melhor. Os estudantes não permitiriam que nós, os trabalhadores, entrássemos em greve. No final já era tarde demais; ninguém concordaria mais com chamar os trabalhadores para a greve. Eles se sentiriam magoados, como se os estudantes estivessem nos tratando como brinquedos”. (Ativista # 1).

Essas fricções e frustrações tinham servido a um papel importante no desenvolvimento da organização e perspectiva política do gongzilian. Os trabalhadores achavam que estavam observando nos líderes estudantis e em seu movimento muitas das mesmas falhas dos líderes da nação e de seu sistema político: hierarquia, sigilo, condescendência com as pessoas comuns, facciosismo e lutas pelo poder e até privilégios especiais e corrupção. De uma maneira bastante consciente, os trabalhadores começaram a definir seu próprio movimento de oposição na Avenida Chang’an como um contra-exemplo.

Em resposta à exclusividade dos estudantes, o gongzilian fez questão de declarar em sua carta que “todos podiam participar” e, em entrevistas, os membros se orgulhavam do fato de que seus líderes conversavam livremente com as pessoas da cidade de todas as classes sociais e com os camponeses, e que o “fórum democrático” de sua emissora estava aberto a todas e quaisquer declarações do público. Em resposta à atitude dos estudantes de que o movimento todo pertencia a eles e que outros grupos deveriam claramente se alinhar com seus objetivos e servir voluntariamente ao movimento estudantil em um papel de subordinação, os trabalhadores afirmavam em seus folhetos que “o nosso foco é uma nação construída a partir dos esforços dos trabalhadores físicos e mentais”, “a classe trabalhadora é a classe mais avançada” e “a República Popular da China é liderada pela classe trabalhadora”, que tem um “papel especial” na “condução correta do movimento patriótico democrático”. Em oposição à hierarquia do movimento estudantil – seus líderes tinham títulos como “Comandante Geral”, “Presidente” e assim por diante –, os trabalhadores se recusaram de forma inflexível a conceder títulos especializados, preferindo uma liderança coletiva em que as pessoas tinham responsabilidades, mas não tinham nem títulos nem o direito de dar ordens aos demais.

O gongzilian não tinha nenhum ‘comandante geral’. Se você não estivesse no comitê permanente, então você era um membro. Se havia algo a ser tratado, nós só nos encontrávamos e conversávamos. Todos nós só queríamos ter algo realizado, ninguém queria dar um passo à frente e se destacar perante os demais … (Depois que um líder estudantil se juntou a nós no final de maio) ficamos muito felizes, mas ele estava sempre se esforçando para ser nosso líder, que receberíamos ordens dele! Ele nem sequer considerou que ninguém deveria ser mais poderoso do que qualquer outra pessoa. Embora nós trabalhadores não tivéssemos nenhuma educação, nós fomos muito claros quanto a isso!” (Ativista # 2)

Nossos informantes enfatizaram que seu núcleo de líderes não estava interessado em exercer o poder: eles já tinham o suficiente desse tipo de coisa dentro de suas fábricas. Um deles disse: “não tínhamos esse tipo de consciência”. Outro observou: “o que estávamos lutando era para não termos nossas cabeças cortadas”. Na constituição provisória do gongzilian, não havia menção a nenhum posto de liderança individual – apenas uma hierarquia de comitês e métodos para eleger e revogar seus membros.

Como já notado, os trabalhadores também acharam que viram na liderança estudantil o mesmo tipo de privilégios especiais e apropriação financeira indevida que odiavam no governo. Foi amplamente espalhado entre os trabalhadores da praça que os dois principais líderes entre os manifestantes estudantis (eles eram casados) não só tinham a maior tenda da ocupação, como também dormiam em um colchão Simmons; que o tamanho e a qualidade das barracas e esteiras de dormir foram alocados entre os líderes estudantis de acordo com sua classificação relativa; que muitos dos líderes estudantis tinham ventiladores elétricos em suas tendas.[72] Os estudantes haviam recebido enormes somas de dinheiro em doações de cidadãos comuns e do exterior, e havia lutas lendárias para controlar esses fundos. Isso enojava os trabalhadores.

Vimos que os estudantes haviam caído no caos por causa do dinheiro. Eles são capitalistas; o que eles tinham era muito dinheiro. Nós somos a classe proletária. Nós não queríamos estragar tudo por causa de dinheiro e assumir a responsabilidade por negócios obscuros com o dinheiro … Nós tivemos nossas críticas ao sistema financeiro dos estudantes. Quanto dinheiro eles receberam e quanto gastaram, até hoje eu não sei. Você basicamente não conseguia encontrar as pessoas em seu departamento financeiro … Nós tínhamos duas regras no nosso sistema financeiro. Um, não aceite contribuições de dinheiro. Dois, se alguém der dinheiro e sair, conte imediatamente e, assim que terminar, deixe que todos saibam o quanto existe e para o que você vai usá-lo.” (Ativista # 1).

Em contraste com a percepção das lutas pelo poder dos líderes estudantis e a competição por holofotes da mídia e controle das finanças, os gongzilianos se orgulhavam da ausência de disputas contínuas de poder em seu corpo de dirigentes. Em contraste com o que eles enxergavam como uma abordagem excessivamente intelectualizada e moralista dos estudantes, os ativistas do gongzilian se orgulhavam de sua capacidade de falar a língua do cidadão comum.

A diferença entre nós e os estudantes é que, quando conversamos com as pessoas e trabalhadores da cidade, falamos sobre questões práticas como roupas, comida, moradia, agricultura e assim por diante … Um estudante me perguntou, você não gostaria de mais democracia? Perguntei o que ele queria dizer, e ele me fez um longo discurso. Eu disse a ele: ‘pare de falar, por favor. Quanto mais você fala, mais confusas as coisas ficam’.” (Ativista # 1).

Os ativistas do gongzilian que entrevistamos enfatizaram repetidas vezes que eram orientados para “fazer as coisas” (gan shishi) e não para a ambição pessoal ou guerras de poder, nem para moralizar ou para fazer discursos, pois as necessidades da classe trabalhadora eram práticas. Em nossas entrevistas com eles, um estribilho comum era que seu desejo de “realizar algo prático” era repetidamente frustrado pela orientação do movimento dominado pelos estudantes.

Muitas pessoas vieram até nós e disseram: ‘suas palavras não são vazias; quando ouvimos os estudantes falarem, não conseguimos entendê-los’. Os estudantes queriam democracia, liberdade, paz, razão e não violência. Eles sempre estavam gritando que o status dos intelectuais na sociedade chinesa era muito baixo. Mas eles nunca defendiam os trabalhadores. E eles não responderam às perguntas que os trabalhadores colocaram para eles … Estavam sempre falando sobre o despertar das massas do sofrimento, mas, para eles, as pessoas comuns são estúpidas. Eles sabem o que é certo e o que é errado. O que precisamos é ir e tomar alguma iniciativa.” (Ativista # 1).

Conclusões

Avaliações anteriores da Federação Autônoma dos Trabalhadores de Pequim, que enfatizaram os limites organizacionais do movimento, não estão de forma alguma erradas. É certamente verdade que o sindicato foi um produto da paralisia política ocasionada pelas manifestações estudantis e pela ocupação da praça. Seus líderes e ativistas não se conheciam antes de se reunirem nas ruas. A organização nunca estabeleceu filiais em locais de trabalho e, portanto, era incapaz de coordenar a tempo as saídas das fábricas em pontos cruciais.

Contudo, considerando a falta de simpatia demonstrada pelos líderes estudantis e suas repetidas tentativas de controlar o movimento sindical, é notável até onde esse bando de trabalhadores dissidentes tenha sido capaz de se mobilizar no espaço de algumas semanas. A organização do gongzilian se uniu rapidamente depois que a decisão foi tomada em meados de maio. Recebeu considerável apoio material e moral dos trabalhadores da cidade e conseguiu mobilizar recursos significativos dentro de um período relativamente curto de tempo. O movimento dos trabalhadores cresceu mais rapidamente após a declaração da lei marcial – precisamente no momento em que o movimento estudantil começou a derreter e a desempenhar um papel menos decisivo nos eventos. Isso em si era sem precedentes e, sem dúvida, alarmava muito os funcionários do governo que advogavam por uma repressão violenta. A operação militar de 4 de junho, lançada apesar dos números cada vez menores de estudantes e cidadãos na praça, foi provavelmente motivada, em grande parte, por temores mortais desses funcionários de uma insurreição dos trabalhadores.

O mais significativo, no entanto, foi a mentalidade populista da organização. O gongzilian nunca tentou jogar o jogo da elite de postura moralista. Não tentou influenciar as lutas internas pelo poder no Partido em favor de qualquer facção favorita. O gongzilian não depositou suas esperanças nos líderes do Partido; na perspectiva dos trabalhadores, a facção pró-reforma e seus intelectuais eram todos apenas parte da elite. Para o seu modo de pensar, toda a elite era privilegiada; nenhum deles tinha em mente os interesses dos trabalhadores.

Apesar da luta dos estudantes contra os burocratas, que os trabalhadores apoiavam de todo o coração, eles descobriram que os estudantes exibiam a mesma falta de preocupação e condescendência com o povo comum e a mesma busca por poder e privilégios que os líderes do PCCh. Como certas correntes de radicalismo de massa durante a Revolução Cultural, o gongzilian era profundamente anti-elitista e antiburocrático. Todavia, a retórica populista dos trabalhadores em 1989 estava misturada com novas concepções políticas: restrições institucionais ao poder gerencial nos locais de trabalho dentro de uma estrutura de representação sindical e negociação coletiva e, mais vagamente, um papel para um sindicato independente na formulação de políticas nacionais e o direito institucionalizado de “supervisionar” o exercício de poder do Partido Comunista.

Uma moral óbvia a ser tirada da curta história do gongzilian é que futuros movimentos pró-democracia estão prejudicados, a menos que fosse quebrada essa óbvia barreira entre estudantes e intelectuais, de um lado, e trabalhadores comuns, de outro. Porém, mais importante, o gongzilian destaca uma omissão gritante no pensamento democrático na China – seja do establishment seja dos dissidentes. Como os “movimentos pela democracia” deveriam mobilizar cidadãos comuns? Como os trabalhadores deveriam ser incorporados a tal movimento e à nova ordem que eles buscam?

Há uma forte tensão elitista no pensamento “democrático” chinês que questiona a conveniência de incluir as pessoas comuns no processo político.[73] Essa tensão, sem dúvida, é reforçada precisamente pelo tipo de orientação política exibida pelo gongzilian – que é, ao mesmo tempo, abertamente desrespeitoso da autoridade intelectual e obstinadamente independente.

Se o caminho futuro de uma mudança política na China for o da reforma gradual, o gongzilian sugere uma falha no pensamento reformista chinês dos anos 1980. Apesar do vigoroso crescimento econômico e das melhorias nos padrões de vida, os trabalhadores pareciam estar se movendo em direção a um papel mais ativo e potencialmente perturbador na vida política de seu país. O populismo submerso na classe trabalhadora que estourou brevemente em 1989 persistirá enquanto os políticos reformadores e seus conselheiros intelectuais continuarem somente debatendo formas de motivar os trabalhadores por meio de recompensas, punições e a ameaça do desemprego, enquanto continuam a ignorar o desejo crescente dos trabalhadores de serem tratados como cidadãos plenos em seus locais de trabalho, se não também no Estado.

Notas:

* Agradecemos a Anita Chan, Elizabeth Perry e Jonathan Unger pelos comentários sobre um rascunho anterior e aos participantes em Semmars, em Harvard, e na Universidade da Califórnia, em Berkeley, onde a versão preliminar foi apresentada oralmente. Andrew Walder também gostaria de agradecer o apoio que recebeu da Fundação Nacional da Ciência dos EUA BNS-8700864 durante o período de 1990-91 no Centro de Estudos Avançados em Ciências do Comportamento, Stanford, Califórnia. O primeiro rascunho deste documento foi escrito lá no outono de 1990.

[1] – Ming Bao News, June Four: A Chronicle of the Chinese Democratic Movement, traduzida por Jm Jiang e Qin Zhou (Imprensa da Universidade de Arkansas, Fayetteville, 1989), pp.4-5

[2] – Este relato, a não ser que outros apontem, é extraído de uma série de entrevistas conduzidas separadamente com dois indivíduos que eram ativos na Federação Autônoma dos Trabalhadores de Pequim. Eles foram entrevistados conjuntamente por estes coautores em Cambridge, em Massachusetts, em maio e junho de 1990. Os dois fugiram para Hong Kong em 1989. O indivíduo ao qual nos referiremos como Ativista # 1 era um funcionário de uma loja de departamentos que já havia sido vendedor de bilhetes para a empresa de ônibus de Pequim. Ele esteve envolvido no movimento desde o começo em 15 de abril e depois liderou o departamento de logística do sindicato. Na época da entrevista, ele estava vivendo no Canadá. A Ativista # 2 era uma ex-operária de fábrica que, mais tarde, abriu uma loja de roupas na cidade. Ela se tornou ativa no sindicato em meados de maio como uma locutora do sistema de alto-falantes do sindicato na Praça Tiananmen.

[3] – Os estudantes marcharam primeiro para o monumento na noite seguinte, no domingo, dia 16 de abril, quando 300 da Universidade de Pequim entraram na praça e depositaram oito coroas de flores. Ming Bao, June Four, pp 4-5; Tony Saich, “The Rise and Fall of the Beijing People’s Movement”, The Australian Journal of Chinese Affairs, nº. 24 (julho de 1990), p.186.

[4] – Naquele dia, três mil estudantes da Universidade de Pequim marcharam até a praça para entregar uma petição ao Comitê Permanente do Congresso Nacional do Povo. Ming Bao, 4 de junho, pp 4-5.

[5] – Saich, ‘Pequim People’s Movement’, p.186; Ming Bao, June Four, pp.7-9. Houve um confronto menor e menos violento na noite anterior.

[6] – O grupo usou várias versões diferentes de seu nome, às vezes, em documentos emitidos no mesmo dia. Os documentos de 20 de abril foram emitidos sob o nome de Beijing shi gongren lianhe hui. As mudanças posteriores incluíram Beijing gongren zizhi hut, Beijing gongren zizhi lianhe hut e Beijing sli gongren zizhi hui. No final de maio, eles começaram a usar “capital”, no lugar de Pequim, para se identificar, e seus documentos foram assinados de forma variada, como shoudu gongren zizhi hui, ou shoudu gongren zizhi lianhe hui. No discurso popular, a organização era conhecida simplesmente como “a Federação de Trabalhadores”, ou gongzilian.

[7] – Veja as reportagens no Washington Post, 31 de maio; New York Times, 31 de maio; e China Daily, 30 de maio, 31 de maio e 1 de junho.

[8] – Veja Andrew G. Walder, “A Sociologia Política da Reviravolta de Pequim de 1989”, Commumism Problems, vol.38, nº. 5 (setembro-outubro de 1989), pp. 30-40.

[9] – Veja, por exemplo, Keith Forster, Rebellion and Factionalism In a Chinese Province: Zhejiang, 1966-1976 (M.E. Sharpe, Armonk, Nova York, 1990).

[10] – Andrew Nathan expôs essas suposições compartilhadas em seu Chinese Democracy (Universidade da Califórnia, Berkeley, 1986), e ele argumenta em outra parte que os estudantes não partiram decisivamente dessa tradição de protesto em 1989: ‘Chinese Democracy in 1989: Continuity and Change’, Commumism Problems, vol. 38, nº. 5 (setembro-outubro de 1989), pp. 16-29.

[11] – Ativista # 1 explica que, nesse momento, havia tropas estacionadas em vários lugares ao redor da Praça Tiananmen. Unidades policiais militares haviam cometido a violência em Xinhuamen.

[12] – Refere-se à prática de pagamento dos salários dos trabalhadores em títulos do Tesouro, resgatáveis ​​somente após um período de vários anos. Essas vendas de títulos forçados ocorriam todo mês de outubro desde meados da década de 1980.

[13] – Pequim shi gongren lianhe hui, ‘Gao quan shi renmin shu’, enviada a 20 de Abril de 1989. Reimpresso em Zhongguo minyun yuans ziliao juzgxuan (Shiyue pinglunshe, Hong Kong, 1989), no.1, p.27.

[14] – Pequim shi gongren lianhe hui, ‘Shi wen shu’ [Dez Perguntas], datado de 20 de abril de 1989. Reimpresso em Zhongguo minyun yuan zilao nº.1, p.27. O ativista # 1 insiste que a “Carta a Todos os Povos da Cidade” foi, de fato, escrita no dia 19, apesar de ter sido datada e divulgada na mesma data que as “Dez Perguntas”. Esses são quase certamente os “panfletos contrarrevolucionários” que a liderança do Partido acusou os estudantes de “imprimir em nome dos trabalhadores” em um esforço para incitar o “tumulto”, referido no controverso editorial do Renmin Nbao de 26 de abril. Os ativistas do gongzilian que entrevistamos relataram que muitos ficaram irritados com a suposição do editorial de que os trabalhadores não podiam escrever ou falar por si mesmos.

[15] – Ativista #1 explicou que eles se abstiveram de pedir por nomes e locais de trabalho por medo de que isso lançaria suspeitas sobre suas identidades e motivos.

[16] – Um folheto anônimo, colocado por um trabalhador na Universidade Normal de Pequim durante esse período, pode ter sido escrito por um desses ativistas. Aconselha os estudantes a apelarem aos trabalhadores e a abandonarem pedidos de “mudanças democráticas impraticáveis”, a melhorarem o tratamento dos intelectuais e a aumentar o orçamento da educação e, em vez disso, a levantarem slogans sobre padrões e privilégios especiais, o que é paráfrase real das duas declarações do gongzilian de 20 de abril. ‘Beijmg gongren zhi xuesheng gongkai xin’, Carta datada de 28 de abril de 1989, na Universidade Normal de Pequim. Repostos em Zhongguo minyun yuan ziliao, nº.1, p.33. As memórias de um estudante mencionam os esforços de um trabalhador para fazer contato com organizações estudantis na Universidade de Pequim no final de abril. Veja-se Shen Tong, Almost a Revolution (Houghton Mifflm, Boston, 1990), pp.185, 204, 218-19.

[17] – Nesse momento nossa descrição começa a apresentar nossas entrevistas com o ativista # 2, além daqueles com o ativista # 1

[18] – Várias fotografias da demonstração foram publicadas. Yan Yunxiang nos mostrou uma foto que ele tirou em que delegados de uma grande fábrica petroquímica dividiam o mesmo caminhão com o gongzilian.

[19] – Ativista # 1 e Ativista # 2.

[20] – Pequim shi gongren zizhi hui chouweihui, “Shoudu gongren xuanyan” [Manifesto dos Trabalhadores da Capital], datado de 19 de maio de 1989. Reimpresso em Zhongguo minyun yuan ziliao, nº.1, p.29.

[21] – Pequim shi gongren lianhe hui, ‘Gao quan guo tongbao shu’ [Carta a Todos os Compatriotas], datado de 17 de maio de 1989. Reimpresso em Zhongguo minyun yuan zdliao, nº.1, p.28.

[22] – Pequim gongren zizhi lianhe hui, ‘Gao quan guo gongren shu’ [Carta aos Trabalhadores de Toda a Nação], folheto, sem data, distribuído nas interseções de Pequim em meados de maio. Reproduzido em Zhongguo mnuyun yuan zdliao, nº. 2, p.43.

[23] – ‘Shoudu gongren xuanyan’.

[24] – ‘Gao quan guo tongbao shu’.

[25] – ‘Beijing gongren zizhi lianhe hui choubei gonggao (di yi hao)’ [Proclamação do Escritório Preparatório da União Autônoma dos Trabalhadores de Beijing (Nº.1)], folheto datado de 20 de maio de 1989. Reimpresso em Zunguo nunyuan yuan zdliao, nº.1, p.29.

[26] – Ambos os informantes deram a mesma cifra. O ativista #1 foi uma das pessoas que registrou novos membros. A ativista #2 relata que uma porção dos rolos do gongzilian foi queimada pelos líderes nas tendas quando as tropas atacaram a praça. Ela removeu os restantes e os destruiu antes de deixar a cidade vários dias depois. A inscrição de membros parece ter começado em silêncio no final de abril; de acordo com uma conta, cerca de 2.000 membros foram registrados até 2 de maio. Ver Gongren Qdlaile: Gongren zzzhi lhanhehus yundong 1989 [Os trabalhadores se levantaram: O Movimento da Federação Autônoma dos Trabalhadores de 1989] (Xianggang gonghui jiaoyu zbongxin, Hong Kong, 1990), p.32. Uma versão em inglês desse livro também foi publicada: A Moment of Truth (Asia Monitor Resource Center, Hong Kong, 1990).

[27] – Ativista #1 foi um dos responsáveis ​​pela logística. A nova estrutura foi brevemente descrita em ‘Beijing shi gonggren zizhi hui de gonggao’ (Proclamação da União Autônoma dos Trabalhadores de Beijing), folheto de 21 de maio de 1989. Reimpresso em Zhongguo minyun yuan zilao, nº.1, p.29.

[28] – Shoudu gongren zizhi liianhe hui choubei weiyuanhui, ‘«Shoudu gongren zizhi lianhe hui choujian gangling’ [Programa Provisório da União Autônoma dos Trabalhadores da Capital], folheto de 25 de maio de 1989. Reimpresso em Zhongguo nunyun yuan ziliao, nº.1, p.30; e Shoudu gongren zizhi lianhe hui, ‘Shoudu gongren zizhi lihhe hui linshi zhangcheng’ [Carta Provisória da União Autônoma dos Trabalhadores da Capital]. Reproduzido em Zhongguo minyun yuan zdhao, nº. 2, p.42.

[29] – A operação de impressão foi realizada por um casal de idosos que dirigia uma pequena oficina privada e que tinha assumido um papel extraordinariamente ativo como voluntários na causa do gongzilian. Alheio à sua segurança pessoal, o velho casal continuou a distribuir folhetos e cartazes até serem presos em 9 de junho. Veja Gongren qilaile, p.283.

[30] – Ativista # 2, uma empreendedora privada, se envolveu no movimento dessa forma. Duas estudantes também foram alistadas como radialistas e estavam entre as poucas mulheres envolvidas na organização.

[31] – Por exemplo, o gongzilian ajudou a organizar a maior manifestação contra a lei marcial, que ocorreu em 25 de maio. O grupo divulgou um folheto no dia anterior que informava as pessoas nas unidades de trabalho sobre onde e quando realizar assembleias e quais slogans colocar em suas bandeiras. Eles anunciaram que um caminhão de propaganda com o estandarte do gongzilian, seguido por membros do corpo de piquetes dos trabalhadores, lideraria a procissão em uma marcha ao redor do segundo anel viário para a Praça Tiananmen. Ver ‘Jinji huyu’ [Apelo Urgente], folheto de 24 de maio de 1989. Reimpresso em Zhongguo nunyun yuan zdhao, nº. 1, p.31. Veja também Ming Bao, June Four, p.117. Um conjunto semelhante de instruções está incluído em ‘Gongren xiongdi, dongyuanqilai’ [Companheiro Trabalhadores, Mobilizar!], folheto de 27 de maio de 1989, em Zhongguo nunyun yuan ziliao, nº.2, p.47.

[32] – ‘Jinji huyu’ [Apelo Urgente], folheto de 25 de maio de 1989. Reimpresso em Zhongguo minyun yuan ziliao, no.2, p.43.

[33] – Ativista # 1; fotografias do grupo marchando em uma manifestação foram publicadas em Gongren qilaile, p.46.

[34] – Zhongguo chengjian gongren zifa lianhe hui zonghuizhang, ‘Chenglian gongren zifa lianhe hui de zongzhi’ (Objetivos da Federação Autônoma dos Trabalhadores da Construção da Cidade), folheto datado de 21 de maio de 1989. Reimpresso em Zhongguo nunyun yuan ziliao, nº.1, p.32 O ativista # 1 informa que o sindicato foi fundado por trabalhadores que originalmente faziam parte do gongzilian.

[35] – Esta foi uma organização separada de cidadãos de Pequim estabelecidos na praça para manter a ordem e proteger os estudantes que faziam greve de fome. O folheto que anunciou sua formação e propósitos indica que foi organizada por um ‘Comitê de Apoio às Atividades Estudantis’, formado por professores ou funcionários do Instituto para o Estudo do Movimento Trabalhista Chinês. Zhongguo gongren yundong xueyuan shengyuan xuesheng xingdong weiyuanhui, shoudu gongren jiucha dui linshi zhihuibu, ‘Zhi shoudu gongren shu’ [Carta aos Trabalhadores da Capital], wallposter sem data, mas o conteúdo data de 13 de maio de 1989. Zhongguo nunyun yuan ziliao, nº .1, p.31.

[36] – Ativistas # 1 e # 2 relatam que esse grupo foi composto principalmente, embora não exclusivamente, de empresários privados, e que eles não tinham organização ou programa fixo. Seu papel em patrulhar as ruas e repassar notícias e mensagens, especialmente depois da lei marcial, tem sido descrito em muitos relatos, e fotografias deles são comuns. Eles tinham cerca de 300 membros. Veja Li Yun, et al., Diankuang de she nian zhiwa [O Verão Tumultuoso do Ano da Cobra], (Guofang keji daxue chubanshe, Pequim, 1989), pp.189-93.

[37] – Formado em 25 de maio, após a resistência popular à lei marcial, aparentemente, não conseguiu mudar a posição linha dura do governo. Ming Bao, June Four, p.117; Saich, ‘Movimento Popular de Pequim’.

[38] – Os Tigres Manchus (Dongbei hu gansi dui) e o Corpo Dare-to-Die da Montanha Changbai (changbai shan gansi dui); Ativista # 1.

[39] – Ativista # 1 afirma que, por causa da juventude e inexperiência da maioria dos membros do gongzilian, eles confiaram fortemente em funcionários de fábrica mais experientes, dispostos a arriscar um envolvimento direto, para fornecer conselhos a eles sobre táticas e métodos organizacionais. Um quadro da Federação de Sindicatos de Toda a China (entrevistado posteriormente em Hong Kong) estimou que metade dos funcionários de sua organização apoiou o movimento, que eles estavam nas ruas em apoio primeiro aos estudantes e depois ao gongzihan, e que eles fizeram contato frequente com eles, oferecendo até artigos para serem transmitidos na praça. Veja Gongren qilalde, pp.99-111, esp. pp.102-107.

[40] – Pequim gongren zizhi hui, “Gao haiwai tongbao shu” [Carta aos compatriotas ultramarinos], folheto de 26 de maio de 1989. Reimpresso em Zhongguo nunyun yuan ziliao, nº.2, p.44.

[41] – Pequim gongren zizhi lianhe hui, tongxun shaongongo xongshun ‘Jinji dongyuanqilai, gongke bashi niandai de bashidiyu’ [Urgentemente mobilizar, destruir a Bastilha dos anos 80], folheto datado de 26 de maio de 1989. Reimpresso em Zhongguo mlnyun yuan zihao, nº 2, p.45.

[42] – Pequim Gongren Zizhi Lianhe hui, ‘Renmin de haoling’ [Comando do Povo], wallposter datada de 29 de Maio de 1989. Reproduzido em Zhongguo nunyun yuan ziliao, nº.2, p.48.

[43] – O ativista # 1 participou dessa incursão.

[44] – Shoudu gongren zizhi lianhe hui, “Jinji tonggao” [Anúncio Urgente], folheto datado de 30 de maio de 1989. Reimpresso em Zhongguo mnuyun yuan ziliao, nº.2, p.49.

[45] – O encontro é descrito em Shoudu gongren zizhi lianhe hui ‘Jijian’ [Aviso Urgente], folheto de 30 de maio de 1989. Reimpresso em Zhongguo nunyun yuan ziliao, nº.2, p.49.

[46] – Veja Ming Bao, June Four, p.127.

[47] – Ativista # 2.

[48] ​​- ‘Jijian’.

[49] – Shoudu gongren zizhi hui chouwei hui, ‘Xinwen fabu hui’ [Liberação de Notícias], folheto sem data. Reimpresso em Zhongguo nunyun yuan ziliao, no.2, p.50.

[50] – Ming Bao, June Four, p. 127

[51] – A única exceção de sei é que o ativista número # 1 participou de uma conhecida greve da Companhia de Ônibus Públicos de Pequim, em 1985.

[52] – Parece que o líder de facto do gongzilian, Han Dongfang, era um trabalhador com uma imagem positiva entre a liderança dos seus estaleiros ferroviários. Na véspera da lei marcial, o secretário do Partido de sua unidade chegou à sede do gongzilian, juntamente com o diretor da loja de Han e alguns outros quadros, e tentou persuadi-lo a voltar, prometendo protegê-lo da prisão. O ativista # 1 testemunhou o encontro. Em uma entrevista realizada na praça em maio, Han afirmou que ele havia sido um ativista político enquanto esteve no exército, ganhando um prêmio de “indivíduo avançado”. Veja Gongren qilaile, pp.146-51.

[53] – O principal exemplo é Li Jinjin, um estudante de Direito da Universidade de Pequim que atuou como “consultor jurídico” e ajudou a redigir muitas das mais longas declarações. He Lili, professor do Colégio de Trabalhadores e Pessoal do Departamento de Construção de Máquinas de Pequim, era membro do comitê de liderança. Zhou Yongjun, estudante da Universidade de Política e Direito de Pequim, que, desde cedo, liderou a Federação dos Sindicatos de Estudantes de Pequim antes do surgimento de líderes como Wuer Kaixi e Chai Ling (Ming Bao, June Four, p.32 e 47). Shen Tong, Almost a Revolution, pp. 190, 202, 208, 219, 221 e 249), veio ao gongzilian durante a última semana de maio, trazendo com ele uma grande quantia em dinheiro que havia sido doada ao movimento estudantil sob seu controle. Ele participou do grupo durante os últimos dias de existência da organização.

[54] – Veja ‘Gao quan shi renmin shu’ e ‘Shi wen shu’, ambos de 20 de abril, e a discussão abaixo.

[55] – ‘Gao quan shi renmin shu’, e ativista # 1.

[56] – ‘Pequim gongren zizhi lianhe hui choubei chu gonggao (di yi hao)’, 20 de maio; e ‘Pequim shi gongren zizhi hui de gonggao’, 21 de maio.

[57] – Ativista # 1.

[58] – ‘Shoudu gongren zizhi lianhe hui choujian gangling’, 25 de maio.

[59] – Para um esforço para reconciliar essa lacuna entre medidas objetivas do progresso econômico e percepções do trabalhador da estagnação dos padrões de vida, ver Andrew G. Walder, “Workers, Managers and the State: The Reform Era and the Political Crisis of 1989”, China Quarterly, nº.127 (Setembro 1991), pp. 467-92.

[60] – Renmin de haoling, 29 de maio.

[61] – Shoudu gongren zizhi lianhe hui, ‘Zhongguo xianzhuang shi da guai’ [Dez Estranhas Coisas sobre a China Estes Dias], folheto datado de 26 de maio de 1989. Reimpresso em Zhongguo nunyun yuan ziliao, nº.2, p.46.

[62] – ibid.

[63] – Renmin de haoling, 29 de maio.

[64] – Em recentes entrevistas com trabalhadores que deixaram a China depois de meados de 1989, mas que não estavam ativos durante o movimento democrático (ver as entrevistas citadas em Walder, ‘Trabalhadores, Gerentes e o Estado’), encontramos evidências de que isso a teoria popular é muito difundida.

[65] – ‘Gao quan shi renmin shu’, 20 de abril.

[66] – ‘Gao quan guo tongbao shu’, 17 de maio.

[67] – ‘Gao quan guo tongbao shu’, 17 de maio.

[68] – Isso não os impediu, no meio da lei marcial, de pedir a Wan Li para que convocasse uma reunião do Congresso Nacional do Povo para revogar a lei marcial e remover Li Peng e outros líderes da linha-dura. “Gongren xiongdi, dongyuanqilai”, 27 de maio. Este é o único folheto do gongzilian encontrado que apoia qualquer líder ou grupo específico dentro do governo. Porém, a organização parece estar mais pedindo o uso de instituições democráticas em vez de apoiar Wan Li ou sua facção em si.

[69] – Veja Craig Calhoun, “Revolução e Repressão na Praça Tiananmen”, Society, nº.26 (setembro-outubro de 1989), p.24.

[70] – Ativista # 1 e Ativista # 2.

[71] – ‘Pequim shi gongren zizhi hui de gonggao’, 21 de maio; Gongren xuanyan, 21 de maio; ‘Gao haiwai tongbao shu’, 26 de maio.

[72] – Não conseguimos confirmar ou invalidar esses ‘fatos’; mas o ponto importante para nosso exame da mentalidade política dos trabalhadores é que essas crenças existem. Também é possível que esses trabalhadores apresentem uma imagem idealizada de seu próprio movimento; novamente, a percepção, não fato, é o que é crucial aqui.

[73] – Elizabeth Perry faz o mesmo argumento em seu ensaio sobre a mentalidade exibida pelos intelectuais que participaram dos protestos. Veja-se ‘Intellectuals and Tiananmen: Historical Perspectives on an Abortive Revolution’, em Daniel Chirot (ed.), The Crisis of Leninism and the Decline of the Left: The Revolutions of 1989 (University of Washington Press, Seattle, 1991), pp .129-46.