Por trás dos protestos anti-China em Hong Kong

por Scott Scheffer | Struggle-La Lucha - Tradução de Matheus Ferreira Silva para a Revista Opera

3
1269
(Foto: Studio Incendo)

A paz foi restaurada no Aeroporto Internacional de Hong Kong em 15 de agosto. Dois dias antes, uma multidão violenta, tachada pela imprensa imperialista dos EUA e da Grã-Bretanha como “manifestantes pacíficos” ocupara o aeroporto e todos os voos foram cancelados.

Durante o cerco de dois dias, eles haviam espancado dois homens inconscientes. A primeira vítima foi um jornalista do canal de notícias chinês Global Times [1]. Suas mãos e pés estavam amarrados e ele estava amarrado a um carrinho de bagagem enquanto ele entrava e saía da consciência e os “manifestantes” bloquearam o pessoal médico de emergência por quatro horas.

Outro homem, suspeito de ser um policial da China continental, também foi espancado até a inconsciência. Um policial de Hong Kong foi atacado, chutado e socado até que ele finalmente sacou sua arma com temendo por sua vida. Muitos dos manifestantes usavam bandeiras americanas e mantinham sinais positivos em relação a Donald Trump.

Embora a mídia nos EUA tenha se referido continuamente aos protestos como “pacíficos”, e à resposta das autoridades de Hong Kong como brutal, a realidade é o oposto. Em uma das ações anteriores, uma multidão vandalizou a legislatura de Hong Kong pulverizando as paredes internas e quebrando as janelas [2].

Durante o outro, uma delegacia de polícia de Hong Kong foi atacada e incendiada [3]. Arremessar tijolos, bombas de gasolina e desfigurar os símbolos da revolução chinesa têm sido atitudes frequentes. A razão inicial para os protestos foi exigir que uma proposta de lei para instituir um tratado de extradição com o continente, uma lei de rotina que existe em muitos países, seja revogada. O projeto foi autorizado a morrer na legislatura, mas os protestos continuaram, e seu verdadeiro caráter anticomunista é agora muito mais claro.

Uma manifestante relatou ao New York Times como ela se inspirou nos “protestos anti-russos na Ucrânia em 2014”, que levou à ascensão um governo fascista.

A atual onda de protestos tem ocorrido desde abril, mas cresceu em tamanho e frequência em junho e julho. Numerosas organizações com ligações estreitas e financiadas pela National Endowment for Democracy (NED) dos EUA ficaram felizes em agitar contra o acordo “Um país – dois sistemas”. O NED é um braço da CIA.

Mas os protestos anti-China são apenas a ponta do iceberg. A mídia ocidental ignorou os moradores de Hong Kong que se opõem aos manifestantes apoiados pelos EUA. A Hong Kong Free Press noticiou em 17 de agosto uma manifestação pró-Pequim de quase meio milhão de pessoas no centro de Hong Kong [4].

No bairro da classe trabalhadora de North Point, centenas de pessoas se reuniram na Federação de Fujian de Hong Kong em 10 de agosto com uma mensagem de que os manifestantes anti-China não são bem-vindos em sua vizinhança.

Hong Kong foi apreendida da China em 1842 pelos britânicos na primeira das “Guerras do Ópio”, travadas pelo império britânico para impor o comércio do ópio à China. Por mais de um século, a China foi devastada pelo vício das drogas e pela exploração imperialista.

Na linguagem popular antes da revolução, o próprio nome da China era sinônimo de fome.

Desde que a revolução de 1949 da China expulsou os imperialistas e iniciou a tarefa de construir uma economia socialista, a dependência de drogas, a falta de moradia, o analfabetismo, a fome e o desemprego são memórias distantes. Cerca de 800 milhões de pessoas foram retiradas da pobreza nas últimas décadas, no que a ONU reconhece como uma conquista impressionante por qualquer padrão de progresso social.

No final dos anos 80, a China permitiu o investimento capitalista, em parte para melhorar o efeito das sanções dos EUA. Enquanto a indústria básica permaneceu nas mãos do Estado, liderada pelo Partido Comunista Chinês, uma economia capitalista cresceu rapidamente ao lado do socialismo.

Embora o partido ainda exerça um grande controle sobre as empresas capitalistas, a existência de grandes capitalistas como parte da sociedade chinesa representa um grande risco.

Depois de negociações que duraram bem mais de uma década, Hong Kong foi repatriada pela China em 1997, como uma região semi-autônoma. Por acordo, o capitalismo deve operar livremente ali até 2047.

As divisões de classe aprofundaram-se muito mais dramaticamente em Hong Kong do que na China continental, onde os padrões de vida continuam a melhorar. Uma parte da população de Hong Kong evoluiu para um estrato muito rico de capitalistas.

A proximidade geográfica de Hong Kong com a China continental permitiu seu crescimento como um centro para o capital financeiro e um líder no transporte global. Hong Kong tem um dos maiores percentuais de bilionários do mundo [5].

Mas a classe trabalhadora se aprofundou na pobreza com os idosos e as crianças que sofrem das piores taxas de pobreza[ 6].

A separação de Hong Kong da China tem sido o foco de uma campanha imperialista desde o repatriamento ocorrido em 1997.

Manter Hong Kong separado tem sido importante para as operações dos EUA contra a China por décadas. Um ex-agente da CIA chegou a admitir que “Hong Kong era nosso posto de escuta”.

Nem toda a intromissão dos EUA em Hong Kong esteve por trás dos bastidores. As autoridades chinesas expressaram indignação pelo fato de o Departamento de Estado dos EUA ter se reunido abertamente com líderes das manifestações. O próprio secretário de Estado, Mike Pompeo, se reuniu com o ativista anti-China de longa data, Martin Lee, no início de maio [7]. Em 8 de agosto, um diplomata dos EUA estacionado em Hong Kong foi fotografado em uma reunião com os organizadores do protesto no saguão de um hotel de luxo.

O China Daily fez um relatório detalhado, “Quem está por trás dos protestos de Hong Kong?”. Ele dá a visão da China sobre os eventos e aponta para as conexões dos EUA entre o NED e os organizadores do protesto. Como mostra o relatório do China Daily, essa conexão foi confirmada pelo ex-funcionário da administração Reagan e membro sênior do Instituto Hudson, Michael Pillsbury, a quem Trump se refere como o maior especialista do mundo na China: “Nós também financiamos milhões de dólares de programas através do Fundo Nacional para a Democracia… então, nesse sentido, a acusação chinesa não é totalmente falsa ”.

Um editorial da mídia continental People’s Daily resumiu: “Os manifestantes radicais pretendem forçar o governo central a abandonar o governo de Hong Kong… e devolver a cidade ao ocidente.”

“O governo chinês nunca permitirá que a extrema oposição e o Ocidente arrastem Hong Kong para o campo anti-China, nem permitirá que a cidade caia no caos a longo prazo ou se torne uma base para o Ocidente subverter o sistema político da China.”

Notas do tradutor:

1 – https://www.scmp.com/news/hong-kong/politics/article/3022782/global-times-journalist-beaten-hong-kong-protesters-given

2 – https://www.washingtonpost.com/video/world/hong-kong-protesters-smash-windows-of-government-building/2019/07/02/b9d1ef05-f23e-48d1-80a1-3eda8b4f6d82_video.html

3 – https://www.youtube.com/watch?v=weeSSFRpdrE

4 – https://www.hongkongfp.com/2019/08/17/oppose-violence-save-hong-kong-476000-attend-pro-police-rally-organisers-say/?fbclid=IwAR0sVf10UiaZnK0vta-KFst3csJOtGSgnFOiuxskvO9cFnL0h5rOPGvcvd4

5 – https://www.scmp.com/business/banking-finance/article/2169419/hong-kong-has-more-millionaires-ever-loses-out-rival

6 – https://www.scmp.com/news/hong-kong/society/article/2174207/we-must-act-soon-or-generations-hong-kong-children-will-be

7 – https://www.state.gov/secretary-pompeos-meeting-with-hong-kong-pro-democracy-leader-martin-lee/

3 COMENTÁRIOS