Juan Grillo: Chamar a Venezuela de “narcogoverno” é hipócrita e completamente falso

por Romain Migus | Resumen Latinoamericano - Tradução de Gabriel Deslandes para a Revista Opera

1
368
(Foto: Prensa ONA)

A acusação midiática de conluio entre o governo venezuelano e o narcotráfico não é nova. Em 19 de janeiro de 2008, o chefe da política de drogas da Casa Branca, John Walters, acusou o presidente venezuelano Hugo Chávez de ser “um facilitador do tráfico de drogas”. Anos depois, essa matriz de opiniões foi retomada pela mídia para forjar a imagem da Venezuela como um “Estado fora da lei”. Todavia, em seu desejo de propaganda antibolivariana, nenhum meio de comunicação se preocupou em ouvir os atores na luta contra as drogas na Venezuela. Resumen Latinoamericano foi entrevistar o general de divisão Juan Grillo, diretor do Escritório Nacional Antidrogas (ONA) da Venezuela. O general Grillo apresenta com exclusividade a realidade da luta diária contra esse flagelo. Ele nos oferece outro ponto de vista, sempre ignorado pela mídia internacional.

Romain Migus: Por que, em 8 de agosto de 2005, o governo bolivariano da Venezuela decide romper seus acordos com a Drug Enforcement Administration (DEA), a agência de drogas dos EUA?

Juan Grillo: Depois que a Agência Nacional Antidrogas foi criada, nosso comandante em chefe da época e o comandante supremo, Hugo Chávez, manifestou a necessidade e a decisão de cancelar os acordos com a DEA. Você precisa saber que, neste mesmo prédio, havia uma espécie de embaixada gringa paralela. Ninguém tinha acesso a ela. Sob o pretexto da “luta contra o tráfico internacional de drogas”, eles usavam dispositivos para interceptar telefonemas, fazer gravações e escutas clandestinas. Aquilo que eles deveriam estar usando na luta contra as drogas, eles usavam contra as políticas internas da Venezuela. Quando o comandante Hugo Chávez decide encerrar os acordos com a DEA, começamos a andar de pé na política de drogas. Até aquele momento, como em toda a região, nós respondíamos aos interesses estratégicos dos países hegemônicos – os EUA e da Europa. Nosso único papel era somente servirmos de barreira para impedir que a droga fosse para esses destinos. A proteção soberana dos 2.200 quilômetros de fronteira que compartilhamos com a maior produtora de cocaína do mundo, que é a Colômbia, não era contemplada. Um dos nossos objetivos também, a partir dessa data, era impedir que as drogas da Colômbia entrassem em nosso território e que, pior ainda, ficassem por aqui. Não produzimos drogas. Somos reconhecidos pela ONU como um país livre de plantação e cultivo de drogas.

Com a DEA, tínhamos uma apreensão média de 34 toneladas por ano. Sem a DEA, em 13 anos, mantemos uma apreensão média de 51 toneladas por ano. Desde 2005, apreendemos 639 toneladas de drogas. Longe de termos sido prejudicados pela suspensão desses acordos com a DEA, estamos sendo muito mais eficazes e eficientes não só no que tange à cooperação internacional na luta contra as drogas, mas também respondemos aos nossos próprios interesses, impedindo o tráfico de drogas e o crescimento do consumo na Venezuela. Pelos números, é evidente que os EUA usaram o pretexto da luta antidrogas para espionar nossa política interna, como denunciou o Comandante Chávez naquela época. Eles também usaram o nosso território para o tráfico, pois, sem os americanos, nós apreendemos o dobro de drogas.

Romain Migus: Qual é a estratégia do ONA para prevenção?

Juan Grillo: Concebemos o problema mundial das drogas a partir do problema da produção, do comércio ilícito, mas também do consumo. Os EUA não olham para este último ponto. Eles são o país que mais consome. Lutamos contra o tráfico internacional de drogas, com cooperações internacionais. Porém, nosso plano nacional de drogas, implementado por nosso comandante em chefe e presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, faz parte também da Missão dos Grandes Quadrantes da Paz.

Levamos toda a nossa política pública de prevenção e consolidação da paz a um “quadrante de paz”, que é um pequeno território entre 2,5 km² e 5 km², onde mantemos uma presença policial e atividades de prevenção com outras instituições responsáveis ​​pela parte esportiva, cultural, educacional e de saúde. Dessa maneira, concentramos toda a nossa política em um território definido, nas comunidades. Com esse plano, impedimos que nossos jovens caiam no mundo terrível do uso de drogas. Por meio de nosso observatório de drogas, priorizamos, inclusive, alguns quadrantes mais propensos ao microtráfico. Com essa ferramenta, podemos ter conhecimento geográfico de onde estão localizados os nós mais problemáticos.

Romain Migus: Como eles agem na repressão ao crime?

Juan Grillo: Não usamos a palavra repressão, preferimos falar sobre o nosso trabalho reativo. Realizamos 119.605 prisões por crimes de drogas desde 2006. Contudo, demos muitos golpes no tráfico internacional de drogas, que pretende usar nosso território, nosso mar, nosso espaço aéreo como espaço de comunicação entre a principal produtora de cocaína do mundo, a Colômbia, e os principais consumidores, Estados Unidos e Europa. Tendo 2.200 quilômetros de fronteira com a Colômbia, onde o governo deste país sequer exerce sua soberania em seu território, precisamos ter muitos controles. Além dos monitoramentos em solo, temos o controle de nosso espaço aéreo, graças à colaboração do sistema de defesa antiaérea das Forças Armadas venezuelanas e ao apoio do Instituto Nacional de Aviação Civil.

Estamos longe dos anos 1980 na Colômbia, quando Álvaro Uribe concedeu licenças de voos do Departamento de Aviação Civil do país para o cartel de Pablo Escobar. Estamos destruindo as pistas clandestinas. Nosso grande território, particularmente nas planícies, é útil para a construção dessas pistas clandestinas, mas nós estamos as desativando e as destruindo.

Além disso, recuperamos 47 pequenos aviões ligados ao tráfico de drogas e desativamos mais 139. Da mesma forma, destruímos 317 laboratórios onde as drogas eram produzidas.

Romain Migus: Que tipo de acordos internacionais a Venezuela assinou na luta contra as drogas e com quem?

Juan Grillo: Temos 53 acordos assinados com 39 países, além de acordos com as Nações Unidas e a União Europeia no fórum CELAC-UE. Mantemos um fluxo de trabalho normal com nossos colegas internacionais. Essa cooperação internacional se reflete em nossos resultados. Capturamos 152 traficantes que estavam sendo procurados internacionalmente. Destes, 79 foram extraditados e 40 estão em processo para também serem. Esses 119 capos (soldados) não traficavam na Venezuela. Se não, teríamos os julgado aqui. Eles queriam se esconder usurpando uma identidade, mas não estavam cometendo crime em nosso país. Em cooperação com as polícias na América Latina ou internacionalmente, prendemos e deportamos, principalmente para a Europa, EUA e Colômbia. Esses números não têm nada a ver com as milhares de prisões que fazemos a cada ano.

Nesse caso, falamos de traficantes, identificados graças ao trabalho conjunto que temos com as polícias europeias, da América do Sul, da América Central. Na verdade, a única polícia com quem rompemos todos os tipos de comunicação é a DEA e com aqueles que tentam impor sua política em nosso país. Além disso, enviamos nossos resultados e números aos encarregados policiais de nossas embaixadas para que eles informem a seus pares nos países onde estão. Da mesma forma, informamos permanentemente aos encarregados policiais das embaixadas presentes em nosso país. O trabalho da ONA é conhecido em seus governos, mas não é divulgado.

Romain Migus: Como se explica essa matriz de opinião midiática sobre a existência de um “narcogoverno” na Venezuela?

Juan Grillo: A criação do Escritório Nacional Antidrogas na Venezuela responde aos nossos interesses estratégicos. Em muitos países, a questão das drogas é apenas uma questão policial. Elaboramos a política e estratégia integrais de combate às drogas, coordenação com outras entidades. Tudo o que tem a ver com o combate às drogas é supervisionado pela ONA. Conseguimos a instalação de circuitos judiciais especiais sobre a questão das drogas. Há promotores nacionais dedicados exclusivamente à questão das drogas.

Com nossos acordos internacionais, nos mantemos atualizados sobre essa questão e coordenamos nossas políticas antidrogas. É uma grande mentira dizer que a Venezuela está isolada nessa luta. Falar sobre “narcogoverno” não é só hipócrita, mas completamente falso. O relatório das Nações Unidas sobre drogas menciona dados mostrando que a produção de drogas aumentou na Colômbia ou que as overdoses aumentaram nos EUA. Quando se referem à Venezuela, não é possível mencionar essas cifras negativas.

Essas matrizes de opinião midiática respondem a uma guerra não convencional e multiforme contra a Venezuela. São notícias falsas, cujo objetivo é montar um expediente negativo para construir a imagem midiática da Venezuela como um Estado falido ou pária. O objetivo é poder influenciar novamente nossas políticas soberanas ou, pior ainda, justificar uma invasão. Os EUA trabalham na construção desse expediente desde que a Revolução Bolivariana decidiu que nosso país é soberano e independente e não precisa seguir as políticas ordenadas pelo império.

Romain Migus: Quantas entrevistas para a mídia internacional você concedeu desde que assumiu a direção da ONA?

Juan Grillo: Por meio de nossa assessoria de imprensa, organizamos muitas coletivas de imprensa para informar à mídia internacional sobre nossos resultados. Jornalistas internacionais vêm, mas nossas informações não são muito transmitidas.

Romain Migus: E quantas mídias internacionais pediram uma entrevista como a que estamos fazendo para divulgar a estratégia abrangente da ONA?

Juan Grillo: Telesur, RT… e você.

Romain Migus: Interessante. Que estranho não haver mais pedidos de entrevista se esse problema surge de forma permanente para atacar a Venezuela. Muito obrigado por nos oferecer um outro olhar sobre a luta antidrogas na Venezuela.

1 COMENTÁRIO