Como a Revolução Chinesa mudou o mundo

por Sheila Xiao | Liberation News - Tradução de Pedro Marin para a Revista Opera

1
1668
(Foto: Byron Schumaker / White House)

Em 1 de outubro de 1949, Mao Tsé-Tung declarou uma vitória tremenda: o Partido Comunista Chinês havia prevalecido na longa guerra civil do país e a China era agora uma República Popular comprometida com a construção do socialismo. Os que ainda eram leais ao partido reacionário e pró-imperialista do Kuomintang, liderado por Chiang Kaishek, fugiram para Taiwan. A China e o mundo estão agora comemorando o 70º aniversário desse marco que mudou o curso da história.

Acabando com o “século da humilhação”

Pouco antes da famosa declaração de 1º de outubro, Mao disse aos delegados em uma cúpula dos principais líderes de todo o país: “Cerramos nossas fileiras e derrotamos os opressores nacionais e estrangeiros através da Guerra Popular de Libertação e da grande Revolução Popular, e agora estamos proclamando a fundação da República Popular da China […] A nossa nação não será mais uma nação sujeita a insulto e humilhação. Nós nos levantamos.” Desde a primeira Guerra do Ópio, em 1839, a soberania da China foi desarraigada pelo imperialismo por mais de um século. Os britânicos travaram essa guerra de agressão em resposta à proibição da monarquia chinesa sobre as importações britânicas de ópio na China, que estavam causando uma enorme epidemia de dependência no país.

A China foi derrotada. O que começou com cinco “tratados de portos”, a serem controlados pelos britânicos, se tornaram inúmeros portos de domínio estrangeiro a serem explorados por diversas potências imperialistas. A China sofreu invasões do império japonês, disputas de fronteira com a Rússia czarista e a secessão de áreas que antes faziam parte de seu território. O período conhecida como o “Século da Humilhação”, fez com que a China deixasse de ser uma das civilizações mais avançadas, produzindo 30% da produção econômica do mundo, para um estado de grave subdesenvolvimento, colonialismo, guerra e instabilidade doméstica.

A vitória do Partido Comunista Chinês em 1º de outubro de 1949 pôs fim ao século da humilhação, libertando o povo chinês do estrangulamento imperialista. A República Popular da China foi criada, iniciando assim o caminho para o socialismo.

China e o movimento anticolonial no mundo

A vitória do povo na China ocorreu no contexto da emergente guerra de classes global conhecida como Guerra Fria. A Revolução Chinesa não foi apenas uma revolução socialista, mas também uma luta de libertação nacional. Esse triunfo foi uma vitória para todas as lutas pela independência e socialistas ao redor do mundo, e para a política global eletrificada.

Como um país tão grande e importante se juntou à União Soviética no campo socialista, o equilíbrio do poder mundial começou a se afastar dos imperialistas. A classe dominante dos EUA entrou em pânico, e a disputa começou a determinar a pergunta arrogante e racista “quem perdeu a China?” Isso se tornou o ato de abertura da caça às bruxas Macartista nos EUA conhecida como “Red Scare“.

Além da inspiração que a revolução chinesa proporcionou aos combatentes da liberdade em todo o mundo, a formação da República Popular também representou uma fonte de ajuda material para as lutas em todo o mundo pela independência e pelo socialismo. Durante a Guerra da Coreia, por exemplo, centenas de milhares de soldados chineses lutaram ao lado de seus irmãos e irmãs coreanos com armas soviéticas, contra os exércitos invasores liderados pelos EUA.

A China também desempenhou um papel fundamental como parceiro comercial de nações recém-independentes, fornecendo uma alternativa desesperadamente necessária aos mercados dos países imperialistas. Em 1961, Kwame Nkrumah, presidente de Gana, negociou um empréstimo sem juros da China. O acordo incluiu a troca de especialistas industriais e agrícolas, envolvendo o treinamento de trabalhadores ganenses na China. Este é apenas um dos muitos exemplos de cooperação entre nações com base no desenvolvimento, no lugar de relações predatórias baseadas na exploração.

A Revolução Chinesa também inspirou organizações radicais nos próprios Estados Unidos. Os Young Lords, formado no final dos anos 60, lutaram pelo fim do colonialismo dos EUA em Porto Rico, bem como contra as condições opressivas e o racismo sistemático enfrentado pelos porto-riquenhos no continente americano. Os Young Lords estudaram a derrota dos japoneses e, em seguida, a derrota do Kuomintang pelo Partido Comunista Chinês, bem como como os revolucionários chineses começaram a desfazer as normas patriarcais que subordinavam as mulheres.

Como a União Soviética, a República Popular da China estendeu a solidariedade à luta afro-americana nos Estados Unidos. Mao não apenas se encontrou com o lendário lutador da liberdade afro-americano W.E.B. Du Bois, mas o primeiro-ministro chinês Zhou Enlai se encontrou também com o líder do Partido dos Panteras Negras, Huey Newton. O estudo regular dos trabalhos de Mao Tsé-Tung era prática comum entre muitos grupos radicais da época. Um dos esforços de captação de recursos mais conhecidos do Partido dos Panteras Negras foi a venda do “Pequeno Livro Vermelho” de Mao nos campi das faculdades norte-americanas, e esse texto era uma leitura obrigatória para todos os membros.

Assentando as bases para o crescimento rápido

Depois de tomar o poder em 1949, o Partido Comunista Chinês enfrentou dois enormes desafios: desenvolver a China para superar a pobreza que seu povo enfrentava e transformar as relações na sociedade para capacitar a classe trabalhadora e os camponeses que compunham a esmagadora maioria da população. Ao longo da revolução da China, o Partido Comunista adotou uma ampla gama de métodos e estratégias muitas vezes contraditórios para realizar essas tarefas. Embora ainda haja muito a ser feito, um exame de até que ponto a sociedade chinesa progrediu 70 anos após a revolução revela uma das maiores transformações da história da humanidade.

Um dos esforços iniciais mais notáveis foi o Grande Salto Adiante, o segundo plano quinquenal da China, que lançou as bases para um rápido desenvolvimento nos anos seguintes, enquanto reorganizava radicalmente a produção na sociedade chinesa. O Grande Salto Adiante foi uma tentativa ambiciosa de rápido desenvolvimento agrícola e industrial. Na época, a falta de infraestrutura moderna da China significava que formas mais comuns de produção, em que certos produtos eram produzidos principalmente em centros urbanos e depois transportados para todas as outras áreas, representavam um grande desafio. Na tentativa de remediar isso, foram estabelecidas comunas em todas as partes rurais da China para produção agrícola e industrial. Os principais sistemas de irrigação foram construídos e os projetos de conservação da água mais tarde protegiam a China de condições climáticas imprevisíveis.

Enquanto os críticos do Grande Salto Adiante consideram um enorme fracasso, resultando em mortes astronômicas relacionadas à fome, muitos demógrafos e historiadores desafiam essa narrativa hoje. Houve períodos de escassez de alimentos a curto prazo, principalmente devido à reorganização da produção, mas também por três anos consecutivos de condições climáticas adversas e imprevisíveis.

Esse empreendimento exigiu que toda a mobilização da população rural participasse de um trabalho intensivo com sua mão-de-obra, e a liderança da revolução chinesa refletiu sobre os erros cometidos ao confiar no extraordinário esforço humano para superar o subdesenvolvimento material. No entanto, a infraestrutura estabelecida durante esse período aumentou a produção agrícola de longo prazo, algo essencial para a industrialização. Estudos mostram que o rendimento por hectare de terra semeada com culturas alimentares aumentou 145,9% e a produção total de alimentos aumentou 169,6% durante o período de 1949 a 1978. A produção industrial aumentou em média anual de 11,2% entre 1952 e 1976. As políticas econômicas socialistas abriram o caminho para um rápido crescimento durante a era pós-Mao.

Libertação da mulher

Estrangulamento de pés, infanticídio feminino, espancar a esposa e outras formas de subjugação eram experiências rotineiras das mulheres antes da revolução. Após a revolução, a Lei Básica estabelecida na República Popular da China declarou:

“A República Popular da China abolirá o sistema feudal que mantém as mulheres em cativeiro. As mulheres gozam de direitos iguais aos homens na vida política, econômica, cultural, educacional e social. A liberdade de casamento entre homens e mulheres será efetivada.” (artigo 6).

Casamentos arranjados, concubinatos e casamentos infantis foram abolidos. Houve um aumento de divórcios iniciados por mulheres.

As mulheres também foram incentivadas a ingressar na força de trabalho. Durante o Grande Salto Adiante, cozinhas, jardins de infância e viveiros comunitários foram formados para que as mulheres pudessem participar de projetos de desenvolvimento massivo. Perto de 5 milhões de creches e jardins de infância e mais de 36.000.000 de refeitórios foram montados em áreas rurais em 1959.

A política educacional e a campanha de alfabetização foi mais um grande empreendimento da República Popular. Em apenas 10 anos, a taxa de analfabetismo da China passou de 80% para 43% – mesmo nas áreas rurais. Isso significava ensinar centenas de milhões de pessoas a ler e escrever.

O imperialismo norte-americano tenta impedir o levantamento da China

À medida que a pobreza continua a aumentar nos Estados Unidos, a pobreza diminui constantemente na República Popular da China. Mais de meio bilhão de pessoas foram retiradas da extrema pobreza entre os anos de 1981 e 2004. O PIB da China aumentou, em média, 10% ao ano e tirou mais de 800 milhões de pessoas da pobreza.

A China deu uma guinada acentuada no desenvolvimento econômico, introduzindo reformas de mercado em 1978, criando uma classe capitalista e exacerbando conflitos e desigualdades de classe na sociedade chinesa. Muitas pessoas progressistas veem isso como um fim para o país socialista em que encontraram inspiração. O Partido para o Socialismo e a Libertação (Party of Socialism and Liberty – EUA) vê isso como um erro – apesar da mudança para os métodos de desenvolvimento capitalistas trazerem grandes perigos políticos, não há hoje contra-revolução na China. O estado que governa a China é um produto da revolução dos trabalhadores e camponeses, e esse estado é capaz de dirigir e controlar a classe capitalista como bem entender.

Nos últimos anos, a liderança do Partido Comunista Chinês deu uma guinada à esquerda em sua orientação política diante da maior agressão imperialista dos EUA. Em 2013, a China introduziu uma iniciativa comercial chamada One Belt, One Road, agora mais comumente referida como Iniciativa Belt and Road. Esse projeto se estenderia do leste da Ásia à Europa, estabelecendo relações baseadas em diplomacia pacífica e comércio entre essas nações. Mais de 60 países, compostos por dois terços da população mundial, assinaram esse projeto. Isso colocaria a China em vantagem geopolítica como potência mundial emergente, rivalizando com os Estados Unidos.

A atual guerra comercial dos EUA contra a China deixa claro que o governo dos EUA está mais interessado em desestabilizar a China, mesmo à custa do bem-estar econômico de sua própria população. A China não quer conflitos com os Estados Unidos, mas está cada vez mais pronta para fazer o que precisa para se defender.

Todo experimento socialista é um produto das circunstâncias históricas e materiais em que a sociedade se encontra, bem como das decisões dos revolucionários que pretendem transformar a sociedade para atender às necessidades do povo. Em apenas 70 anos, a China fez enormes progressos em direção à erradicação da pobreza, à modernização de sua economia e infraestrutura e à criação de uma ordem mundial em que as nações imperialistas do oeste não tenham um domínio incontestado da política global. O triunfo do povo de 1949 é o que colocou isso em movimento.