Agulhas debaixo das unhas, costelas quebradas, tortura. A descrição caberia a incontáveis casos de brasileiros nas décadas de 60 e 70; mas este é mais recente. Em fevereiro de 2014, Rostislav Vasilko, líder comunista em Lviv, na Ucrânia, sofreu por algum tempo o amargor desses métodos. Pego por uma multidão no parque Mariinsky, em frente ao Parlamento ucraniano em Kiev, ele foi acusado de ser um atirador que alvejou manifestantes, e teve sua sentença paralela aplicada ali mesmo, na hora.

Seria só um caso de uma longa lista no país; dezenas de escritórios de organizações comunistas seriam ainda saqueados, militantes seriam presos e assassinados e, por fim, em 15 de maio de 2015, era aprovada a lei da “descomunização”. O uso e propagação de simbologia comunista virava crime, com sentenças que poderiam levar organizações de mídia a serem banidas ou militantes e organizações a cinco anos de prisão. Mais de 50 mil ruas tiveram seus nomes trocados, 987 cidades e vilarejos foram rebatizados, e algo em torno de 2 mil monumentos e estátuas foram derrubadas. O ovo havia sido aberto: em julho, o Partido Comunista da Ucrânia, o Partido Comunista dos Trabalhadores e Camponeses e o Partido Comunista Renovado da Ucrânia foram proibidos de participar das eleições. Em dezembro, por fim, os partidos comunistas foram banidos e colocados na ilegalidade.

O Euromaidan, movimento que derrubara o presidente Viktor Yanukovich no segundo mês de 2014, e o governo que dele nasceu, procedendo com uma guerra de “palestinização” contra as populações do leste com o apoio de grupos abertamente fascistas e ultranacionalistas, sob motes plenamente racistas e xenófobos, ainda assim teve o favor dos liberais e “liberais-progressistas” ao redor do mundo.

O movimento golpista, diziam eles, era a resposta de um povo que se revoltava contra o autoritarismo russo e sua corrupção, em busca de um futuro liberal, democrático e europeu. No leste, quando rebeldes se levantaram em armas contra o governo golpista, a imprensa dos países centrais tratou-os todos como “agentes russos”, alinhando-se ao discurso oficial de Kiev. Mas esta mesma imprensa, pisando sobre seu juramento como guardiã da verdade, não tratou dos óbvios interesses norte-americanos no Euromaidan – ainda que o apoio de organizações ocidentais ao movimento fosse documentado -, nem apresentou dois lados de um conflito de dimensão geopolítica. O leste vivia uma “ocupação russa”, o oeste, uma verdadeira libertação, puramente nacional, democrática e liberal.

Quando essa narrativa foi corroída pelos fatos, o nível de sandice foi tal que Alexander Motyl chegou a fazer comparações no progressista Huffpost entre o líder do partido Svoboda, Oleh Tyahnybok, e Malcolm X, e entre o neonazista Batalhão Azov e o Partido dos Panteras Negras.

Anticomunismo global

A Ucrânia apenas se juntava a um crescente grupo de países no mundo que fizeram da propaganda ou da militância comunista um crime. Na Estônia, desde 2007, o uso e propaganda de símbolos comunistas é criminalizado. Na Lituânia, manifestações com símbolos comunistas também estão fora da lei. O mesmo é válido na Letônia e Bulgária. Na Romênia, “iniciar, organizar, cometer ou apoiar” qualquer ato comunista é considerado um perigo à unidade e integridade territorial. Na Polônia, onde já há leis anticomunistas, houve uma tentativa recente de expandir seu escopo, proibindo por completo o Partido Comunista do país. As leis anticomunistas de todos estes países têm algo em comum: a equiparação do comunismo ao nazismo, sob a alegação de que ambos são “regimes totalitários”.

As mais duras leis anticomunistas, no entanto, são as da Indonésia. No país, propagar intencionalmente ideias comunistas ou marxistas-leninistas é um crime que pode ser punido com até 20 anos de prisão. Em 2017, um turista malaio foi detido no país por usar uma camiseta com a foice e o martelo estampados. As leis são fruto direto dos acontecimentos de 1965, quando, em resposta a um levante de oficiais militares, um grupo de generais derrubou o governo de Sukarno e, culpando o Partido Comunista da Indonésia – à época o terceiro maior do mundo -, levou a cabo o extermínio de ao menos 500 mil supostos comunistas.

Na Croácia, a criminalização do uso de simbologia está em discussão. Outras medidas nesse sentido foram tentadas na Georgia, República Tcheca e Albânia.

Na Alemanha, o uso da bandeira da República Democrática da Alemanha (RDA) ficou proibido até o final dos anos 1960, e nos Estados Unidos, durante os anos 20, diversos estados proibiram o uso público de bandeiras vermelhas. A proibição só acabou em 1931, mas a perseguição anticomunista voltou com força durante o Macartismo dos anos 1950.

No Brasil, o Projeto de Lei (PL) 5358/2016, de autoria de Eduardo Bolsonaro, busca “criminalizar a apologia ao comunismo”.

Anticomunismo avança na Europa

No passado 19 de setembro, foi aprovado no Parlamento Europeu a resolução “Sobre a importância da memória europeia para o futuro da Europa.” A resolução, seguindo a tradição dos países com leis anticomunistas, equipara o comunismo ao nazismo, chegando a dizer que o pacto de não-agressão entre URSS e Alemanha, de 1939, “preparou o caminho para o início da Segunda Guerra Mundial.”

O texto sugere ainda um tribunal anticomunista, ao dizer que “apesar de os crimes do regime nazi terem sido julgados e punidos nos julgamentos de Nuremberga, continua a ser urgente reforçar a sensibilização para os crimes cometidos pelo estalinismo e por outras ditaduras”. Além disso, sugere em diversos trechos a proibição de simbologia comunista, à luz dos países que já o fizeram.

O Partido Comunista Português (PCP) emitiu uma nota em que declara que a resolução aprovada “pela direita e pela social-democracia”, promove “as mais reacionárias concepções e falsificações da História contemporânea, numa deplorável tentativa de equiparar fascismo e comunismo, minimizando e justificando os crimes do nazi-fascismo.” De acordo com o partido, “esta resolução omite importantes comportamentos de tolerância, cumplicidade e alinhamento das principais potências capitalistas com o ascenso do fascismo em vários países europeus, motivados pelo combate ao ideal comunista.”

Para o Partido Comunista da Grécia (KKE), a resolução “assinada por grupos políticos do Partido Popular, dos Social-Democratas, dos Liberais, dos Verdes e dos Reformistas Conservadores” tem como propósito “legalizar o banimento de partidos comunistas e símbolos imposto em uma série de países-membro da União Europeia […] e generalizar a criminalização e perseguição da ideologia comunista e a ação das forças populares que lutam ao lado dos comunistas para resistir à barbárie anti-popular.”

O Partido Comunista da Espanha (PCE) lembra que, ao contrário do que diz a resolução, “foram as grandes potências capitalistas da França e do Reino Unido […] que pactuaram em Munique com o regime nazista o desmembramento de um estado soberano como a Checoslováquia” com o fim de fazer avançar a Alemanha nazista contra a União Soviética.

Em um texto publicado no site do italiano Partido Comunista da Refundação, o ex-membro do Parlamento Europeu Roberto Musacchio compara uma resolução aprovada em 2005, que marcou os 60 anos da Segunda Guerra Mundial, à resolução aprovada neste ano. “O texto de 2005 é aberto com um agradecimento aos países que pararam o nazi-fascismo com sua luta e suas vítimas. Entre eles, explicitamente, a União Soviética. O ‘novo’ texto coloca as coisas ao contrário, e atribui o pacto Molotov-Ribbentrop como causa do nascimento do conflito.”

O totalitarismo do anti-totalitarismo: liberais e anticomunistas dão as mãos

Tudo isso não é muito diferente do que liberais e liberais progressistas fazem agora no Brasil. No final do ano passado, escrevi sobre comparações esdrúxulas entre Bolsonaro e líderes comunistas que começavam a surgir. A primeira foi feita pela intelectual Rosana Pinheiro-Machado, que no The Intercept escrevia que “O bolsonarismo repete a Revolução Cultural da China“. Depois, o comediante Gregório Duvivier estendeu a comparação a Lênin. A Revista Fórum, por sua vez, tentava associar Bolsonaro à República Popular Democrática da Coreia, ou Coreia do Norte.

Agora, o The Intercept mais uma vez solta a mão da corrente humanista dos liberais-progressistas para desferir socos contra os vermelhos. Lucas Berti escreve em “A pior direita: Bolsonaro quer ser Piñera, mas é um Hugo Chávez de sinal trocado“:

“Governos liberais de direita estão na moda na América Latina. Mesmo com a onda conservadora, Jair Bolsonaro ocupa uma posição singular. O fator de espanto é o radicalismo do governo Bolsonaro, único polo de extrema direita da região desde o final do ciclo de ditaduras militares, na década de 1980. […] Hoje […] a maioria dos governos se encaixa no espaço que ocupa o novo PSDB – bem mais para João Doria do que para Fernando Henrique Cardoso. No entanto, o partido do atual presidente, o PSL, não tem nada dessa centro-direita, que até virou exemplo de moderação no Brasil diante dos meses de barbárie em 2019. […] Mas, ainda que jamais vá admitir, Bolsonaro é uma cópia desajeitada, liberalesca e à direita de uma figura de esquerda: Hugo Chávez. São militares, ex-paraquedistas, anti-imprensa, anticiência, autoritários, homofóbicos, misóginos, populistas, nacionalistas. Apresentaram-se como alternativas antissistema, são contra o multilateralismo, devotos de causas religiosas, pautados por conspirações, apelam a um “perigo estrangeiro”, invocam pautas ideológicas e referem-se aos EUA o tempo todo.

Que bela peça nos dá Lucas Berti. Primeiro, demonstra que nossos liberais-progressistas nada sabem de América Latina – é que estão com a cabeça na França. O governo Bolsonaro é o “único polo de extrema direita” na região desde 1980? Então o Uribismo colombiano é, como Dória, “exemplo de moderação”? O mesmo vale para o Fujimorismo peruano?

Segundo, demonstra claramente como pensam os liberais-progressistas inspirados em Hannah Arendt: moralizam a estratégia e a forma, estrategizam a moral, para, por fim, defender a continuidade liberal-democrática como a única experiência viável e balanceada. Afinal, aqueles que “se apresentam como alternativas antissistema” no fim serão comparados a Bolsonaro – assim como a URSS, que efetivamente deu 50 milhões de vidas contra a besta nazista é, no fim, igual à fera que buscou combater.

Se algum religioso passar à política, ou se algum político evocar sua religiosidade – talvez como o padre guerrilheiro Camilo Torres – também poderá ser comparado a Bolsonaro. Os que tratam de “perigos estrangeiros” e fazem do debate ideológico algo público também serão, na verdade, um “Bolsonaro com sinal trocado” – Cuba, a qual o bolsonarismo sempre se volta como possível campo de refugiados de “esquerdistas” brasileiros, é um exemplo. As acusações caberiam até ao ex-presidente Lula: seria ele também um “populista”, como nossa direita “moderada” acusava pelos programas sociais? Talvez fosse ainda “anti-imprensa”, por tanto denunciar as perseguições contra si e seu partido nas manchetes.

Essas interpretações absurdas, da Ucrânia ao Brasil, sobre a Segunda Guerra ou sobre política latino-americana hoje, têm muito em comum:

1 – Elas rejeitam a moral como fator do poder; os objetivos são só um detalhe, de forma que o Império Romano, com sua agressividade, é comparável ao Jesus que espanca mercadores.*

2 – Elas também rejeitam as bases como fator do poder; não bastando as razões pelas quais se movem, as forças que buscam as razões são também todas iguais, não importando sua classe, sua cor ou sua história.

3 – Elas ignoram a “violência cotidiana”, imbecil e sem sentido, à qual estão submetidos os povos que vivem sob o liberalismo democrático; uma República que hoje faz fuzis policiais a extensão da chibata contra a pele escravizada de ontem é no máximo uma República “com falhas”. As mortes no campo são “violações”. A superlotação do sistema prisional é “um problema”. Quando se regride nos direitos trabalhistas conquistados com sangue, ou quando a corrupção movida por grandes empresas e políticos se revela endêmica, são questões de “retrocessos” e “desvios”. Ainda que todos essas questões sejam seculares, nossos liberais-progressistas vêem nelas apenas erros, vírgulas, detalhes, crases. Não percebem: isso é o alicerce do sistema que hoje defendem; e a depender de como está o sol ou as nuvens, a estrutura odienta se revela mais moderada, alegre, brilhante, ou mais sombria, opaca, fúnebre.

4 – Elas são, na verdade, absolutamente totalitárias; ao medir o mundo, a moral, a estratégia, os povos e a política pela régua democrático-liberal ideal, estabelecem logo que tudo o que não se adequar às medidas é igualmente funesto. Não podem haver alternativas antissistema: só o sistema, com toda a sua violência aceitável, que, enquanto mantém a carapuça, não escandaliza a Vila Madalena e a Praça São Salvador.

Notas:

* – Falei de Jesus e, assim, tornei-me também Bolsonaro.

3 COMENTÁRIOS