Algumas coisas têm em comum o Equador, o Chile, o Peru e a Colômbia. A primeira, talvez a mais óbvia nesses dias que cheiram a gasolina e fogo, é que uma onda de instabilidade os tem atingido, um atrás do outro.

A segunda, que nos diz algo, mas não muito, é que são todos países governados por finos representantes do consenso liberal – do tipo que comem com garfos e facas, alguns mais do que outros, e não com as mãos. E, garfos e facas em mãos, fazem de tudo para comer da mesa do povo, dividindo-na e brindando requintados uísques com os sócios estrangeiros, até que ao povo nem mais as migalhas sobrem.

A terceira, fundamental, é que esses ajeitados senhores, que alguns no Brasil diriam que “não são como Bolsonaro”, apesar de toda sua respeitabilidade liberal, têm recorrido à força das armas e aos “profissionais da violência” para fazer frente à maré que se avoluma. No Equador, doze dias de duras manifestações contra o pacote de maldades antipopulares de Lênin Moreno e do FMI (Fundo Monetário Internacional) foram respondidas pelo estado de exceção, pelo toque de recolher e pelo Exército. Foram oito mortos, 1340 feridos e 1192 presos; tudo sob o sorriso carismático de um presidente em sua cadeira de rodas.

No Chile, Sebastián Piñera tomou o exemplo de Moreno: o estado de emergência, o toque de recolher, três mil militares e cinco mil policiais carabineros nas ruas fazendo frente às manifestações massivas de jovens que se levantaram contra o aumento das passagens do metrô, primeiro, e depois contra o “custo de vida” imposto pelo neoliberalismo. Informação que deve derreter o coração sensível dos que diziam há algumas semanas que “Bolsonaro quer ser Piñera, mas é Hugo Chávez” é que poucos dias de manifestações bastaram para gerar oito mortos e 1472 detidos no Chile. Será que na verdade Piñera quer ser Bolsonaro?

No Peru, o Presidente Vizcarra fechou o Congresso, que respondeu empossando sua vice e desautorizando o Presidente, que por fim contestou postando uma foto no Twitter, acompanhado dos comandantes das Forças Armadas. Isso parece ter bastado para o Congresso se curvar à autoridade presidencial, e para a vice deixar de lado essa história de vestir a faixa. Por ora, ao menos.

Na Colômbia, onde governa Iván Duque (dentre os gentlemans, o menos afeito aos talheres, é verdade), as manifestações contra as reformas trabalhista e previdenciária e as privatizações, todas apoiadas pelo FMI, ainda não tiveram envergadura suficiente para gerar respostas como no Peru, Chile e Equador. Nem precisam: Juan Manuel Santos, outro refinado senhor de cabelos brancos, já havia assegurado a entrada do país na OTAN como “parceiro global”, e Duque não só prosseguiu a guerra contra o Exército de Libertação Nacional (ELN) como também, com seus assassinatos e boicotes ao processo de paz, reviveu a guerra contra as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia – Exército do Povo (FARC-EP).

E por fim chegamos à quarta, e talvez mais preocupante, similaridade. É que todos esses países significam, juntos, a totalidade da costa do continente para o Oceano Pacífico.

Muralha ou porta de acesso? Rebelião no Pacífico Sul tem implicações geopolíticas. (Imagem: Revista Opera / Estúdio Gauche)

O Marechal Mário Travassos (1891-1973), idealizador e primeiro comandante da Academia Militar das Agulhas Negras (AMAN), combatente da Força Expedicionária Brasileira (FEB) durante a Segunda Guerra e articulista do Jornal do Brasil, Defesa Nacional e O Estado de S. Paulo, escreveu em 1931 sua grande obra, Aspectos Geográficos Sul-Americanos, renomeada em 1935 para Projeção Continental do Brasil. Um dos livros brasileiros mais traduzidos da história, com incontáveis edições em espanhol, a obra de Travassos é um clássico do pensamento geopolítico brasileiro, tendo influenciado enormemente não só a geografia política no Brasil como também a de todo o continente.

A obra de Travassos associa o desenvolvimento brasileiro ao do continente como um todo, e ficou especialmente conhecida por ensaiar uma transposição do conceito de heartland (coração da terra), desenvolvido por Halford Mackinder em 1904, para o contexto sul-americano. Nesta obra, Travassos faz uma observação relevante para hoje: “tudo faz crer que os maiores progressos da infiltração dos interesses norte-americanos em nosso continente se farão pelas vias andinas e ao longo da costa do Pacífico.”

A costa do Pacífico, assim, era a “via natural” da pressão e influência norte-americana geopolítica sobre o continente. Hoje, todos os países que a compõem, a despeito de seus governos-moinhos alinhadíssimos com os ventos do Norte, vivem uma onda de instabilidade. Não é por acaso que ela seja respondida com pulso tão forte – muito mais do que a estabilidade dos governos regionais e do endividamento dos países via FMI, pode estar em jogo a estabilidade da ingerência geopolítica norte-americana no continente.

Mas há uma pergunta a ser feita: e se, frente à onda popular, erguer-se, no lugar da repressão reativa dos governos, um revide colossal e contínuo, de coturnos e fuzis? E se, acuados pelo povo, estimulados pelo caos, os atores regionais procurarem uma ordem Leviatânica? Ou, ainda, e se for nos Estados Unidos que os governos da região procurarem sua salvaguarda? Ao invés de uma muralha contra a projeção norte-americana no Pacífico, teríamos dentro do continente nascentes imperiais de terror.

Bolívia: Boleta o Balazo?

No meio de tudo isso, no meio do continente, há a Bolívia. O país faz fronteira com cinco países: Brasil, Paraguai, Chile, Peru e Argentina. No país, nos lembra Travassos, há a Cordilheira dos Andes, que divide o continente a leste e a oeste, e as bacias dos rios Amazonas e Prata, que desenham uma divisão norte-sul; ali se concentram, ao mesmo tempo, as tensões do Pacífico e do Atlântico, enquanto que as duas principais bacias hidrográficas do continente se entrelaçam e apertam as mãos. O país, sem acesso para o oceano e amurado pelos Andes e pelo Altiplano, com saídas para todo o continente, nos diz o professor de História do Brasil na Universidade de Creighton, Lewis Tambs, constitui um heartland: “quem controla Santa Cruz comanda Charcas. Quem controla Charcas comanda o Heartland. Quem controla o Heartland comanda a América do Sul.” Não bastasse sua vocação natural a pesar muito no continente, a Bolívia é ainda parceira estratégica da China, e recentemente anunciou uma aliança com a Rússia para a construção de um complexo de tecnologia nuclear.

Esse país, por fim, passou por eleições no último domingo (20). O atual presidente, Evo Morales, de acordo com dados preliminares divulgados (com cerca de 80% dos votos contados) é o primeiro colocado, com 45% dos votos. Atrás dele, Carlos Mesa conquistou 38%. Há ainda o pastor evangélico conservador Chi Hyun Chung, com 8%, e Óscar Ortiz, com 4%. Na Bolívia, a não ser que o primeiro colocado consiga 50% dos votos mais um, ou que a diferença entre o primeiro e o segundo seja maior de 10%, há segundo turno. De maneira que, caso Evo não recupere ao menos 3% de vantagem nos 20% dos votos que ainda não foram apurados, as chances de ser derrotado (com uma transferência do eleitorado de Hyun Chung e Ortiz a Mesa) são muito grandes. Não bastasse, é claro, a pressão que a OEA e o nosso Itamaraty já começaram a fazer sobre as eleições do país, e o suposto plano, denunciado por Evo e traçado por ex-militares, de pôr em marcha um golpe no país no caso de sua vitória. Além disso, os dados preliminares apontam que o MAS (Movimento Ao Socialismo) de Evo deve perder maioria de 2/3 no Senado – o que já é, por si só, motivo de muita preocupação. A Bolívia já é alvo; natural, geopolítico, econômico.

As vozes que ecoavam no Equador cantando que “El Pueblo Unido Jamás Será Vencido, agora espalhadas pelo continente, passam a formar uma sinfonia geopolítica. Mantendo-se o povo no palco, é certo, Tio Sam deixa a plateia. Mas que canções se ouvirá na América Latina se, ao invés disso, ele virar maestro na Bolívia, compositor no Pacífico ou, ainda, regente de orquestras de gorilas? O que se tem por certo é que, com sua giganteza, o Brasil não passará indiferente.

2 COMENTÁRIOS

  1. […] Como previsto, avança na Bolívia uma tentativa de golpe de estado. Em diversas cidades do país, policiais se amotinaram em apoio aos protestos contra Evo Morales, e as principais rádios e TVs do país foram tomadas. Em virtude da urgência dos acontecimentos, publicamos a seguir uma nota conjunta de dois importantes intelectuais, Noam Chomsky e Vijay Prashad, sobre a situação no País. […]