Noam Chomsky e Vijay Prashad: Contra o golpe na Bolívia

por Noam Chomsky e Vijay Prashad - Tradução de Pedro Marin para a Revista Opera

1
1837
(Foto: Carwil Bjork James)

Como previsto, avança na Bolívia uma tentativa de golpe de estado. Em diversas cidades do país, policiais se amotinaram em apoio aos protestos contra Evo Morales, e as principais rádios e TVs do país foram tomadas. Em virtude da urgência dos acontecimentos, publicamos a seguir uma nota conjunta de dois importantes intelectuais, Noam Chomsky e Vijay Prashad, sobre a situação no País.


Na Bolívia, um golpe de estado está se formando contra o governo eleito liderado por Evo Morales. Setores das Forças Armadas – incluindo a polícia – indicaram abertamente que estão dispostas a permitir que grupos de milícias fascistas ataquem o Palácio Presidencial de La Paz. Esta é uma situação muito séria.

Evo Morales convidou os quatro principais partidos para sentar e conversar sobre o caminho a seguir para a democracia boliviana. Ele pediu a criação de um diálogo para impedir o retorno aos dias das ditaduras militares e ao domínio da oligarquia. Morales pediu às Nações Unidas, à Organização para os Estados Americanos, ao Vaticano e outros que ajudem a cimentar um caminho longe do golpe.

O golpe é dirigido pela oligarquia boliviana, que se enfureceu com a quarta perda eleitoral de seus partidos frente ao Movimento pelo Socialismo (MAS). A oligarquia é totalmente apoiada pelo governo dos Estados Unidos, que há muito tempo anseia por remover Morales e seu movimento do poder. Por mais de uma década, o Centro de Operações da embaixada dos EUA em La Paz articula o fato de ter dois planos – o Plano A, o golpe; Plano B, assassinato de Morales. Esta é uma violação grave da Carta da ONU e de todas as obrigações internacionais.

Nos posicionamos contra o golpe, e com o povo boliviano. Esperamos que eles sejam capazes de suportar o que será jogado contra eles nos próximos dias.

El mundo con Evo. Nós também estamos.

9 de novembro de 2019.