Em seu 60° aniversário: Revisitando “Fidel Castro e Malcolm X: Memórias de uma reunião”

Em 1960, quando pronunciou seu histórico discurso na ONU, Fidel ficou hospedado no Hotel Theresa, no Harlem, e se reuniu com Malcolm X. Por Gloria Verdieu | Struggle La Lucha - Tradução de Caio Sousa para a Revista Opera

0
1314
(Foto: Carl Nesfield)

“No dia 19 de setembro de 1960, milhares de novaiorquinos lotaram a 125ª e a 7ª avenida de Nova Iorque para saudar a chegada de Fidel Castro. Por 24 horas deste dia, as ruas do Harlem foram cobertas pela energia e corações quentes de seu povo. Esses foram eventos raros, de fato, rivalizados apenas por outro evento cerca de 30 anos depois, quando Nelson Mandela estava quase na mesma esquina, olhando para o mar de rostos negros aplaudindo seu retorno à capital negra do mundo.”

– “Fidel and Malcolm: Memories of a Meeting” de Rosemari Mealy (pg.14)

O dia 18 de setembro de 2020 marcou 60 anos desde que a delegação cubana chegou à cidade de Nova York para o primeiro-ministro Fidel Castro falar na décima quinta sessão da Assembleia Geral das Nações Unidas. 19 de setembro foi quando o ministro da Nação do Islã, Malcolm X, de 35 anos, e o chefe de estado cubano Fidel Castro, de 34 anos, tiveram um encontro histórico de mentes no nono andar do Hotel Theresa, de propriedade negra, em um dos bairros mais pobres e predominantemente negros de Nova York: o Harlem.

Como isso aconteceu? Muitas são as histórias escritas sobre as circunstâncias que levaram à internação da delegação cubana no Hotel Theresa e ao encontro de Malcolm X com Fidel Castro. Mas o que realmente aconteceu entre 18 de setembro, quando a delegação cubana chegou a Nova York, e 28 de setembro, quando ela voou de volta a Havana, Cuba?  

Deixe a verdade ser dita

Fidel e Malcolm X: Memórias de um Encontro” foi compilado por Rosemari Mealy com contribuições de cubanos e norte-americanos que deram suas perspectivas como historiadores, poetas, jornalistas e ativistas políticos. Publicado pela primeira vez em 1993, Mealy explica na introdução da segunda edição de 2013 que o livro foi ‘“inspirado pelo simpósio ‘Malcolm X Speaks’ de 1990 em comemoração ao 65º aniversário de Malcolm X realizado em Cuba.” O simpósio foi organizado por Mealy e Assata Shakur e hospedado pelo Centro Cultural Casa De Las Américas em Havana. 

O momento do simpósio também comemorou o 30º aniversário do encontro de Malcolm X e Fidel Castro. “Foi um momento inesquecível quando o ex-embaixador de Cuba na ONU, Raúl Roa Kouri, e o renomado jornalista afro-cubano Reinaldo Penalver falaram no simpósio, hipnotizando os participantes com suas histórias vívidas e coloridas, reflexões e memórias do famoso encontro entre dois dos maiores líderes do o século 20.” Foi nesse simpósio que soubemos que Roa deveria ser creditado por providenciar a logística daquela reunião e que Penalver entrevistou Malcolm pessoalmente ou, como ele disse, Malcolm o entrevistou. “O fato de Havana sediar o simpósio foi claramente um reconhecimento da contribuição de Malcolm para a luta mundial por justiça. Na opinião de muitos, foi uma contribuição importante para a internacionalização do pensamento de Malcolm X”.

Os cubanos têm acesso aos escritos de Malcolm X. Suas editoras foram algumas das primeiras a traduzir suas ideias para uma língua estrangeira. Nas escolas de línguas cubanas, os discursos de Malcolm são textos obrigatórios para futuros tradutores e intérpretes. 

A delegação cubana chega a Nova Iorque e muda do hotel Shelburne para o Hotel Theresa

Antes da chegada da delegação, Raúl Roa Kouri falou com Robert Tabor, um dos membros fundadores do Comitê Fair Play for Cuba (FPCC), que disse que Malcolm X havia sugerido que a delegação cubana ficasse no Hotel Theresa. Rao mencionou esta ideia à delegação, mas quando retornou à Missão cubana, foi informado que o Shelburne Hotel, localizado próximo ao Consulado cubano, havia sido escolhido para abrigar a delegação. 

Em um domingo no dia 18 de setembro de 1960, quando a delegação cubana chegou a Nova York, a revolução cubana havia acabado de completar um ano. O governo de Dwight D. Eisenhower e os cubanos contra-revolucionários nos EUA já haviam iniciado uma política de hostilidade a Cuba e ao primeiro-ministro Fidel Castro. A delegação foi saudada por uma multidão de cubanos patrióticos que se alinhavam na rota do aeroporto. Um grupo reacionário de exilados cubanos chamado “Rosa Blanca” (Rosa Branca) formou um piquete em frente ao hotel, provocando o terror ao ameaçar explodir o Hotel Shelburne. Havia uma linha de policiais separando os exilados cubanos dos EUA da entrada do hotel.

Na segunda-feira, 19 de setembro, o gerente do hotel disse a Roa para informar a seu primeiro-ministro que o hotel corria grave perigo de ser seriamente danificado por manifestantes e que ele deveria depositar uma taxa de segurança de 20.000 dólares para permanecer neste hotel. Fidel ficou indignado. A segurança e a manutenção da ordem eram problemas para a polícia de Nova York. Sua resposta ao gerente foi para Roa dizer-lhe na cara: “Você é um gangster e não vamos pagar um único centavo”, momento em que o gerente disse a Roa que a delegação seria despejada do hotel. A resposta de Fidel foi deixar o hotel imediatamente. 

Fidel começou a andar pelo quarto do hotel preparando-se para sair e olhando as opções para a delegação, que incluíam comprar barracas e acampar fora da ONU. Foi quando Roa lhe contou sobre a sugestão de Malcolm X de ficar no Hotel Theresa. Fidel perguntou: “Onde fica o Hotel Theresa?”. Roa respondeu: “No Harlem”. Fidel repetiu: “No Harlem? No gueto negro?”. Fidel disse a Raul para entrar em contato com Tabor e ir ver Malcolm X e reservar quartos. 

Conrad Lynn, um advogado de direitos civis afro-americano, ativista político e membro da FPCC, contatou Love Woods, gerente do Hotel Theresa, que hesitou a princípio porque poderia haver dificuldades em sacar um cheque de Fidel. Ele precisaria de dinheiro. Lynn conseguiu o dinheiro de um apostador simpático do Harlem depois de explicar a situação. O apostador, cujo nome não foi revelado por Lynn, era negro e pagou mil dólares a Woods. A delegação cubana se hospedou no Hotel Theresa na noite de 19 de setembro. 

O governo tentou pressionar o Sr. Woods, mas ele respondeu que este era um hotel público e que não podiam ditar para quem ele alugava os quartos. O Sr. Woods deixou claro para Lynn que não queria se envolver politicamente e que estava alugando o quarto como proprietário e não endossava nenhuma das ideias de Fidel. 

Woods, com quase 80 anos na época, era um líder com muita voz e respeitado na comunidade do Harlem. “Quase todos que entrevistei falaram do respeito que Love [Woods] conquistou quando se recusou a recuar em seu compromisso de hospedar a delegação cubana”, observou Reinaldo Penalver. 

Foi assim que a delegação cubana veio a se hospedar no Harlem, no Theresa Hotel, fazendo de Fidel o primeiro líder internacional a pisar em solo do Harlem de forma pública. A notícia de que a delegação cubana estava se mudando para o Harlem não foi bem recebida pela ONU. Que vergonha! Corria o boato de que os cubanos estavam se mudando para o Harlem ou armando barracas no terreno da ONU. O Serviço Secreto dos EUA estava ficando ansioso e os cubanos começaram a receber ligações dos melhores hotéis da cidade, oferecendo suítes e andares inteiros, gratuitamente. Fidel anunciou que a delegação se hospedaria no Hotel Theresa, no Harlem: “É lá que vivem os negros; é lá que vive a classe trabalhadora; é onde vivem os latino-americanos. É para lá que vamos porque nossa revolução é a revolução dos humildes, a revolução dos pobres, a revolução da integração racial e do anti-racismo”. 

Encontro com Malcolm X à meia-noite do dia 19 de setembro

Ver Fidel no Hotel Theresa significava passar por um pequeno exército da polícia de Nova York que guardava o prédio e pela segurança dos EUA e de Cuba. Malcolm X foi admitido porque havia sido recentemente nomeado para um comitê de boas-vindas para dignitários criado pela 288ª delegacia de polícia do Harlem. Fidel não queria ser incomodado com repórteres, mas consentiu em ver dois representantes da imprensa negra. 

A reunião durou cerca de 15 minutos, de acordo com o jornalista Jimmy Booker, do Amsterdam News, que falou com Malcolm antes da reunião. Malcolm disse: “Eu só quero dar as boas-vindas a Fidel”. Um tradutor apresentou as várias pessoas que vieram saudar e dar as boas-vindas à delegação cubana. Mas a barreira do idioma tornava difícil para os dois conversar até mesmo com o intérprete. Em resumo, Booker viu isso como um encontro de duas pessoas trocando ideias e experiências. 

Ralph D. Matthews, do Citizens-Call de Nova York, disse que Castro de Cuba e Malcolm do Harlem cobriram muitos assuntos no terreno político e filosófico. Castro falou de seus problemas no Shelburne Hotel, racismo e discriminação racial, a mídia, a África, e disse a Malcolm que falaria no “Hall” (a Assembleia Geral da ONU). Fidel disse: “Há uma lição tremenda a ser aprendida nesta sessão. Muitas coisas acontecerão nesta sessão e as pessoas terão uma ideia mais clara de seus direitos.” 

O jornalista cubano Reinaldo Penalver lembrou que a presença de Fidel e da delegação cubana se tornou uma espécie de evento para toda a comunidade do Harlem. Houve mobilizações 24 horas por dia. Cada vez que Fidel partia para a ONU ou voltava, havia sempre uma manifestação, gritando “Viva Castro!”. Centenas de homens e mulheres estavam sempre gritando: “Viva Fidel!” 

Destaques da visita da delegação cubana ao Harlem no famigerado Hotel Theresa

Após as viagens à Assembleia Geral da ONU, Castro passou os dias seguintes no Harlem se reunindo com vários chefes de estado. Quando o presidente Eisenhower o excluiu de um almoço de 22 de setembro para líderes latino-americanos, Castro deu seu próprio banquete no salão de baile do Hotel Theresa e convidou “o povo pobre e humilde do Harlem” a se juntar a ele.

Em uma entrevista coletiva, Castro disse aos repórteres: “Terei a honra de almoçar com os pobres e humildes do Harlem. Eu pertenço às pessoas pobres e humildes.” 

Em 21 de setembro, a FPCC (Fair Play for Cuba Comittee) realizou uma recepção para a delegação no salão de banquetes do Hotel Theresa, organizada por Richard Gibson, presidente do comitê. Entre os presentes estavam o poeta Langston Hughes, o professor C. Wright Mills, da Columbia University, o poeta Allen Ginsberg e o fotógrafo francês Henri Cartier-Bresson.

A seção do Harlem do Partido Comunista dos EUA, sob a liderança do prisioneiro político Ben Davis, realizou uma manifestação no Harlem em solidariedade a Cuba em 24 de setembro. Os delegados cubanos foram convidados do primeiro-ministro ganense Kwame Nkrumah. Eles receberam visitas do líder soviético Nikita Khrushchev, do presidente Gamal Abdel Nasser, da República Árabe Unida, do primeiro-ministro da Índia Jwaharlal Nehru e do ministro das Relações Exteriores V.K. Khrisha Menon e do líder búlgaro Tedor Zhivkov no Hotel Theresa. Em 26 de setembro, Fidel discursou na Assembleia Geral da ONU por quatro horas e meia. Ele garantiu aos presentes que “se esforçaria para ser breve” antes de lançar um monólogo marcante que detém o recorde da ONU até hoje. A transcrição do discurso de Fidel pode ser encontrada na internet.

Na noite de 28 de setembro, a delegação cubana fez o check-out do Hotel Theresa e partiu para o aeroporto apenas para descobrir que seus aviões haviam sido apreendidos por credores americanos. O líder soviético Khrushchev deu um passo à frente e ficou feliz em emprestar aos cubanos um luxuoso avião soviético para seu retorno a Havana. Fidel encerrou seu discurso poderoso e articulado à décima quinta Assembléia Geral da ONU resumindo a política do governo revolucionário de Cuba:  

“Portanto, a Assembleia Geral Nacional do Povo Cubano proclama perante a América, e aqui perante o mundo, o direito dos camponeses à terra; o direito dos trabalhadores aos frutos do seu trabalho; o direito das crianças à educação; o direito dos doentes a cuidados médicos e hospitalização; o direito dos jovens ao trabalho; o direito dos alunos à formação profissional e à educação científica gratuitas; o direito dos negros e índios à plena dignidade humana; o direito das mulheres à igualdade civil, social e política; o direito do idoso à segurança na velhice; o direito dos intelectuais, artistas e cientistas de lutar por meio de suas obras por um mundo melhor; o direito dos Estados de nacionalizar os monopólios imperialistas, resgatando assim sua riqueza e recursos nacionais; o direito das nações à sua plena soberania; o direito dos povos de converterem suas fortalezas militares em escolas, e de armarem seus trabalhadores – porque nisso nós também temos que ter consciência das armas, armar nosso povo na defesa contra os ataques imperialistas – seus camponeses, seus alunos, seus intelectuais, negros , índios, mulheres, jovens, velhos, todos os oprimidos e explorados, para que eles mesmos possam defender seus direitos e seus destinos”.