Os EUA têm uma obsessão doentia por Cuba

O cofrinho foi sacudido novamente: os EUA concederam em setembro desse ano 6,6 milhões de dólares em doações para "mudança de regime" em Cuba. Por Rosa Miriam Elizalde | Globetrotter - Tradução de Vinícius S. Morais Provazzi para a Revista Opera

0
826
(Foto: lezumbalaberenjena)

O cofrinho foi sacudido novamente. Em setembro de 2021, a Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (USAID) concedeu 6.6 milhões de dólares em doações para projetos que visam a “mudança de regime” em Cuba, um eufemismo para evitar dizer “intervenção direta de uma potência estrangeira”. A atual administração democrata dos Estados Unidos favoreceu especialmente o “Instituto Republicano Internacional” (IRI) com uma generosidade bipartidária que Donald Trump nunca demonstrou. Outros grupos baseados em Miami, Washington e Madri, que também receberam quantias generosas, estão entre os que pedem uma invasão da ilha. Esses grupos pintam um panorama apocalíptico em Havana para garantir um financiamento ainda maior no ano que vem.

O financiamento público para a indústria anti-Castro nos Estados Unidos parece inesgotável. No ano passado, pelo menos 54 organizações se beneficiaram dos programas do Departamento de Estado, da National Endowment for Democracy (NED) e da USAID para Cuba. Nos últimos 20 anos, esta última agência deu à Creative Associates International, uma fachada da CIA, mais de 1,8 bilhão de dólares para espionagem, propaganda e recrutamento de agentes da “mudança”, inclusive dentro da ilha. Um de seus projetos mais conhecidos, o chamado “Twitter cubano” ou ZunZuneo, resultou em um fracasso soberbo que revelou uma trama de corrupção e violações flagrantes de leis norte-americanas. O ZunZuneo custou ao diretor da USAID seu emprego, mas a Creative Associates International continua operando, só que agora sob disfarce.

O pesquisador norte-americano Tracey Eaton, que seguiu durante anos as rotas desses financiamentos, comentou recentemente que muitos dos programas de financiamento para a “mudança de regime” em Cuba são tão furtivos que provavelmente nunca será possível saber quem são todos os beneficiários ou qual é o valor total, e a julgar pelos milhões que se conhece, o subsídio real deve atingir valores ainda maiores. De acordo com cartas do Departamento de Estado e da USAID que Eaton recebeu, as estratégias de “construção da democracia” são consideradas “segredos comerciais” e estão isentas de divulgação segundo a Lei de Liberdade de Informação dos EUA.

Os Estados Unidos enlouquecem com qualquer alegada insinuação de intrusão russa, chinesa ou islâmica na política local e nas plataformas online do país. No entanto, não hesita um minuto em intervir rudemente em Cuba, conforme expõe o diário digital MintPress News, que documentou como grupos privados no Facebook instigaram os protestos de 11 de julho em várias cidades cubanas. “O envolvimento de estrangeiros nos assuntos internos de Cuba está em um nível que dificilmente pode ser concebido nos Estados Unidos”, diz a publicação, acrescentando: “as pessoas que desencadearam os protestos de 11 de julho em Cuba estão planejando ações semelhantes para outubro e novembro.”

Os Estados Unidos são uma superpotência militar cujos planos para subversão política são uma vergonha e um escândalo, e não há indicação de que Washington conseguirá realizar agora o que vem falhando em conseguir nos últimos 60 anos. Na verdade, a obsessão do governo dos EUA por Cuba já tem mais de dois séculos, como Louis A. Pérez, historiador da Universidade da Carolina do Norte em Chapel Hill, mostrou em um ensaio brilhante intitulado “Cuba como um transtorno obsessivo-compulsivo”: “A questão de Cuba raramente foi um tópico de discussão racional. Desafia uma explicação fácil e certamente não pode ser entendida exclusivamente – ou mesmo principalmente – dentro da lógica do cálculo político que, de outra forma, serve para informar as relações exteriores dos EUA, principalmente porque não é lógico”, escreve o historiador.

O que faz sentido é a permanência da “intransigência” cubana ao longo do tempo. Ernesto Che Guevara costumava repetir em seus discursos, nos primeiros anos da revolução de 1959, que “Cuba não será outra Guatemala”. Em outras palavras, sua independência do império dos EUA não poderia ser boicotada com ataques pela mídia, primeiramente, e por mobilizações induzidas e ataques militares posteriormente.

O costume de derrubar alternativas independentes é tão antigo e a arrogância proveniente de sua esmagadora força militar e capacidade de mídia é tão cega, que o governo dos Estados Unidos não foi capaz de prever suas derrotas contínuas nem superar o trauma de ter uma ilha rebelde “quase à vista de nossas costas”, como disse John Quincy Adams, e ainda por cima, sem o menor interesse em ser “o estado que nos falta entre a entrada do Golfo e a saída do vasto vale do Mississippi”.

A grande verdade de tudo isso, como Louis A. Pérez sabiamente comenta, é que os cubanos aprenderam com a história, mas Washington não.