Documentos revelam que Inglaterra reuniu inteligência para os EUA a fim de minar a Revolução Cubana

Os esforços britânicos incluíram informações falsas para minar a campanha cubana anti-apartheid na África e boatos sobre a homossexualidade de Raúl Castro. Por Peter Lazenby | The Morning Star – Tradução de Pedro Marin para a Revista Opera

0
452
(Foto: Alan Dimmick)

A embaixada britânica em Havana foi usada para coletar inteligência para os Estados Unidos, na tentativa de minar a Revolução Cubana durante a Guerra Fria, revelaram novos documentos.

De acordo com uma investigação do site de jornalismo investigativo Declassified UK, a Grã-Bretanha também fez suas próprias operações, incluindo campanhas de propaganda destinadas a difamar os líderes da revolução, incluindo Fidel e Raúl Castro.

As operações envolveram um departamento de propaganda do Ministério das Relações Exteriores, o Departamento de Pesquisa de Informações (IRD), e ocorreram durante a intensificação da Guerra Fria liderada pelos EUA no Ocidente contra a União Soviética.

Os arquivos revelam que em agosto de 1962, Leslie Boas, oficial de informação regional da Grã-Bretanha para a América Latina com base em Caracas, Venezuela, distribuiu um relatório sobre as principais personalidades políticas em Cuba.

O Sr. Boas escreveu: “Depois de ler o relatório, ocorreu-me que poderíamos fazer uso eficaz de algumas das informações nele contidas para fins de propaganda. Poderíamos publicar, de uma forma completamente inimputável, um folheto intitulado ‘Personalidades da Revolução Cubana’, no qual seriam destacados os aspectos mais duvidosos das principais figuras da cena cubana”.

Os arquivos observam que a oficial sênior do IRD, Rosemary Allott, sugeriu que a unidade poderia “incluir histórias adequadas que circulam em Cuba”, acrescentando: “Eu ouvi uma em Havana – já esquecida – sobre Raúl Castro ser homossexual”.

Outro funcionário do IRD, Geoffrey McWilliam, escreveu ao embaixador britânico em Havana que “a homossexualidade de Raúl Castro […] seria adequada para inclusão” no folheto.

Os arquivos também mostram que durante a década de 1970, o IRD produziu documentos falsos na tentativa de atacar as campanhas anti-apartheid de Cuba na África.

O diretor da Campanha de Solidariedade a Cuba, Rob Miller, disse ao Morning Star: “Não é nenhuma surpresa ler sobre essas tentativas limitadas do Reino Unido de apoiar a desestabilização dos EUA contra Cuba. Como parceiro minoritário, a Grã-Bretanha sempre se curvou às políticas dos EUA contra a ilha e em toda a região. No entanto, também é importante reconhecer que o Reino Unido geralmente adotou uma política mais independente em relação a Cuba e manteve relações diplomáticas e comerciais plenas com Havana continuamente desde 1959. O Reino Unido emitiu garantias de crédito para apoiar o comércio Reino Unido-Cuba na década de 1960 e tem incentivado o comércio bilateral desde então, para a ira dos EUA.”

Miller disse que a Grã-Bretanha deveria e poderia “fazer muito mais para neutralizar as políticas extraterritoriais de bloqueio dos Estados Unidos e defender uma política de engajamento em vez de agressão e isolamento”.