Na meca do capitalismo, as pessoas não confiam nas corporações

Os meios de comunicação e redes sociais lideram em desconfiança em todo mundo; nos EUA, desconfiança no governo atinge máxima histórica. Ao mesmo tempo, a China lidera tanto no índice de confiança nas empresas (84%) quanto no governo (91%). Por Misión Verdad – Tradução de Pedro Marin para a Revista Opera

0
305
(Foto: Marcin Wichary)

A confiança dos estadunidenses nas empresas se encontra em um período de forte declínio. Uma pesquisa revisada pela Statista, elaborada em novembro de 2021 em 28 países para averiguar o nível de confiança que as populações sentem nas empresas, revela esse assombroso dado, considerando que se trata de um país que promove o fortalecimento do setor corporativo em detrimento das instituições públicas.

Ao contrário do que se poderia crer, só 49% dos estadunidenses responderam que confiam nas empresas, enquanto que os países com maior confiança foram China (84%) e Índia (79%).

A pesquisa anual do “Monitor de Confiabilidade Global Anual” do instituto de pesquisas Ipsos detalha que tipos de empresas têm menos credibilidade a nível mundial. Os meios de comunicação e redes sociais lideram a lista, em grande medida em função da divulgação de informações falsas sobre a pandemia e outros assuntos políticos de interesse global, no caso dos meios de comunicação, e também em função do manejo de dados privados das pessoas buscando o lucro, no caso das redes sociais.

No entanto, as corporações não são o principal foco da desconfiança da maioria do público. Segundo os dados, neste contexto moderno de ceticismo e desconfiança, os povos de 23 dos 28 países pesquisas desconfiam mais de seus governos. O caso dos EUA é exemplar, tendo em conta que o presidente Joe Biden prometeu trabalhar para alcançar uma maior unidade entre os estadunidenses em torno das instituições do país, e agora há maiores divisões. De acordo com o Statista, somente 39% dos norte-americanos confiavam no governo Biden no final de 2021, o que representa uma diminuição de três pontos percentuais em relação ao ano anterior.

A outra face da moeda se encontra novamente na Ásia. 91% dos chineses que participaram da pesquisa disseram confiar em seu governo, seguidos pelos sauditas (82%) e indianos (74%). A Argentina é o país cujo governo conta com menos confiança do povo (22%).