Ucrânia: um conflito de contradições e os novos padrões na guerra e na mídia

A semântica da acusação de que a Rússia está "trazendo a guerra de volta à Europa" com sua intervenção na Ucrânia faz lembrar das denúncias de Aimé Cesairé sobre o colonialismo. Por Vijay Prashad | Globetrotter – Tradução de Pedro Marin para a Revista Opera

0
3672
Rebelde pró-russo mantém guarda no conselho municipal de Sloviansk, no leste da Ucrânia, em abril de 2014. (Foto: Yevgen Nasadyuk)

Surpresa e horror definiram a reação à intervenção russa na Ucrânia. É provável que isso se deva ao fato de, apesar da intervenção ter seguido os contornos modernos da guerra terrestre, ela também marcou uma ruptura com o passado em apenas alguns dias. O mundo se acostumou às intervenções militares dos Estados Unidos. Essa, no entanto, não é uma intervenção norte-americana. Este fato em si constitui uma surpresa – uma que confundiu tanto os repórteres quanto os especialistas.

Ainda que nos oponhamos à violência e a perda de vidas na Ucrânia em decorrência da intervenção russa (e a violência neofascista no Donbass), é valioso dar um passo atrás e olhar a como o resto do mundo pode perceber esse conflito, a começar pelo interesse etnocêntrico do Ocidente por um ataque no qual eles creem compartilhar aspectos identitários tanto com participantes e vítimas – seja em termos de cultura, religião ou cor de pele.

Guerras brancas

A guerra na Ucrânia junta-se a uma sequência de guerras que abriram feridas em um planeta bastante frágil. As guerras na África e na Ásia parecem intermináveis, e algumas delas são raramente comentadas sob qualquer sentimento nos veículos de imprensa pelo mundo ou em uma enxurrada de postagens em plataformas de mídia social. Por exemplo, a guerra na República Democrática do Congo, que começou em 1996 e resultou em um milhão de vítimas, não suscitou o tipo de simpatia do mundo que agora vemos nas reportagens sobre a Ucrânia. Em contraste, os comentários surpreendentemente francos de líderes políticos e jornalistas durante o conflito na Ucrânia revelaram a extensão do racismo na imaginação desses formadores da opinião pública.

Era impossível, há pouco tempo atrás, conseguir a atenção dos veículos de imprensa globais para o conflito em Cabo Delgado, que surgiu da captura da abundância de gás natural da província moçambicana pela TotalEnergies SE (França) e da ExxonMobil (EUA) e levou à instalação de militares ruandeses apoiados pela França no Moçambique. Na COP26, eu falei sobre esta intervenção a um grupo de executivos de companhias petrolíferas – que eu havia coberto para o Globetrotter – e um deles respondeu com exatidão: “Você está correto no que está dizendo, mas ninguém se importa.”

Ninguém – ou seja, as forças políticas nos estados do Atlântico Norte –, se importa com o sofrimento de crianças na África ou na Ásia. Eles estão, no entanto, tocados pela guerra na Ucrânia – que de fato deveria tocá-los e aflige a todos nós –, mas que não deveria ser vista como pior que quaisquer outros conflitos que ocorrem no mundo hoje, que são muito mais brutais e suscetíveis ao esquecimento pela falta de interesse a tenção dado a eles por líderes mundiais e veículos de imprensa.

Charlie D’Agata, da CBS News, disse que a Ucrânia “não é um lugar, com todo o respeito, como o Iraque ou Afeganistão, que viu conflitos violentos durante décadas. Essa é uma cidade relativamente civilizada, relativamente europeia – eu preciso ter cuidado com essas palavras, também – onde você não esperaria, ou imaginaria que… [um conflito] fosse acontecer”. Claramente, estas são coisas que se esperaria ver em Cabul (Afeganistão) ou Bagdá (Iraque), ou Goma (República Democrática do Congo), mas não em uma cidade ucraniana “relativamente civilizada, relativamente europeia”. Se essas são coisas esperadas dessas cidades, não há razão para alguém estar particularmente incomodado com a violência testemunhada nelas.

Não se esperaria tal violência na Ucrânia, disse à BBC o Procurador-Geral Adjunto do país, David Sakvarelidze, por conta do tipo de pessoas que foram pegas no fogo cruzado: “pessoas europeias com olhos azuis e cabelos loiros sendo mortas todo dia”. Sakvarelidze considera que os ucranianos são europeus, apesar de D’Agata chamá-los de “relativamente europeus.” Mas eles não são, certamente, nem africanos nem asiáticos, povos que – se você pensar com cuidado no que está sendo dito aqui – certos líderes mundiais e veículos de imprensa globais esperam que sejam mortos pela violência lançada contra eles pelos grandes poderes globais e pelas armas vendidas a marginais locais nessas regiões por essas mesmas grandes potências.

Leia também – Guerra na Ucrânia: rupturas na Rússia, mudança global?

Pior guerra?

Em 23 de fevereiro de 2022, o Secretário Geral das Nações Unidas, António Guterres, em uma sentimental declaração sobre a intervenção militar russa na Ucrânia, disse: “em nome da humanidade não deixem se iniciar na Europa o que poderia ser a pior guerra desde o começo do século”. No dia seguinte, 24 de fevereiro, com a Rússia fazendo “o maior ataque contra um estado europeu desde a Segunda Guerra Mundial”, a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, condenou esse “ataque bárbaro” e disse que “é o presidente Putin quem está trazendo a guerra de volta à Europa.” “Trazendo a guerra de volta à Europa”: esta é uma linguagem muito instrutiva por parte de Von der Leyen. Ela me lembra do Discurso sobre o colonialismo (1950) de Aimé Césaire, obra na qual o grande poeta e comunista lamentou a capacidade da Europa em esquecer dos terríveis tratamentos fascistas dados aos povos da África e Ásia pelos poderes coloniais quando eles falavam de fascismo. O fascismo, escreveu Césaire, é o experimento colonial levado de volta à Europa.

Quando os Estados Unidos invadiram o Iraque em 2013, nem o secretário-geral das Nações Unidas nem o presidente da Comissão Europeia deram um passo à frente no sentido de uma condenação imediata da guerra. Ambas as instituições internacionais acompanharam a guerra, permitindo a destruição do Iraque, que resultou na morte de mais de um milhão de pessoas. Em 2004, um ano após a incursão dos EUA no Iraque, após relatórios sobre graves violações de direitos humanos serem publicados (incluindo o relatório da Anistia Internacional sobre tortura na prisão de Abu Ghraib), o secretário-geral da ONU, Kofi Annan, chamou a guerra de “ilegal”. Em 2006, três anos após o início da guerra, o primeiro-ministro da Itália, Romano Prodi, que havia sido presidente da Comissão Europeia em 2003, chamou a guerra de um “grave erro”.

No caso da intervenção russa, essas instituições apressaram-se a condenar a guerra – o que é correto; mas isso significa que elas estarão de prontidão para condenar rapidamente a próxima campanha de bombardeio norte-americana quando ela começar?

Estenografia de guerra

As pessoas muitas vezes me perguntam: “qual é o veículo de mídia mais confiável?” É uma questão difícil de responder nestes dias, à medida que os meios Ocidentais estão cada vez mais tornando-se estenográficos de seus governos (com a plena exibição de  atitudes racistas por parte de repórteres cada vez mais frequente, tornando as desculpas posteriores pouco confortantes). Meios de comunicação apoiados pelo Estado na Rússia e na China agora se encontram cada vez mais banidos das mídias sociais. Qualquer um que contrarie a narrativa de Washington é rejeitado como irrelevante, e essas vozes marginais encontram barreiras para desenvolver um público para si.

A chamada “cultura do cancelamento” demonstra seus limites. D’Agata pediu desculpas por seu comentário sobre a Ucrânia ser “relativamente civilizada, relativamente europeia” em comparação ao Iraque e o Afeganistão, e já foi reabilitado porque ele está “do lado certo” do conflito na Ucrânia. A “cultura do cancelamento” se transferiu dos murmúrios das mídias sociais para os campos de batalha da geopolítica e da diplomacia, ao menos no que se refere ao conflito Rússia-Ucrânia. A Suíça decidiu dar fim a um século de neutralidade formal para cancelar a Rússia, ao aplicar sanções europeias contra ela (lembrem-se que a Suíça manteve-se “neutra” à medida que os nazistas dilapidavam a Europa durante a Segunda Guerra, e operou como banqueira dos nazistas mesmo após a guerra). Enquanto isso, a liberdade de imprensa foi colocada de lado durante o conflito atual no Leste Europeu, com a Austrália e a Europa suspendendo as transmissões da RT, uma rede de mídia internacional controlada pelo estado russo.

A confiabilidade de D’Agata como repórter permanecerá inquestionada. Ele “falou errado”, eles podem argumentar – mas trata-se de um deslize freudiano.

Cálculos da guerra

As guerras são feias, especialmente as guerras de agressão. O papel de um repórter é explicar porque um país vai a guerra, particularmente uma guerra não provocada. Se estivéssemos em 1941, eu poderia tentar explicar o ataque japonês contra Pearl Harbor durante a Segunda Guerra ou a crença dos japoneses de que os nazistas em breve derrotariam os soviéticos e então levariam a guerra ao Oceano Atlântico. Mas os soviéticos resistiram, salvando o mundo do fascismo. Da mesma forma, o ataque russo à Ucrânia requer uma explicação: os raízes dele remontam profundamente a vários desenvolvimentos políticos e nas relações exteriores, como a emergência pós-soviética do nacionalismo ao longo do Leste Europeu, o avanço rumo ao leste do poderio norte-americano – por meio da OTAN – e nas fronteiras russas, e a relação turbulenta entre grandes estados europeus e seus vizinhos orientais (incluindo a Rússia). Explicar este conflito não é justificá-lo, já que por óbvio há pouco a ser justificado no bombardeio de um povo soberano.

Vozes sãs existem em todos os lados destes desagradáveis conflitos. Na Rússia, o deputado da Duma Estatal Mikhail Matveev, do Partido Comunista, disse – logo após a entrada russa na Ucrânia – que ele havia votado pelo reconhecimento das províncias rebeldes na Ucrânia, que ele “votou pela paz, não pela guerra” e “para a Rússia ser um escudo, para que o Donbass não fosse bombardeado, não para que Kiev fosse bombardeada”.

A voz de Maatvev confunde a narrativa corrente: ela põe em cena a situação do Donbass desde o golpe de Estado instigado pelos EUA na Ucrânia em 2014, e soa o alarme contra uma escalada total da intervenção russa.

Haverá suficiente espaço em nossa imaginação para podermos entender o que Matveev está dizendo?